Matérias » Personagem

Isaac Newton era osso duro de roer

O físico que explicou a gravidade vivia brigando com colegas e não tinha amigos nem relacionamentos afetivos

Maria Carolina Cristianini Publicado em 25/12/2018, às 11h00

Isaac Newton
Reprodução

Ele descobriu a lei da gravidade. E desafiou a da longevidade. Quando nasceu, em 25 de dezembro de 1642, órfão de pai (morto três meses antes), Isaac Newton era um bebê prematuro. E, como naquela época a medicina era bem diferente, todo mundo achou que o pequeno Isaac não sobreviveria sequer ao primeiro dia. Ele viveu até os 84 anos.

Da infância complicada, quando foi morar com a avó porque a mãe se casara novamente, ficou a personalidade de um homem amargo e muitas vezes até cruel. Newton, por exemplo, quando trabalhava como diretor e depois presidente da Casa da Moeda britânica (ele ficou lá por 20 anos), chegou a ordenar a morte de alguns falsificadores. Sua vida ficaria restrita ao trabalho, sem registros de mulheres ou grandes amizades. Mas que trabalho...

Em 1687, publicou sua grande obra, Princípios Matemáticos da Filosofia Natural, que lhe trouxe reconhecimento imediato. Era basicamente a síntese da física, explicando como os corpos se movem – as famosas leis de Newton –, além de descrever a força gravitacional. Os estudos foram além. Depois de sofrer críticas sobre algumas experiências, isolou-se do mundo em 1678, quando se interessou pela alquimia. Mais de 100 tratados sobre o assunto ficavam em sua biblioteca.

Newton, que era osso duro de roer, teve a vida marcada por brigas. Uma das pendengas aconteceu com o cientista inglês Robert Hooke, que o acusou de plágio da teoria da gravidade. Os dois trocaram farpas em cartas e em artigos de jornais. Hooke não conseguiu dar uma explicação matemática para a idéia que teve em 1666, um pouco antes de Newton pensar sobre o mesmo assunto e chegar aonde o rival não conseguiu. Ponto para Newton.

Presidente da Royal Society de 1703 até sua morte, o prestígio e o dinheiro fizeram parte do fim de sua vida. Muito diferente do início, quando teve de trabalhar como camareiro de um professor em troca de bolsa de estudos.