Matérias » Estados Unidos

Inimigos de Kennedy: 5 teorias sobre o assassinato de JFK

Oficialmente, Lee Harvey Oswald foi apontado como responsável pela morte do democrata, mas e se o ex-fuzileiro foi realmente só um “bode expiatório”?

Fabio Previdelli | @fabioprevidelli_ Publicado em 21/11/2021, às 00h00 - Atualizado às 22h50

John Kennedy durante discurso
John Kennedy durante discurso - Domínio Público via Wikimedia Commons com modificações

Mesmo após quase seis décadas, as autoridades americanas pouco fizeram para reprimir o interesse público ou acabar com o ceticismo da população sobre um dos episódios mais controversos da história do país: o assassinato de John Fitzgerald Kennedy, em 22 de novembro de 1963, há 58 anos. 

No ano seguinte a fatalidade, a Comissão Presidencial sobre o Assassinato do Presidente Kennedy, conhecida popularmente como Comissão Warren, concluiu que JFK foi morto por um único atirador, Lee Harvey Oswald, que agiu sozinho e não fazia parte de nenhuma conspiração. 

Oswald sendo escoltado pela polícia em 22 de novembro de 1963 / Crédito: Getty Images

 

Pouco mais de uma década depois, em 1978, outra comissão do governo, o Comitê de Assassinatos da Câmara dos Representantes, concluiu que, segundo aponta a ABC News, além de Lee Harvey, provavelmente, existiria um segundo atirador. A comissão concluiu, então, que havia uma "conspiração", mas não foi capaz de determinar quem estava por trás — o que abriu uma lacuna para que diversas especulações surgissem.

Em 2003, a rede ABC realizou uma pesquisa que aponta que 70% dos americanos acreditavam que a morte de JFK foi “resultado de um complô, não o ato de um assassino solitário”; 51% pensavam que Oswald não agiu sozinho e outros 7% seque acreditavam que o ex-fuzileiro teria participado do crime. 

Seria Lee Harvey Oswald apenas um “bode expiatório”, como ele mesmo disse? E se ele não tivesse participado mesmo do crime, quem poderia ser o responsável, ou responsáveis? Confira 5 teorias sobre a morte de John Fitzgerald Kennedy:

1. Os soviéticos, a escolha óbvia

 É praticamente impossível citar inimigos públicos de John F. Kennedy, e dos Estados Unidos, é claro, e não citar a rivalidade que o país construiu com a União Soviética após a Segunda Guerra Mundial. 

No auge da Guerra Fria, Kennedy viveu um dos períodos mais tensos de sua gestão: a Crise dos Mísseis em Cuba, em outubro de 1962. Após conseguir impedir que os soviéticos instalassem uma base do país caribenho, o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev teria ficado tão embaraçado com a derrota que teria ordenado o ataque contra Kennedy.

Nikita Khruchchev/ Crédito: John Fitzgerald Kennedy Library via Wikimedia Commons

 

Outro ponto que sustenta essa ‘teoria’ é o fato de Lee Harvey Oswald possuir uma conexão clara com a URSS, afinal, o ex-fuzileiro naval se instalou por lá e visitou a nação por duas vezes com sua esposa russa Marina

Porém, tanto a Comissão Warren quanto a Comissão da Câmara encontraram poucas evidências de uma suposta operação ordenada por Khrushchev. Em 2017, no entanto, como aponta matéria da Veja, arquivos do governo americano que se tornaram públicos mostravam que Oswald teria conversado com o agente da KGB Valery Vladimirovich Kostikov, que atuava no departamento “responsável por sabotagem e assassinatos”, meses antes da morte de Kennedy.


2. Ninguém mexe com a Máfia

Como aponta a ABC News, a CIA chegou a ter contato com familiares do crime organizado para discutir uma possível conexão de mafiosos com o assassinato de JFK, afinal, a tentativa frustrada da Invasão à Baía dos Porcos, em abril de 1961, acabou com qualquer esperança de que o grupo criminoso voltasse à Ilha, o que enfureceu seus líderes. 

