Matérias » China

Quando Mao Tsé-Tung exterminou 1 bilhão de pardais e teve que importar pássaros da URSS

Além de causar um desequilíbrio ambiental no país, a ação resultou na morte de mais de 30 milhões de pessoas

Isabela Barreiros Publicado em 02/10/2019, às 11h10 - Atualizado às 11h11

Poster da Campanha das Quatro Pragas
Poster da Campanha das Quatro Pragas - Reprodução

Grande Salto Adiante foi um grande programa de governo iniciado por Mao Tsé-Tung, em 1958. Por meio da industrialização, o intuito era transformar a China em uma nação próspera. Para alcançar esses objetivo, o líder iniciou inúmeras campanhas. Uma delas causaria a morte de aproximadamente 1 bilhão de pássaros.

Conhecida oficialmente como Campanha das Quatro Pragas, também apelidada de A Grande Campanha dos Pardais ou Campanha Mate um Pardal, fez parte do projeto de Tsé-Tung para o país. O discurso era de que ratos, moscas, mosquitos e pardais propagavam inúmeras doenças para a população, o que teria levado o governo chinês a apoiar o extermínio dessas espécies.

Acredita-se, porém, que esse não tenha sido o único motivo. Fazendeiros também se queixavam de que os pássaros estavam comendo os grãos de suas plantações. Os conselheiros do presidente chegaram a avaliar que um pardal, sozinho, comia cerca de 4 quilos por ano. O plano seria responsável por aumentar os rendimentos da agricultura chinesa.

Crédito: Reprodução

 

Em 1960, os cidadãos chineses começaram, então, a usar tudo que tinham ao seu alcance para matar os animais. Mobilizados, eles batiam panelas, frigideiras, e até tambores para assustar os pardais, fazendo com que eles nunca pousassem e morressem de exaustão. Ainda assim, quando os animais não morriam, as pessoas atiravam no céu para assassiná-los, além de desfazer ninhos e quebrar os ovos dos bichos.

Como estavam colaborando com o plano do governo, eles poderiam receber recompensas e reconhecimentos oficiais. Essa ação estatal colaborou enormemente para o número de pássaros abatidos.

Mas o que Tsé-Tung não havia imaginado era que essa exterminação teria consequências para os humanos que habitavam a região. A morte dos pássaros acarretou um enorme desequilíbrio ambiental no país, agravando problemas já causados pelo projeto de desenvolvimento do líder chinês, que envolvia o desmatamento e uso demasiado de pesticidas.

Poster da Campanha das Quatro Pragas / Crédito: Reprodução

 

Como não havia pardais para comê-los, o número de gafanhotos e lagartas aumentou drasticamente. Essa proliferação fez com que eles destruíssem as plantações e, consequentemente, as colheitas, ocasionando a falta de alimentos para toda a população.

A maior resultante disso foi a fome. O acontecimento ficou conhecido como a Grande Fome Chinesa, na qual entre 20 a 50 milhões de pessoas morreram de fome, por conta do grande colapso alimentício gerado no país.

Tentando consertar os danos causados, o governo passou a importar pássaros da União Soviética para tentar combater os insetos que estavam comendo as plantações. No entanto, já era tarde demais — não há como recuperar a vida das pessoas e, também, dos pardais.


Saiba mais

“Mao's War Against Nature: Politics and the Environment in Revolutionary China”, Judith Shapiro.