Matérias » Personagem

Teodora do prostíbulo, a valente Imperatriz e prostituta

A mulher do Imperador Justiniano teve um importante papel dentro do império, lutando pelas mulheres numa época de poucos direitos

Caio Tortamano Publicado em 23/05/2020, às 10h00

Teodora em pintura de Jean-Joseph Benjamin-Constant
Teodora em pintura de Jean-Joseph Benjamin-Constant - Wikimedia Commons

Não foram poucos os casos de imperadores que abusavam de seu poder e colocavam súditos a seu poder. Porém, de todos os imperadores, parecia haver aqueles que se aproximavam de coisas extremamente mundanas, às vezes até demais.

O Imperador Justiniano foi o comandante do Império Bizantino durante o século 6, entrando para a História como responsável pela base do direito civil de muitos Estados modernos pela sua obra Corpus Juris Civilis. Também chamou atenção por ter se casado com uma prostituta.

Muito de sua vida é sabido a partir dos escritos de Procópio de Cesareia, um secretário pessoal de um general de Justiniano que escreveu um livro criticando não só o general, mas também o imperador e sua mulher Teodora, a quem ele concedeu a alcunha de “do prostíbulo”.

Afinal, quem teria sido a suposta prostituta que conquistou o coração do imperador de Roma em Constantinopla?

Nascida aproximadamente em 495 D.C., na própria capital bizantina, Teodora ficou órfã de pai (que era adestrador de ursos) aos cinco anos de idade. Sua mãe era artista de teatro, e ensinou o ofício para a sua filha.

Aos 15 anos, Teodora era atriz, comediante, dançarina e mímica, tornando-se uma grande estrela do hipódromo, um centro esportivo, social e cultural de Constantinopla. Na época, era extremamente comum ass atrizes serem, também, prostitutas.

Casando aos 18 anos com um rico governante, o casamento pareceu não durar muito tempo: Em seguida, ela retornaria a Constantinopla para viver numa comunidade ascética no deserto.

A experiência fez com que Teodora adotasse uma vertente do catolicismo que considerava Jesus uma própria divindade, não homem e Cristo, como a religião católica apresenta. Pouco tempo depois ela renunciou ao seu trabalho de atriz e passou a viver próximo ao palácio como tecelã.

A proximidade com o governo levou Teodora a Justiniano, que logo se apaixonou por sua encantadora beleza e forte personalidade. Ele ainda não era imperador, e seu tio (Justino, que ocupava o Império) não aprovava o casamento, ilegal também aos olhos da lei.

Outro obstáculo era a mulher de seu tio, a Imperatriz Eufemia. Logo após sua morte, Justino aceitou em mudar a lei para que os dois apaixonados pudessem se casar sem maiores problemas. Dois anos após serem marido e mulher, puderam se coroar imperador e imperatriz.

No governo, Teodora grande participação e influência ao lado de seu marido. Justiniano diminuiu a distinção entre gênero e classe, privilegiando socialmente a ambição e capacidade. Também criaram juntos o conceito de Estado Ocidental moderno, as bases do direto da Europa e o poder da Igreja Ortodoxa Oriental.

Ela atuou ativamente pelos direitos das prostitutas, afirmando ser mais uma questão de justiça social por motivos de desigualdade, que obrigavam mulheres a oferecerem os seus corpos. A Imperatriz fechou prostíbulos, criou abrigos e aprovou leis que acabavam com a prostituição obrigatória.

A Imperatriz Teodora e seus súditos / Crédito: Getty Images

 

Os direitos das mulheres perante o divórcio também foram ampliados, concedendo direito à propriedade e criminalizando o estupro com a pena de morte. Todavia, ela foi além. Uma lei proibia mulheres de serem mortas após casos de adultério.

Os direitos permaneceram mesmo após a morte da imperatriz. Para Constantinopla de uma maneira geral, os políticos foram extremamente benéficos. Durante uma revolta na cidade, o casal se esforçou para que o lugar se reerguesse, devolvendo as glórias daquele local. Construíram pontes, igrejas e aquedutos, aumentando o status da cidade.

Teodora faleceu em 548, aos 48 anos, levando profunda tristeza ao Imperador Justiniano.


+Saiba Mais sobre o Império Bizantino com as obras a seguir:

Impérios: Uma nova versão da história universal, Jane Burbank e Frederick Cooper (2019) - https://amzn.to/2YPsQHA

As Maiores Civilizações Da História (2008) - https://amzn.to/2PinelH

De Bizâncio para o mundo: A saga de um império milenar, Collin Wells (2011) - https://amzn.to/2rIpRV7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du