Matérias » Entretenimento

Inveja e abusos físicos: A infância infernal de Macaulay Culkin

O astro de 'Esqueceram de Mim' chegou a acumular US$ 17 milhões antes dos 14 anos de idade — rendendo inúmeras brigas familiares

Wallacy Ferrari Publicado em 15/10/2020, às 10h04

Macaulay Culkin na capa do filme 'Esqueceram de Mim'
Macaulay Culkin na capa do filme 'Esqueceram de Mim' - Divulgação

Macaulay Culkin nasceu em 26 de agosto de 1980 e, em pouco tempo depois, já estava no ramo da atuação; começou a encenar peças aos 4 anos de idade, sendo levado pelo pai, Christopher Culkin, apelidado como Kit. O pai era conhecido por produções na Broadway e já havia interpretaod personagens importantes nos palcos, mas fez questão de incluir o filho para a realização de um sonho que, ele mesmo, nunca havia alcançado — o acesso a Hollywood.

Macaulay já conseguia participar de produções cinematográficas aos 7 anos de idade, quando foi escalado para o drama 'Rocket Gibraltar', lançado em 1988. O sucesso, no entanto, ocorreu na obra 'Esqueceram de Mim', lançada em 1990, sendo um estrondoso sucesso comercial e rendendo prêmios e inserções de sua imagem em campanhas publicitárias.

Tamanho o sucesso como Kevin McCallister rendeu US$ 4,5 milhões para o jovem ator reprisar o papel no segundo filme. As pressões midiáticas e familiares, no entanto, renderam a sua aposentadoria precoce aos 14 anos de idade, alegando querer “uma vida normal”. Durante anos, o motivo de cessar as aparições em produções audiovisuais permaneceu desconhecido.

 

A tal vida normal

Apenas em 2018, quando o astro tinha 37 anos de idade, os principais motivos do afastamento midiático foram revelados. Somado a exposição midiática constante e as polêmicas que associaram seu nome ao escândalo da acusação de pedofilia contra Michael Jackson, Macaulay atribuiu aos pais a instabilidade psicológica que resultou no hiato.

“Ele era um homem mau. Ele era um abusador, fisicamente e mentalmente. Eu posso te mostrar todas as minhas cicatrizes se você quiser. Ele dizia ‘Faça tal coisa bem caso contrário baterei em você‘”, disse ao apresentador Marc Maron no podcast WTF. “Tudo o que ele tentou fazer durante a vida, eu já fazia muito bem antes de completar 10 anos de idade. Eu dançava melhor que ele e era um ator melhor que ele“, acrescentou.

Na mesma entrevista, o ator ainda afirmou que a separação for pais foi uma das “melhores coisas” que já aconteceram, visto que ele estava cansado de brigas por dinheiro: “Eu disse: ‘Estou fora [de Hollywood], gente. Espero que vocês tenham ganhado muito dinheiro porque não terão mais nenhum tostão vindo de mim“.

Macaulay sai em tribunal durante defesa de acusações contra Michael Jackson / Crédito: Getty Images

 

Ajustando a vida

Em 1994, quando completou 14 anos, a briga pelo dinheiro entre os pais recém divorciados resultou em um processo, movido por Macaulay, para que os pais não administrassem sua fortuna de US$ 17 milhões. O pedido foi aceito pela justiça americana e o dinheiro ficou em um fundo destinado aos seus estudos, administrado por uma juíza de menores até a conclusão da maioridade do astro mirim.

Durante tal tempo, o garoto ficou seis anos sem atuar, estudando em um colégio particular de Manhattan e fazendo apenas uma aparição no clipe ‘Sunday’ da banda Sonic Youth, em 1998. O retorno aos palcos ocorreu em 2000 na peça Madame Melville, em Londres, e, em frente às câmeras, o retorno ocorreu na série Will & Grace, em 2003.

Desde então, o jovem não faz questão de manter contato com o pai, restringindo os auxílios financeiros apenas para a mãe e os irmãos. Em 2012, Kit Culkin retrucou, afirmando que fazia questão de tentar uma reconciliação — mas retirou a vontade em entrevista ao The Sun, no ano de 2016, afirmando que “não considera [Macaulay] como filho”.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W