Matérias » Rússia

Histórias de amor no Império: As mulheres que encantaram czares russos

Paixões à primeira vista, amores não correspondidos e finais mais ou menos felizes, os romances dos soberanos do czarismo beiravam a narrativas novelescas

Isabela Barreiros Publicado em 22/03/2020, às 10h00

As mulheres: Mathilde Kschessinska, Anna Lopukhina e Catarina Dolgorukov
As mulheres: Mathilde Kschessinska, Anna Lopukhina e Catarina Dolgorukov - Wikimedia Commons

Foi amor à primeira vista. Quando Nicolau II e Mathilde Kschessinska se encontraram em um jantar de gala organizado pelo então imperador Aleksandr III, os dois se apaixonaram e iniciariam um romance que duraria ao menos quatro anos.

O relacionamento entre os dois, porém, era o típico caso proibido. Mathilde estudava coreografia em uma escola russa, e viria a se tornar uma das mais importantes bailarinas do país. Já Nicolau estava se preparando para se tornar o líder máximo do país, portanto, não deveria casar-se por amor, mas por compromissos políticos.

Mathilde Kschessinska / Crédito: Wikimedia Commons

 

E assim aconteceu. Pouco tempo depois do término do casal, o filho de Aleksandr III tornou-se o grande czar e uniu-se em matrimônio com Alexandra Feodorovna em 1894. O casamento duraria até a execução em 17 de julho de 1918, em que Nicolau e sua família foram fuzilados em Ecatemburgo, por tropas bolcheviques, após a Revolução Russa.

Mas histórias de amor não faltam na história imperial russa. Muitos homens se apaixonaram loucamente por mulheres e deram tudo o que podiam — e até mais — para suas amadas, no intuito de provar seu sentimento tão verdadeiro.

Amor não — tão — correspondido

Paulo I foi um czar russo que governou de 1796 até ao seu assassinato. Sua vida amorosa seguiu um rumo não menos trágico, porém.

O homem era completamente apaixonado por Anna Lopukhina. Ela foi sua principal amante durante muito tempo, e teve uma vida repleta de agrados nesse período. Como Paulo a endeusava, quase tudo o que era feito pela corte tinha a intenção de satisfazê-la.

Anna Lopukhina / Crédito: Wikimedia Commons

 

Por exemplo, o imperador sabia que a cor favorita de Anna era um tom de rosa que lembra a fruta framboesa. Assim, ordenou que seus guardas oficiais usassem uniformes dessa cor de preferência da moça. Além disso, fez com que o castelo real fosse pintado da mesma cor das as luvas da mulher.

Outra prova de amor feita por Paulo na corte russa foi cancelar uma proibição já existente nos castelos. A valsa era banida do local, mas o czar, como autoridade máxima, decidiu suspender tal lei unicamente devido ao gosto de sua amante pela dança. Ele até mesmo incentivou a prática em seus bailes.

No entanto, nem tudo eram flores. Quando Anna revelou ao czar que estava apaixonada por outro homem, Paulo não teve outra atitude senão organizar o casamento entre a moça e seu amado, o príncipe Gagárin. Ela continou tendo seu próprio espaço na residência do rei até seu assassinato.

Traição e diferença de idade

Era muito comum que membros da monarquia mantivessem relações fora de seus casamentos — normalmente — arranjados. O avô de Nicolau II, Alexandre II, porém, conseguiu se casar com sua amante Catarina Dolgorukov após a morte de sua esposa Maria Alexandrovna, em 1880.

Catarina Dolgorukov / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os dois se conheceram quando a moça tinha apenas 18 anos, sendo ele 28 anos mais velho que ela. A diferença de idade, no entanto, não fez com que o czar se afastasse da jovem, e os dois ficaram juntos por pelo menos 15 anos.

Mesmo que ainda estivesse casado com Maria, Alexandre organizou a mudança de Catarina para seu Palácio de Inverno, onde ela recebeu um aposento próprio. Os dois trocaram por volta de 6 mil cartas enquanto ela ainda não havia ido para o castelo do imperador.

Quando se casaram, com a morte da esposa do czar, Alexandre reconheceu oficialmente os quatro filhos que já tinham juntos. Todos eles receberam o mesmo sobrenome que a moça, que recebeu o título de Princesa Iurievskaia. Ainda assim, a história do casamento não iria durar pois, apenas alguns meses depois, o rei morreu após um atentado. Catarina não se casou novamente.


+ Saiba mais sobre os Romanov por meio das obras disponíveis na Amazon:

+Saiba mais sobre os Romanov através das obras abaixo:

O último tsar: Nicolau II, a Revolução Russa e o fim da Dinastia Romanov, de Robert Service - https://amzn.to/2WpbqjG

Os Romanov: O fim da dinastia, de Robert K. Massie - https://amzn.to/2otO67Q

In the Trenches: A Russian Woman Soldier's Story of World War I, de Tatiana Dubinskaya - https://amzn.to/324JVxe

Catarina, a Grande, & Potemkin: Uma história de amor na corte Románov, de Simon S. Montefiore - https://amzn.to/320p0uU

As Irmãs Romanov – A Vida das Filhas do Último Tsar, de Helen Rappaport - https://amzn.to/34f3IeD

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du