Mugshot de Jack Ruby/ Crédito: Departamento de Polícia de Dallas via Wikimedia Commons

 

Além do mais, o crime organizado não gostava nenhum pouco da perseguição que sofria do procurador-geral Robert Kennedy, irmão mais novo de JFK, e esperava que, com o assassinato, a influência política do clã dos Kennedy pudesse diminuir. 

Além do mais, Jack Ruby, dono de uma boate em Dallas e responsável pela morte de Lee Harvey Oswald, tinha claras conexões com a Máfia. No entanto, tampouco a Comissão Warren quanto o Comitê conseguiram ligar o grupo com o crime.


3. A revolta dos cubanos

Agentes americanos já fizeram inúmeros planos para assassinar o presidente cubano Fidel Castro. No dia da morte de Kennedy, inclusive, a CIA tentou matar o revolucionário com uma caneta venenosa, como recorda matéria publicada pela equipe do site do Aventuras na História. 

Um dos principais defensores dessa teoria, como aponta matéria do site português Público, foi o presidente Lyndon Johnson, que sucedeu Kennedy após o assassinato. "Kennedy estava tentando chegar em Castro, mas Castro o alcançou primeiro", disse Johnson à ABC News em 1968.

O revolucionário cubano Fidel Castro/ Crédito: Getty Image

 

Ambas as comissões investigativas, porém, também rechaçaram essa vertente. Em 1977, Castro foi entrevistado por Bill Moyers e acabou sendo questionado sobre o assunto, que classificou como “loucura absoluta”.


4. Jonhson e a guerra pelo poder

Escanteado na gestão Kennedy, Lyndon Johnson já havia perdido toda sua influência e já não via mais nenhuma perspectiva em sua carreira política, inclusive no Texas, seu estado natal e onde foi Membro da Câmara dos Representantes, como apontam Bill O’Reilly e Martin Dugard em ‘Os Últimos Dias de John F. Kennedy’ (L&PM Editores).

A teoria ponta que Johnson foi motivado pela ambição, além de ter recebido a ajuda de membros da CIA e de magnatas que acreditariam que lucrariam mais sob seu governo, principalmente por Lyndon defender a continuidade das operações no Vietnã, como Oliver Stone mostra no aclamado ‘JFK: A pergunta que não quer calar’ (1991). 

Lyndon B. Jonhson/ Crédito: Arnold Newman/Gabinete de Imprensa da Casa Branca via Wikimedia Commons

 

Além do mais, como sugere outra versão dessa ideia, Johnson foi ajudado na trama por um funcionário da CIA em ascensão: George W. Bush, que tinha a ambição de se tornar presidente e, por acaso, estava em Dallas no dia do assassinato, conforme aponta a ABC.


 5. A CIA e o ‘fogo amigo’

A Agência Central de Inteligência é figura importante em quase todas as teorias que envolvem o assassinato de Kennedy por conspiradores americanos, sejam eles magnatas, mafiosos ou homens de poder. 

Para muitos, a CIA poderia ser facilmente o bicho-papão desse conto, já que seus agentes são um segredo para a maioria dos americanos e, na década de 1960, a corporação tinha uma reputação por assassinar políticos de alto nível. 

Lee Harvey Oswald/ Crédito: Getty Images

 

Assim, sugere-se que Lee Harvey Oswald poderia ser um agente da CIA e outros membros do Serviço de Inteligência adulteraram seu arquivo no FBI para fazer parecer como que ele era um comunista e lobo solitário. Em 1978, porém, um relatório do Comitê de Assassinatos da Câmara concluiu que não havia evidências de que Oswald "já tivera contato com a Agência".


+Saiba mais sobre os Kennedy por meio de grandes obra disponíveis na Amazon:

Os últimos dias de John F. Kennedy, por Martin Dugard (2013) - https://amzn.to/35dWDfo

Perfis de coragem, de John F. Kennedy (2017) - https://amzn.to/2VSOTgA

Nêmesis: Onassis, Jackie O e o triângulo amoroso que derrubou os Kennedy eBook Kindle, de Peter Evans (2015) - https://amzn.to/2YtIJoL

Era uma vez um segredo: Meu caso com o presidente John F. Kennedy eBook Kindle, de Mimi Alford (2013) - https://amzn.to/2xvKWVO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W