Matérias » União Soviética

Chimpanzomen: A União Soviética tentou criar um híbrido de macaco com humano

Com o aval de Stalin, um biológo soviético tentou cruzar as espécies para dar vida a uma invenção bizarra

Redação Publicado em 29/07/2019, às 07h00 - Atualizado às 08h00

None
Getty Images

Ninguém podia dizer que lhe faltava autoridade: com seus experimentos na década de 1910, Ilya Ivanovich Ivanov basicamente inventou a inseminação artificial. E, já então, ele havia ousado revelar seu sonho: criar um híbrido de chimpanzé (ou outro grande primata) e humano.

A ideia é cientificamente plausível: a distância genética entre humano e chimpanzé é similar à de um cavalo para um jumento, e esses se reproduzem facilmente.

Obviamente, possibilidade não significa dever. O híbrido seria um pesadelo ético. E é aí que entra alguém não exatamente conhecido pela ética: Josef Stalin. Documentos descobertos em 2005 revelaram que ele acreditava ser possível criar um superexército de homens-macacos. Eles seriam armas vivas.

"Eu quero um novo ser humano invencível, insensível à dor, resistente e indiferente à qualidade da comida que ingere", relatou o ditador ao cientista. E existia mais um motivo: a União Soviética estava em guerra aberta contra a religião, e um híbrido entre nós e o chimpanzé provaria que somos parentes, descendentes de um mesmo ancestral.

Ilya Ivanovich Ivanov / Crédito: Domínio Público

Por que Stalin achava que um chimapanzomem seria tão poderoso, só perguntando ao seu fantasma. O que sabemos é que Ivanov recebeu uma bolsa equivalente a U$ 200 mil para testar suas ideias em Guiné, na África Ocidental. Ele tentou inseminar três fêmeas com sêmen humano, mas falhou. Então procurou inseminar humanas em um hospital, sem seu consentimento, e foi gentilmente convidado a voltar para a União Soviética.

O cientista não voltou de mãos abanando. Ele levou chimpanzés vivos ao seu laboratório e por incrível que pareça conseguiu cinco voluntárias para serem inseminadas, mas os macacos morreram antes de o experimento prosseguir.

Em 1930, o cientista caiu em desgraça com o regime soviético. Stalin havia se encantado com as teorias do jovem agrônomo Trofim Lysenko, que rejeitava a genética e seleção natural, defendendo um novo tipo de lamarckismo - isto é, a possibilidade de se passar à geração seguinte características adquiridas por esforço. 

As divergências científicas receberam o mesmo tratamento que a diferença de opinião política. Em dezembro de 1930, o velho cientista foi preso e exilado para o Cazaquistão. Morreria de derrame um ano depois.