Matérias » China

Hong Kong pode descartar milhões de imunizantes contra a Covid-19

Enquanto o mundo inteiro anseia pela vacina, Hong Kong está a ponto de desperdiçá-las

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 26/05/2021, às 14h57

Profissional da saúde prepara uma seringa para vacinar paciente
Profissional da saúde prepara uma seringa para vacinar paciente - Getty Images

Desde o ano de 2020, quando o surto de Covid-19 se tornou um problema a nível global, a descoberta de um imunizante ou qualquer medicamento que pudesse amenizar os sintomas da doença se tornou o maior anseio de todos. Assim, em meio ao crescente aumento de óbitos, foi declarada uma verdadeira corrida pela vacina.

O tempo passou e diferentes laboratórios ao redor do mundo foram capazes de desenvolver imunizantes.

No entanto, mesmo com a existência de uma possível solução, o ritmo de produção ainda não é suficiente para atender a todas as pessoas, de modo que poucos países conseguem obter grandes quantidades dos imunizantes.

Frascos de vacina contra a Covid-19 / Crédito: Getty Images

 

Desperdício

Porém, enquanto o mundo busca incessantemente por uma vacina, Hong Kong anunciou na última terça-feira, 25, que pode jogar no lixo milhões de doses de vacinas contra a covid-19.

O território é um dos poucos no mundo que conseguiu comprar doses suficientes para imunizar toda a sua população, que é de 7,5 milhões de habitantes.

A razão para o desperdício é que  existe um prazo de validade para as vacinas e poucas pessoas se cadastraram para receber a vacina. Autoridades locais afirmam que a baixa adesão ocorre pela falta de confiança por parte dos cidadãos no governo, somada à desinformação promovida pelas redes sociais e também à redução do contágio na região.

Frascos do imunizante da Pfizer / Crédito: Getty Images

 

O fim do prazo se aproxima

Conforme advertiu ontem, 25, o ex-diretor do Centro de Proteção da Saúde, Thomas Tsang, a polulação que vive em Hong Kong "tem uma janela de apenas três meses" antes do vencimento do primeiro lote de vacinas da Pfizer-BioNTech.

"Estas vacinas têm data de vencimento", explicou o profissional, integrante da comissão do governo para as vacinas. "Não podem ser usadas depois da data de vencimento e os centros comunitários de vacinação da BioNTech deixarão de operar em setembro, como estava previsto", completou.

Enfermeira prepara seringa para vacinação / Crédito: Getty Images

 

Hong Kong recebeu 3,26 milhões de doses de imunizantes da Pfizer-BioNTech. Contudo, somente 1,23 milhão destas foram aplicadas.

As doses restantes, que possuem prazo de validade de seis meses, permanecerão armazenadas a temperaturas muito reduzidas aguardando a população.

Poucos vacinados

O UOL ainda apontou que somente 19% dos habitantes locais recebeu a primeira dose de uma vacina, enquanto 14% receberam as duas doses. A desconfiança está presente também entre os profissionais da saúde, sendo que apenas um terço das pessoas que atuam na área foi imunizado, conforme informou a Autoridade de Hospitais da cidade.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Balbúrdias na Quarentena, de Luísa Nogueira (2021) - https://amzn.to/31mx9w3

Medicina Dos Horrores: A História De Joseph Lister, O Homem Que Revolucionou O Apavorante Mundo Das Cirurgias Do Século XIX, de Lindsey Fitzharris (2019) - https://amzn.to/2uEVDDw

Cambridge - História da Medicina, de Roy Porter (2008) - https://amzn.to/38ZeyHN

Doenças que mudaram a história, de Guido Carlos Levi (2018) - https://amzn.to/33woA1R

A grande mortandade, de John Kelly (2011) - https://amzn.to/2vsqnZa

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W