Matérias » Religião

Hoje é dia de São Judas Tadeu – o Santo das causas impossíveis

Conheça o primo de Jesus que recebeu a missão de levar o Evangelho ao Oriente, e como ganhou essa fama

Redação Publicado em 28/10/2018, às 00h30

Representação do apóstolo
Representação do apóstolo - Reprodução / Anthony van Dyck

Nascido em uma família humilde, mas abençoada, Judas Tadeu era primo de Jesus Cristo. Seu pai, Alfeu, era irmão de José e sua mãe, Maria Cleofas, era prima-irmã de Maria. Entre seus quatro irmãos, dois também foram apóstolos, Tiago e Simão, e uma irmã, Maria Salomé, foi mãe dos evangelizadores Tiago Maior e João Evangelista. Alfeu foi um dos discípulos a quem Cristo apareceu no dia da sua ressurreição e Maria Salomé chegou a acompanhar todo o martírio até a crucificação no monte Calvário.

Apesar desse histórico familiar, Judas Tadeu só aparece em uma única passagem bíblica, durante a última ceia. Jesus sabia que sua morte estava próxima e avisou aos apóstolos que eles teriam o poder de vê-lo assim que transcendesse. Foi quando Judas Tadeu perguntou por que o messias só se manifestaria diante deles e não de todas as outras pessoas. Jesus, então, explicou que ele e o Senhor fariam de Sua morada as pessoas que guardassem Sua palavra.

De acordo com o primeiro historiador da Igreja, Eusébio de Cesaréia, Judas Tadeu foi o noivo das bodas de Caná, na Palestina, onde Jesus transformou água em vinho. Ao impressionar-se com o milagre, foi chamado para ser seu discípulo.

Com o domínio dos idiomas por meio do Espírito Santo e o poder de curar doenças, ele viajou para o Oriente. O enviado do messias visitou aldeias, onde salvou enfermos, ressuscitou mortos e expulsou maus espíritos. O apóstolo passou pelas terras judaicas de Samaria e Iduméia, pela Armênia, Síria, Mesopotâmia e Pérsia.

Representação do santo Wikimedia Commons

Seu maior desafio foi no reino da Babilônia. Ele e seu colega Simão fizeram desaparecer o culto aos deuses pagãos. O próprio rei, homens da corte, 60 mil pessoas e até sacerdotes do templo do deus Marduk se converteram ao cristianismo.

Os pagãos não gostaram nada do trabalho dos evangelizadores e começaram a colocar o povo contra os apóstolos. Sábios da Babilônia, então, convenceram os apóstolos a ir para Suemir para converter os moradores de lá. Mas tratava-se de uma armadilha. Lá, os dois foram julgados e martirizados. Isso aconteceu depois de eles passarem fome e sede e fazerem longas caminhadas durante a peregrinação. Em Suemir, foram logo presos e julgados.

A mensagem 

Durante o julgamento, os cristãos receberam a mensagem de um anjo: “Escolhas de duas coisas uma. Ou que essa gente morra imediatamente ou que aconteça o martírio de vocês”. Judas Tadeu e Simão pouparam o povo da cidade e preferiram ser trucidados por golpes de lanças e machados, desde que os habitantes de lá se convertessem ao cristianismo.

E assim aconteceu. Os babilônios convertidos ainda espalharam as palavras de Jesus Cristo pela Síria e Pérsia. Começava a veneração a Judas. Ele foi canonizado imediatamente após sua morte – afinal, para a Igreja Católica, os doze apóstolos são santos. Sua vida dedicada à evangelização somada ao martírio já seriam motivos para ser venerado.

A devoção a ele começou com os povos do Oriente, testemunhas do trabalho de passar os ensinamentos de Cristo feito pelo apóstolo. Uma das histórias mais conhecidas pelos fiéis era a cura miraculosa do rei Abgar. O monarca sofria de lepra e já havia tentado de tudo na esperança de ser curado por médicos, sábios e curandeiros. Foi quando ouviu um depoimento sobre um homem que tinha o poder de acabar com qualquer doença.

