Matérias » Brasil

Zuzu Angel: uma estilista contra a Ditadura Militar Brasileira

Após o desaparecimento de seu filho Stuart, Angel foi opositora ferrenha ao regime

Joseane Pereira Publicado em 07/11/2019, às 08h00

Zuzu Angel, a estilista militante
Zuzu Angel, a estilista militante - Wikimedia Commons

No dia 5 de junho de 1921, no município de Curvelo, Minas Gerais, nascia Zuleika Angel Jones. Em sua trajetória, a mineira ficou conhecida mundialmente pelas roupas que produzia como estilista, influenciada pela cultura e pelas cores do Brasil - principalmente da Bahia, onde passou a juventude. O estilo de suas criações misturava renda, seda e fitas com estampados folclóricos e regionais, como papagaios e borboletas.

Mas não foi apenas no mundo da moda que Zuzu Angel marcou história. Ela também foi uma grande opositora da Ditadura Militar Brasileira, após a captura e assassinato de seu filho Stuart Angel pelo regime.

O FILHO

Aos 25 anos, Angel se casou com o estadunidense Norman Angel Jones. Após passar algum tempo no Rio de Janeiro, o casal se mudou para Salvador, onde teve seu primeiro filho, Stuart Edgar Angel Jones. Após ele, viriam duas garotas: Ana Cristina e Hildegard.

Zuzu Angel e seus filhos Stuart, Hildegard e Ana Cristina / Crédito: Divulgação/Instituto Zuzu Angel

 

Na virada dos anos 60 para os 70, enquanto estudava Economia na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Stuart Jones passou a integrar o Movimento Revolucionário 8 de Outubro, que combatia a ditadura militar no Brasil. Preso em abril de 1971 no bairro de Grajaú, Rio de Janeiro, ele foi levado sob custódia à sede da CISA (Centro de Informações da Aeronáutica).

De acordo com o preso político Alex Polari, que afirmou ter testemunhado o incidente, Stuart foi amarrado às costas de um jipe com a boca colada ao tubo de escape do veículo. Arrastado pelo pátio da base da Força Aérea, ele acabou morrendo por asfixia e envenenamento por monóxido de carbono. O corpo de Stuart nunca foi encontrado.

Em carta entregue por Polari a Zuzu Angel no dia das mães, ele comentava sobre o possível paradeiro de Stuart, que após ser desamarrado teria sido abandonado no chão e suplicado por água durante toda uma noite.

REPERCUSSÕES

Zuzu Angel levou a morte de seu filho ao mundo. Em uma guerra contra o regime e pela recuperação do corpo, ela envolveu na luta os Estados Unidos, pátria de seu marido, e também seu trabalho como estilista. Com base na carta enviada a ela por Polari e em outras evidências, Zuzu denunciou o assassinato ao senador Ted Kennedy, que comentou o caso durante um discurso no Senado dos EUA.

Em seu trabalho, ela criou uma coleção estampada com motivos bélicos, pássaros engaiolados e manchas vermelhas. Um anjo ferido e amordaçado em suas estampas se tornou o símbolo de seu filho, e em 1971 ela realizou um desfile-protesto no consulado brasileiro em Nova York.

Zuzu Angel foi morta repentinamente em 14 de abril de 1976, no túnel que liga a Gávea a São Conrado, no Rio de Janeiro. Em 2014, o envolvimento de agentes da repressão em sua morte foi confirmado: eles teriam jogado a estilista para fora do veículo em movimento. Hoje, o túnel onde ela morreu é chamado Zuzu Angel em sua homenagem.


Saiba mais sobre essa história através das obras abaixo

Cativeiro sem fim: as Histórias dos Bebês, Crianças e Adolescentes Sequestrados Pela Ditadura Militar no Brasil, de Eduardo Reina

Link - https://amzn.to/2ClmzZs

Eu Zuzu Angel Procuro Meu Filho, de Virgínia Valli

Link - https://amzn.to/36IlOYB

Zuzu Angel - Coleção Aplauso, de Sergio Rezende

Link - https://amzn.to/2PWYlNw

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.