Matérias » Hollywood

Invenções, fama e vida íntima perturbadora: Florence Lawrence, a primeira estrela do cinema

Embora tivesse uma carreia marcada por fatos impressionantes, Lawrence quase morreu no esquecimento

Nicoli Raveli Publicado em 07/05/2020, às 08h00

Atriz Florence Lawrence
Atriz Florence Lawrence - Divulgação

Florence Annie Brigdwood, ou Florence Lawrence, nasceu em meio a arte, já que sua mãe, Charlotte A. Briddwood era atriz e diretora do teatro Lawrence Dramatic Company. Até aquele momento, a garota não havia apresentado qualquer interesse em seguir a profissão da mãe. Entretanto, após a morte de seu pai, as duas se mudaram de Ontário, no Canadá, para Nova York. Assim, a menina frequentou uma escola e passou a apresentar diversos talentos, como na equitação e patinação no gelo.

Entretanto, foi somente após a sua formação escolar que ela decidiu se juntar a empresa teatral de Charlotte. Com sucesso, Lawrence, aos 20 anos, foi uma das primeiras canadenses a dedicar-se ao cinema mudo e teve a sua primeira participação no filme The Automobile Thieves, de 1906. No mesmo ano, a jovem ficou conhecida após aparecer em mais 38 filmes da Vitagraph Studios.

Aproveitando os anos dourados, Florence decidiu se candidatar a um teste da Broadway, mas não obteve sucesso. Por outro lado, a tristeza seria compensada pouco tempo depois, após uma grande notícia: a artista havia sido contratada pela Edison Manufacturing Companyn e estrelou no filme Pioneer days in America, de 1906.

 Embora o salário não fosse alto – a atriz recebeu cinco dólares diários durante duas semanas – o episódio abriu as portas para que ela chamasse a atenção de diversos produtores e, em 1907, foi convidada para interpretar um papel no filme The Shaughraun.

A jovem atriz Florence Lawrence / Crédito: Divulgação 

 

Apesar de ter encontrado um sucesso inicial no cinema, a garota decidiu voltar ao teatro e participou da peça Road Show junto a sua mãe, que realizou sua última aparição como atriz.

Lawrence deixou essa vida para trás em menos de um ano, e voltou a focar somente no cinema. Devido a dedicação e boa atuação em The Dispatch Beare, de 1908, a jovem foi chamada para participar de onze filmes em menos de cinco meses.

Carreira em ascensão

Foi nessa época também que ela despertou o interesse de Griffith, um diretor cinematográfico que trabalhava na Biograph Company. Ele havia notado a presença de uma mulher de beleza atraente e intrigante nos filmes da Vitagraph Studios, então decidiu procurá-la. Em pouco tempo ela foi contratada para atuar no filme The Girl and the Outlaw, de 1908.

Devido ao sucesso do personagem, Florence participou de mais de 60 filmes de Griffith. Entre eles, estavam Betrayed by, Handprint e The Red Girl. A artista tornou-se popular, no entanto as pessoas não sabiam seu nome. Embora ela chamasse atenção, seu nome estava de fora dos créditos dos filmes.

Portanto, mesmo que ela tenha se casado com o ator Harry Solter, sua popularidade não era devidamente reconhecida. Isso levou diversas pessoas a escreverem para a Biograph Company perguntando quem era a bela atriz dos cabelos loiros. Mais tarde, ela ficou popularmente conhecida como "The Biograph Girl".

Os atores Owen Moore e Florence Lawrence / Crédito: Divulgação 

 

A artista continuou trabalhando na Biograph no ano seguinte e participou da série de comédia Jones, de 1909. Acredita-se que esse tenha sido o ápice de sua carreira, seguido por interpretações em The Ingrate  e Resurrection, onde viveu histórias de amor com Arthur V. Johnson. Mas não era suficiente para Lorence.

Isso porque ela tinha o sonho de trabalhar como diretora, enquanto seu marido gostaria de dar continuidade em seus papéis como protagonista. Dessa maneira, o casal escreveu à Essanay Studios em busca de oportunidades. Sem sucesso, não foram contratados – foram dedurados a Biograph e, posteriormente, demitidos.

Em busca de um emprego

Florence não demorou a encontrar outra oportunidade. Em 1909, Carl Laemmle despertou sua atenção sobre a empresa Independent Moving Pictures Company of América. Dessa maneira, ela e seu marido foram contratados e o proprietário planejou um golpe publicitário.

A fim de chamar a atenção do público e irritar a Biograph Company, Laemmle deu vida a um rumor de que Lawrence havia sido vítima de um acidente de carro e estava morta. Ao atrair os olhares da mídia, ele informou nos jornais “We nail a lie” (Nós pregamos uma mentira) e ainda forneceu uma foto da atriz, aproveitando o momento para anunciar que ela estava trabalhando no filme The Broken Oath, dirigido por Solter.

