Matérias » Futebol

Como o racismo nas arquibancadas originou o mascote do Flamengo

Na busca de um simbolo que pudesse deixar o marinheiro Popeye de lado, a torcida encontrou um substituto após ofensas raciais

Daniela Bazi Publicado em 17/12/2019, às 17h07

O mascote é o preferido dos torcedores
O mascote é o preferido dos torcedores - Divulgação

O Flamengo é hoje um dos maiores times de futebol do Brasil. Com torcedores apaixonados espalhados por todas as partes do Brasil, o time já contou com dois mascotes oficiais, sendo o atual e preferido dos flamenguistas um urubu. Entretanto, a escolha do bicho surgiu de uma história insólito.

Durante a década de 1940, o Flamengo adotou o seu primeiro mascote oficial: o marinheiro Popeye. Apesar do personagem representar força e valentia, e fazer referência a tradição do time em esportes aquáticos como o remo, o marinheiro não caiu no gosto dos rubro-negros. Assim, o time precisaria de um novo símbolo.

A ave surgiu na história do time na década de 1960. Nessa época, as torcidas rivais tinham o costume de se referir a torcida do Flamengo como urubus. O apelido foi dado com um teor racista, já que boa parte dos flamenguistas eram negros e pobres. A torcida nunca viu o termo com bons olhos até o dia 31 de maio de 1969.

Neste dia acontecia um jogo entre Flamengo e Botafogo no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. O clássico era uma das maiores rivalidades na era pós-Garrincha, onde o time rubro-negro não vencia o rival há quatro anos. As arquibancadas estavam lotadas de torcedores onde, novamente, se escutavam gritos de “urubu” direcionados para os flamenguistas.

Uma pessoa da torcida do time havia levado um urubu ao jogo, e o soltou nas arquibancadas com uma bandeira do time no pé, minutos antes do início da partida. Quando a ave pousou no gramado, todos os rubro-negros entraram em festa, e começaram a gritar “é urubu, é urubu”.

O Flamengo conseguiu vencer o jogo por 2 a 1, quebrando os quatro anos sem vitória em cima do Botafogo. Desde então, o animal se consagrou e acabou virando o mascote oficial do time, desbancando o Popeye. O desenho foi feito pelo torcedor e cartunista Henfil, e publicado pela primeira vez em uma edição do Jornal dos Sports.


+Saiba mais sobre o Flamengo: 

Libertador: A Reconquista Rubro-negra Da América, Arthur Muhlenberg (2019)

Link - https://amzn.to/2sxmgJz

Box Premium Flamengo, Panini (2019)

Link - https://amzn.to/2PtfoG5

Um Flamengo Grande, Um Brasil Maior, Renato Coutinho (2019)

Link - https://amzn.to/2M6aKf3

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.