Matérias » Personagem

El Brujo: José López Rega, o guru que derrubou a presidenta Isabelita Perón

Rega foi um dos maiores responsáveis pela queda de Perón e ascensão da ditadura, que durou até 1983

Isabela Barreiros Publicado em 01/05/2020, às 09h00

José López Rega e Isabelita Perón, à direita
José López Rega e Isabelita Perón, à direita - Wikimedia Commons

Comparado ao bruxo russo Rasputin, José López Rega foi uma figura que teve influência política ao final do governo dos Perón, na Argentina. Todavia, sua atuação resultou em catástrofe — e o místico não está sozinho nessa.

“El Brujo”, como era conhecido e descrito pela mídia argentina da época, começou a se infiltrar na política quando conheceu Isabelita Perón, terceira esposa do ex-presidente Juan Domingo Perón, em um congresso de esoterismo em 1965. Encantada com as “habilidades” do mago, a ex-dançarina de cabaré decidiu levá-lo para conhecer seu marido que estava em exílio em Madri. E assim, Rega ganhou espaço.

Tornou-se secretário particular. Com o apoio de Isabelita, continuou interferindo na política de Perón, aliado ao esoterismo e à extrema-direita.

Segundo o jornalista Marcelo Larraquy, autor da biografia “López Rega: El peronismo y la Triple A”, o guru tinha o sonho de ser amigo de pessoas influentes na política. “Ele conseguiu se enfronhar entre pessoas poderosas e se tornou o mordomo da casa Puerta de Fierro (Porta de Ferro), onde Perón morou até retomar o poder na Argentina, em 1973. Basicamente, López Rega tinha a missão de dispensar as visitas rejeitadas por Perón”, explica Larraquy.

Juan Perón e José López Rega, à direita / Crédito: Wikimedia Commons

 

Nomeado Ministro do Bem Estar Social da Argentina, criou a Aliança Anticomunista Argentina, um grupo paramilitar de ultradireita que tinha como intuito “caçar comunistas”, a fim de combater a ameaça da ideologia de esquerda no continente latino-americano. A milícia agia de maneira ilegal e clandestina, realizando explosão de bombas, sequestros e assassinatos.

A Triple A, como também ficou conhecida, passou a atuar abertamente a partir da morte do presidente em 1974. De acordo com a mídia argentina, o corpo militar recebia apoio financeiro da CIA, cooperando na Operação Condor juntamente com a Aliança Americana Anticomunista, na Colômbia.

A morte de Perón ainda foi um evento memorável na trajetória política — e esotérica — do bruxo. Ao final de sua vida, a saúde do presidente estava debilitando-se cada vez mais após inúmeros problemas cardíacos e também pulmonares. As tentativas de ressuscitação feitas pelos médicos não tiveram efeito — no entanto, outra pessoa ainda se esforçou para tentar trazer o presidente de volta à vida.

Rega afastou, correndo, os médicos e foi até o corpo do político. “O general já morreu uma vez e eu o ressuscitei!”, gritou. Puxando as canelas do homem, caído no chão, ele fechou os olhos e clamou “meu faraó, não vá embora!”. Persistia, ainda dizendo “acorda, meu faraó”.

O peronista faleceu naquele dia, deixando seu cargo de líder do país para sua viúva, Isabelita. Era o momento de o El Brujo tornar-se cada vez mais influente, visto que a moça estava completamente sob seus “feitiços”. Mas isso não iria acabar bem.

“López Rega enfiou na cabeça de Isabelita que a transformaria em vice-presidente da Argentina para redimir o karma de Evita, que não pôde assumir o cargo em 1952. Para isso, durante a noite, ele levava Isabelita ao túmulo onde estava o corpo embalsamado de Evita e realizava uma espécie de cerimônia mágica. A ideia era transferir o espírito de Eva para o corpo de Isabel, a fim de lhe conceder a personalidade assertiva de Evita”, narra ainda o biógrafo argentino Larraquy.

Além de trazer transtornos no “mundo espiritual”, o bruxo também causou terríveis problemas no mundo físico. Ele é um dos responsáveis pelo desastre da política argentina do período, sendo até mesmo culpado pelo golpe militar que derrubaria Isabelita Perón em 1976.

Quando a viúva tomou posse em 1974, ela deu a Rega a missão de nomear quase todos os seus ministros — uma escolha praticamente fatal.

Quando o Ministro da Economia, designado pelo esotérico, Celestino Rodrigo, adotou um plano de medidas neoliberais, a inflação subiu de maneira drástica. A manobra econômica feita em 1975 foi um dos principais fatores que levou à derrocada do governo peronista na Argentina.

Depois disso, a situação só pioraria. Depois de uma revolta popular, ele fugiu para a Espanha. Começaria, assim, o Proceso de Reorganización Nacional, o período da ditadura militar que se estabeleceu no país até a derrota para o Reino Unido na Guerra das Malvinas, em 10 de dezembro de 1983. Até lá, o regime de caracterização fascista foi marcado por repressão política, violência policial e censura.

Quando o esconderijo do El Brujo foi encontrado, ele foi extraditado para seu país de origem e passou por um longo processo de julgamento. Condenado à prisão perpétua, morreu no cárcere aos 73 anos em 1989, apenas três anos depois de ter sido preso.


+Saiba mais sobre o período dos Perón na Argentina por meio dos livros a seguir:

Eva Perón (edição de bolso), Alicia Dujovne Ortiz (2016) - https://amzn.to/33sUA5i

Perón: Una biografía (Spanish Edition), Joseph A. Page (2014) - https://amzn.to/33ui1eL

Evita: The Life of Eva Perón, Jill Hedges (2017) - https://amzn.to/2XUqhDm

Os Intelectuais e a Invenção do Peronismo. Estudos de Antropologia Social e Cultural, Federico Neiburg (1996) - https://amzn.to/2pZ8Vsy

Breve historia del peronismo clásico (Spanish Edition), Loris Zanatta (2012) - https://amzn.to/2q0of8p

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W