Com tamanho sucesso, o casal se dirigia ao estúdio durante onze meses e participou de cinquenta filmes. Todavia, cansados da dura rotina, foram até a Europa para tirar alguns dias de férias. Após os merecidos dias de folga, Florence e Solter retornaram aos Estados Unidos e, em 1910, juntaram-se a Lubin Studios, do fundador Siegmund Lubin. Lá, a atriz fez 48 aparições em filmes.

Florence Lawrence, uma das primeiras atrizes do cinema mudo / Crédito: Divulgação 

 

Mas não demorou a que o casal buscasse outro estúdio. Agora, juntamente a Carl Laemmle, fundaram a própria companhia: Victor Film Company, na qual Lawrence trabalhou como protagonista e Solter como diretor. Parecia que haviam encontrado o amor eterno, mas era um leve engano.

Na mesma época, Florence e seu marido enfrentavam situações conturbadas no  casamento. Para se ter ideia, ele acabou deixando a artista sem maiores explicações. Um verdadeiro inferno, ele passou a escrever e enviar diversas cartas sobre suicídio, o que levou a união do casal poucos meses depois.

Uma vez que haviam reatado, Florence alegou a Solter que gostaria de se aposentar. Dessa maneira, a Victor Film Company foi vendida a Universal Studios, e o casal aproveitou o dinheiro que tinha em mãos para comprar uma casa em Nova Jersey. 

Porém, a tão desejada aposentadoria não durou mais de um ano. Em 1914, a mulher retornou a sua antiga companhia, onde participou das filmagens de Pawns of Destiny. O que era para ser um momento de felicidade para a atriz, acabou em um completo desastre.

Em uma das cenas, Lawrence foi vítima de um acidente que a afastou do trabalho. Além de apresentar queimaduras em seu corpo, a mulher sofreu uma trágica queda. A Universal não se manifestou para pagar suas despesas médicas e, além de enfrentar um momento difícil por estar afastada do trabalho, a artista foi deixada pelo marido.

Durante a recuperação, Florence teve tempo de sobra para aflorar outros talentos. Diante disso, ela inventou uma espécie de braço sinalizador automático – que atualmente é conhecido como seta sinalizadora – e também deu vida a um sistema de luz, que posteriormente ganhou fama pela luz de freio localizada na parte traseira dos carros. Porém, suas ideias, por incrível que pareça, não receberam o devido destaque na época.

Foi então que ela decidiu voltar a Universal Studios e participou do filme Elusive Isabel, de 1916. Mas, o trabalho prejudicou sua saúde mais uma vez. Dessa vez, a artista havia ficado paralisada durante quatro meses devido a tensão que encontrou ao voltar para o mundo do cinema.

Isso fez com que ela ficasse um bom tempo longe das câmeras. E, em 1921, quando decidiu dar mais uma chance a sua profissão, poucos se lembraram de seu nome. Frustrada com a situação, Florence foi até Hollywood para participar do filme The Unfoldment, mas também não obteve sucesso e nunca recuperou seu pódio.

Florence Lawrence em ensaio fotográfico / Crédito: Divulgação 

 

Mesmo desanimada, ela continuou a interpretar pequenos papéis e casou-se com Charles Byrne Woodring em 1931. Durante o relacionamento, o casal teve a ideia de fabricar cosméticos e, mesmo após o divórcio, a empresa foi compartilhada igualmente.

Em busca de outro parceiro, Lawrence encontrou Henry Bolton e se casou pela terceira vez. A relação, porém, foi marcada por muitos episódios violentos, resultando na separação do casal em cinco meses.

Os últimos dias da famosa

Sem um parceiro e desamparada, Florence teve que enfrentar sozinha a insistente dor de ter perdido sua mãe. Na mesma época, os efeitos da Grande Depressão a afetaram e grande parte de sua fortuna foi perdida.

Para não passar por graves situações financeiras, a mulher voltou a fazer participações em diversos filmes pela produtora Metro-Goldwyn-mayer, como Hollywood Boulevard e One Rainy Afternoo, ambos de 1936.

Todavia, suas pequenas participações não amenizaram as dores internas e externas. Dessa maneira, a atriz – que lutava contra uma grave doença na medula – foi encontrada inconsciente em seu apartamento em 1938.

Ela havia ingerido inseticida, mas ainda havia esperanças de que ela poderia sobreviver. Entretanto, após ser transferida para um hospital, morreu em poucas horas. Seu corpo foi levado para o Hollywood Cemetery.

Sua lápide, todavia, não mencionava os grandes feitos da atriz. Ela ficou esquecida até 1991, quando Roddy McDowall, ator no National Film Preservation Board, decidiu pagar uma lápide em memória da artista: “The Biograph Girl/The First Movie Star”.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W