A crucificação de Jesus Reprodução

Era Jesus Cristo. Mas o messias estava prestes a ser morto na cruz e deu a missão para Judas Tadeu. Com uma carta escrita pelo primo, ele foi ao encontro do rei e esfregou-a pelo corpo dele. Minutos depois, a lepra tinha desaparecido. Judas Tadeu pediu, então, ao governante que convocasse seus súditos e ministros para que todos fossem batizados e se tornassem cristãos. O que foi prontamente atendido por Abgar.

Séculos mais tarde, foi erguida na Babilônia uma igreja em homenagem a Judas Tadeu. Na Armênia, é considerado o primeiro apóstolo do país. Foi no século 9 que a devoção a ele começou na França e se estendeu pela Europa. Mas por pouco não caiu no esquecimento. No Oriente, os muçulmanos desintegraram comunidades de fiéis cristãos. No Ocidente, o apóstolo era confundido com Judas Iscariotes.

Os dois eram discípulos de Jesus, mas o segundo foi seu traidor. Acredita-se que foi justamente para evitar a troca de nomes que o primo de Cristo tenha recebido os apelidos de Tadeu (de origem siríaca, thad, que significa “misericordioso”) e Lebeu (de origem hebraica, leb, que quer dizer “bondoso)”. Também era conhecido como “Judas de Tiago”, em referência ao seu irmão, também apóstolo de Cristo.

Talvez graças ao nome diferenciado tenha conseguido se desvincular de Iscariotes e conquistado milhares de fiéis. O próprio Jesus tentou reerguer sua fama. Dizem que uma vez, enquanto Santa Brígida rezava, no século 14, Cristo apareceu e pediu: “Invocai com grande confiança o meu apóstolo Judas Tadeu. Prometo socorrer a todos que por seu intermédio a mim recorrerem”. Brígida atendeu o pedido, que, acredita-se, tinha a intenção de resgatar a fé dos cristãos no apóstolo.

Objetivo alcançado

O objetivo de Jesus foi alcançado. No Brasil, por exemplo, é um dos santos mais populares. Aqui, ganhou fama de protetor dos desesperados, das causas impossíveis e até mesmo de negócios sem solução. A instabilidade econômica também fez São Judas ser invocado para proteger quem tem dívidas a pagar. É possível que seu reconhecimento no país tenha acontecido após a Segunda Guerra Mundial graças a padres estrangeiros, no momento em que muitos santos tradicionais e antigos perderam popularidade.

O Brasil conta com mais de uma centena de paróquias dedicadas ao apóstolo. Uma delas é o Santuário de São Judas, na cidade de São Paulo, construído em 1940. Antes e depois da cerimônia na Igreja, os fiéis fazem filas para depositar seus pedidos no cesto que fica aos pés do santo.

No seu dia, 28 de outubro, milhares de pessoas vão ao santuário. Filas são formadas por fiéis que querem pagar promessas. 

Ele também foi venerado por outros cânones da Igreja. Além de Santa Brígida, que passou a consultá-lo nos momentos de dificuldade, São Bernardo de Claraval foi devoto de Judas Tadeu até o fim da vida e pediu para ser enterrado junto a uma relíquia do padroeiro em seu sarcófago. Dizem que ele queria ser sepultado com algo do santo para continuar a ter a proteção dele depois da morte.

Santa Crescência acreditava conseguir ajuda de São Judas nos momentos difíceis por ele ser o menos lembrado dos 12 apóstolos. São Clemente tornou tão tradicional a devoção ao santo numa casa de religiosas que elas ficaram conhecidas como as Tadeas. Já São Lúcio construiu uma igreja e um mosteiro dedicados ao apóstolo. Santa Gertrudes, por sua vez, sempre dedicou suas orações a Judas Tadeu. Ele é solicitado para trazer saúde e paz à humanidade.

O santo também dá seu nome a uma carta canônica direcionada aos cristãos. Com 25 versículos e escrita no final do século 1, o documento, de autoria atribuída a ele, adverte a humanidade sobre quem é contra Cristo. O objetivo do texto é delatar aqueles que se infiltram nas comunidades para transmitir idéias não-cristãs e conquistar seguidores. A descrença dos moradores de Sodoma e Gomorra (destruídas por Deus) e o crime de Caim (que matou o irmão Abel por inveja) são apresentados como exemplos de heresia.