Matérias » Personagem

Paranoico com a morte, o rei Mitrídates VI passou a tomar doses diárias de veneno

Com medo de seguir os passos de seu pai, que foi envenenado, ele adotou a estratégia para adquirir imunidade. No entanto, o método foi responsável por uma grande reviravolta em sua vida

Fabio Previdelli Publicado em 24/12/2019, às 08h00

Mitrídates VI em uma de suas únicas estátuas
Mitrídates VI em uma de suas únicas estátuas - Wikimedia Commons

Mitrídates VI foi o governante do antigo reino de Ponto de 120 a.C. até 63 a.C — ano que ele morreu. Ele se tornou rei depois que seu pai, Mitrídates V, foi envenenado por um agente desconhecido em um jantar luxuoso na cidade de Sinope em 120 a.C.

Para garantir que nunca compartilharia do destino do seu pai, passou anos e anos tomando doses sub-letais de todos os venenos mais comuns, como uma maneira de aumentar sua imunidade. Até que, então, ele ficou completamente imune a eles.

Graças a seu plano de expansão territorial, ele proporcionou grandes momentos de prosperidade ao seu povo — que já havia conquistado toda a Ásia Menor e garantindo o controle quase completo das margens do Mar Negro.

Mapa do Reino de Pontus, Antes do reinado de Mithridates VI (roxo escuro), após suas conquistas (roxo), suas conquistas nas primeiras guerras mitridáticas (rosa) e aliado de Pontus no Reino da Armênia (verde) / Crédito: Wikimedia Commons

 

Nesse ponto, o Império Romano avançava para o Mediterrâneo oriental e um confronto entre os dois era inevitável.

Mitrídates VI acabou derrotado pelo general romano Pompeu Magno e foi forçado a fugir para suas outras terras no norte do Mar Negro. Sem se intimidar, ele tentaria formar um exército, mas seus métodos de recrutamento eram considerados muito draconianos e levavam a uma rebelião local que ameaçava acabar com Mitrídates.

Derrotado, desesperado e sem nenhuma outra alternativa, Mitrídates VI — que a essa altura tinha por volta dos 70 anos — decidiu que lhe daria o caminho mais digno da época e, como era de costume, cometeria suicídio. O método que ele havia escolhido? O envenenamento.

Porém, segundo os historiadores gregos Apiano da Alexandria e Dião Cássio, Mitrídates VI demonstrou ser realmente imune a qualquer tipo de veneno e, apesar de ter ingerido algumas doses, nenhum deles teve o efeito esperado.

Justamente em seu leito de morte, a imunidade a venenos que ele tinha adquirido acabou evitando seu fim, como se fosse uma irônica reviravolta que a vida lhe pregou.

Existem dois relatos diferentes de como ele morreu. O primeiro deles, descrito por Apiano, afirma que ele entregou uma espada a um soldado gaulês, que era seu amigo íntimo, para que ele lhe matasse. E que teria sido justamente isso que ele fez.

Busto de Mitrídates VI que está no Museu do Louvre / Crédito: Getty Images

 

Já Dião Cássio, diz que ele tentou se matar com uma espada, mas falhou porque estava muito velho e fraco para enfiar uma espada em seu peito. Assim, ele teria encontrado seu destino nas mãos dos rebeldes.

Foi por essa incrível reviravolta da vida real que o homem que temia ser assassinado por veneno, e que não conseguiu tal proeza por conta da sua imunidade, ficou conhecido como o "Rei do Veneno".


+ Para saber mais sobre o assunto:

1. The Poison King: The Life and Legend of Mithradates, Rome's Deadliest Enemy - https://amzn.to/2sUhgil

2. Mithridates VI and the Pontic Kingdom - https://amzn.to/34O9zaB

3. Venenos e Antídotos. Ensaios Sobre a Clínica Junguiana e Mitologia Grega - https://amzn.to/2sVHLE6

4. Doces Venenos: Conversas e Desconversas Sobre Drogas - https://amzn.to/397K5sf

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.