Matérias » Brasil

A provocação de Manuel Luís Osório contra D. Pedro II

Militar de grande prestígio, Osório atuou por 42 anos em defesa do Império e, em 1878, assumiu a pasta do Ministério da Guerra

M.R. Terci Publicado em 21/11/2019, às 13h00

Manuel Luís Osório
Manuel Luís Osório - Divulgação

Ao alvorecer da Guerra da Tríplice Aliança, em 1864, Manuel Luís Osório era o militar de maior prestígio no Prata, tendo atuado ininterruptamente por 42 anos em campanhas sucessivas em defesa do Império.

Tal era a tempera do herói que nas fronteiras do Rio Grande do Sul, em toda sua extensão, seu nome era conhecido e acatado, sendo tão forte o seu prestígio que sua simples assinatura era passaporte respeitado para qualquer transeunte.

Antes do findar da guerra, em 1870, recebeu o título de Marquês do Herval e, em agosto de 1871, em uma cerimônia solene em Porto Alegre, Deodoro da Fonseca entregou-lhe uma obra prima de ourivesaria, uma espada de honra, cinzelada em ouro e ornada de brilhantes, com todas as batalhas e combates que Osório participara gravadas na lâmina, custeada pelos oficiais comandados por ele durante o longo conflito.

Conta-se que em 1878, quando Osório assumiu a pasta do Ministério da Guerra, em um dos despachos coletivos no Paço, o Imperador Dom Pedro II, minado pela velhice, começou a cochilar durante a leitura da longa ata e logo adormeceu na presença de todos os ministros.

Estes entreolharam-se, numa consulta silenciosa. O que fazer diante de semelhante ocorrência?  Deixar a sala? Seria uma desconsideração. Chamá-lo? Um desrespeito. O imperador, por seu turno, roncava cerimoniosamente.

Osório que sorria diante da indecisão de seus pares, caminhou até diante do trono, desafivelou o cinturão e deixou cair, estrondosamente, sua custosa espada sobre o gracioso piso de mármore do salão de conferências. O Imperador levou um susto dos diabos. Subitamente despertado, o demandou severamente:

“Acredito que o senhor não deixava cair suas armas quando estava no Paraguai, marechal”.

Ao que Osório respondeu:

“Não, majestade. Mesmo porque lá nós não cochilávamos em serviço. ”

Na guerra e na paz, o legendário Osório foi um dos personagens mais interessantes da história do Brasil. Um homem de ação, simples e honesto, que jamais hesitou em fazer uso da espada.


M.R. Terci é escritor e roteirista; criador de “Imperiais de Gran Abuelo” (2018), romance finalista no Prêmio Cubo de Ouro, que tem como cenário a Guerra Paraguai, e “Bairro da Cripta” (2019), ambientado na Belle Époque brasileira, ambos publicados pela Editora Pandorga.


Saiba mais sobre D. Pedro II através das obras abaixo:

As barbas do Imperador, de Lilia Moritz Schwarcz - https://amzn.to/36MbHC4

D. Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti - https://amzn.to/2CoTTie

Imperador cidadão: e a Construção do Brasil, de Roderick J. Barman - https://amzn.to/33vl4UK

As viagens de D. Pedro II: Oriente médio e áfrica do norte, 1871 e 1876, de Roberto Khatlab  - https://amzn.to/33sspUS

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.