Matérias » Crimes

John Hinckley Jr: o fanático que tentou matar Ronald Reagan para impressionar uma atriz

Há exatos 39 anos, o 40º presidente dos EUA quase morreu para que o fã reproduzisse cena de um filme

Vanessa Centamori Publicado em 30/03/2020, às 15h51

John Hinckley Jr
John Hinckley Jr - Wikimedia Commons

Até onde a fascinação de um pode chegar? bem, para John Hinckley Jr, o fanatismo foi longe demais, e tomou vias trágicas nos anos 1980: o rapaz não só cometeu um ato violento, como também virou o mundo de cabeça pra baixo. Isso porque ele tentou matar o maior líder político da época, o então presidente dos EUA, Ronald Reagan, em nome do amor que sentia pela atriz hollywoodiana Jodie Foster.

O atentado que, por pouco não culminou na morte de Reagan, ocorreu em 30 de março de 1981. Tudo foi planejado com antecedência e aconteceu após anos a fio de uma enorme obsessão doentia. 

Inspiração do cinema 

John Hinckley Jr era tão alucinado em Jodie Foster que seguia a atriz por qualquer lugar que ela fosse nos Estados Unidos. Ele até mesmo se inscreveu no mesmo curso que a jovem frequentava na Universidade de Yale, em 1980. 

O fanático ficou sabendo que a moça estaria na universidade por informações da Revista People. Decidiu então direcionar à ela centenas de cartas e conseguiu falar com a estrela pelo telefone duas vezes. Jodie Foster disse não ter interesse no moço, mas isso não foi o suficiente para interromper as alucinações de Hinckley Jr por ela. 

Jodie Foster no Oscar de 1989 / Crédito: Wikimedia Commons  

 

Um dos seus devaneios teve a ver com o filme Taxi Driver, de Martin Scorsese, que estava sendo estrelado pela atriz nos grandes telões. O admirador era tão obcecado pelo longa que o assistiu mais de 15 vezes. Seu foco era ser como o personagem Travis Bickle, que tentava proteger uma prostituta vivida por Foster. 

No fim do filme, Bickle tenta matar o candidato à presidência dos Estados Unidos durante um discurso público. Mas aquele contexto foi tirado ao pé da letra por John Hinckley Jr, que começou na vida real a perseguir o então presidente Jimmy Carter.

Em outubro de 1980, o lunático conseguiu a façanha de ficar a menos de um metro do político. Mas o jovem alucinado acabou sendo preso no Aeroporto Internacional de Nashville. 

O alvo muda

Após o episódio com Jimmy Carter, Hinckley Jr se consultou com um psicanalista por ordem de sua família. Só que seus planos perturbadores não pararam de chegar em sua mente e a ajuda psicológica não deu resultado. 

Ronald Reagan / Crédito: Wikimedia Commons 

 

John Hinckley Jr começou então a ficar obcecado por Ronald Reagan e começou a planejar um atentado contra o presidente. Deixou registrada a ideia em cartas, que enviou para a atriz Jodie Foster. Os bilhetes depois foram repassados para a polícia da Universidade de Yale, onde a moça estudava na época.

Um dos trechos das cartas dizia: “ há uma possibilidade definitiva que irei morrer na minha tentativa de pegar Reagan. É por isso que estou te escrevendo agora. Conforme sabe, eu te amo muito. Esses últimos sete meses eu te deixei dezenas de poemas, cartas e mensagens na esperança de que você desenvolva um interesse em mim”. 

O dia do ataque

O presidente Ronald Reagan estava em frente ao Hotel Hilton, em Washington, quando seis tiros foram dados por Hinckley Jr em direção ao chefe de estado. Os disparos atingiram não só o presidente, como três assistentes e o assessor de imprensa James Brady, que sofreu danos cerebrais permanentes. 

Ronald Reagan minutos antes do ataque / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Por pouco Reagan também teria danos eternos ou pior - fatais. Por sorte, no entanto, o tiro que atravessou seu pulmão esquerdo não acertou o coração ( só passou bem perto). Hinckley Jr foi imediatamente capturado enquanto o presidente foi posto em uma limousine por um agente secreto, que correu com o político para o hospital. 

Após 12 dias de internação, Reagan recebeu alta e retornou à Casa Branca. O seu quase assassino foi preso no estado do Tennessee e o veredito das acusações de porte de arma e tentativa de homicídio saiu em junho de 1982. 

Ronald Reagan e a esposa, quando ele recebeu alta do hospital / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Mas, para a surpresa e revolta de grande parte da população dos Estados Unidos, Hinckley Jr foi considerado “não culpado por motivo de insanidade”. Ele não saiu logo em liberdade, no entanto. 

O homem foi internado na instituição de auxílio psicológico St. Elizabeth’s Hospital. Em 1999, porém, foi dada a permissão de visitas supervisionadas fora da área hospitalar, até que em 2018, o criminoso foi completamente solto.


++Saiba mais sobre Ronald Reagan por meio das obras disponíveis na Amazon:

Ronald Reagan, de Bill Reilly (2016) - https://amzn.to/2GI4CH2

An American Life, de Ronald Reagan (2011) - https://amzn.to/38Tamtt

Reagan: The Life, de H. W. Brands (ebook) - https://amzn.to/2tWAxkd

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du