Matérias » Personagem

Júlia Lopes de Almeida: a injusta e esquecida saga da escritora brasileira

A autora abolicionista foi impedida de assumir o seu lugar na Academia Brasileira de Letras, contudo, a história teve novos desdobramentos recentemente

Victória Gearini Publicado em 07/03/2021, às 10h00

Júlia Lopes de Almeida, escritora brasileira
Júlia Lopes de Almeida, escritora brasileira - Wikimedia Commons

Fundada em 1897, sob os moldes franceses, a Academia Brasileira de Letras (ABL) contou com a ilustre colaboração da escritora e abolicionista Júlia Lopes de Almeida. Contudo, embora a memorável autora tenha participado de reuniões e contribuído ativamente para a criação da instituição, ela foi esquecida.

Renegando o protagonismo e a emancipação feminina, a ABL concedeu um lugar no grupo ao marido da escritora, chamado Filinto de Almeida. Portanto, a cadeira de número 3 passou a ser ocupada pelo seu companheiro, uma vez que a academia não aceitava a participação de mulheres. 

Ideais revolucionários 

Nascida em 24 de setembro de 1862, no Rio de Janeiro, Júlia Lopes de Almeida mudou-se para Campinas ainda criança. Provinda de uma família de portugueses ricos e cultos, aos 19 anos já escrevia para A Gazeta de Campinas, segundo relatou o site Brasil Escola. 

Júlia Lopes de Almeida, escritora brasileira / Crédito: Divulgação / Youtube / tvbrasil

 

Criada por uma família liberal, a jovem mudou-se para Lisboa, em 1886, onde publicou a obra Contos infantis, junto de sua irmã, a também escritoraAdelina Lopes Vieira. 

Ainda segundo o site, em Portugal, a escritora conheceu o poeta Filinto de Almeida, com quem acabou se cansando pouco tempo depois. Aos 24 anos, ela publicou a primeira obra para adultos, intitulada Traços e iluminuras. 

Ao retornar para o Brasil, em 1888, ela escreveu alguns romances, contos, crônicas, ensaios e peças teatrais. Considerada uma mulher revolucionária e além do seu tempo, Júlia defendia, ainda, a abolição da escravatura, a proclamação da República e a emancipação dos corpos femininos. 

Segundo o site da Editora Darkside, a abolicionista realizou inúmeras palestras ao longo de sua vida, a fim de conscientizar as mulheres sobre seus papéis de emancipação perante a sociedade misógina da época. 

A brasileira tornou-se uma das escritoras mais publicadas durante o período da Primeira República (1889-1930). Tal sucesso lhe rendeu visibilidade e a publicação de diversos artigos e matérias que abordavam direitos iguais entre os gêneros. 

Injustiça e a reparação

Em 1889, logo após a Proclamação da República, um grupo de intelectuais começou a planejar a Academia Brasileira de Letras, que foi fundada somente em 1897. De acordo com o Brasil Escola, Júlia Lopes de Almeida foi a única mulher que contribuiu para a criação da ABL. 

Júlia Lopes de Almeida, escritora brasileira / Crédito: Divulgação / Youtube / tvbrasil

 

No entanto, seguindo as regras da Académie Française de Lettres, os colegas da escritora votaram contra a sua participação no seleto grupo. Portanto, a cadeira de número 3 foi entregue ao seu marido, Filinto de Almeida. 

Júlia, por sua vez, veio a óbito no dia 30 de maio de 1934, no Rio de Janeiro, vítima de malária. A revolucionária nunca viu a justiça ser feita, mas deixou um grande legado para a História.

De acordo com uma matéria do Jornal da USP, a regra de não permitir mulheres na instituição foi mantida até 1977, até que Rachel de Queiroz foi aceita como a primeira escritora feminina a integrar a academia.

Conforme repercutido pela Editora Darkside, em 2017 a ABL reconheceu a injustiça cometida contra ela. Na época, a autora foi homenageada e incluída como co-fundadora.

Assim como a carioca, diversas outras personagens femininas da história nacional e internacional tiveram suas histórias silenciadas e esquecidas ao longo da História.

Vítimas do machismo e patriarcado, muitas tiveram que lutar e dar suas vidas em prol de uma causa. Contudo, cada vez mais, a luta das mulheres tem ganhado força e histórias como a de Júlia são resgatadas e contempladas pelas gerações futuras.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Medo Imortal, de Romeu Martins (2019) - https://amzn.to/3qpoSRY

Inferior é o Car*lhø, de Angela Saini (2018) - https://amzn.to/3kQPR84

Ânsia Eterna, de Júlia Lopes de Almeida (2019) - https://amzn.to/3edan13

Obras essenciais de Júlia Lopes de Almeida, de Júlia Lopes de Almeida (2020) - https://amzn.to/3elspya

A falência, de Júlia Lopes de Almeida (2019) - https://amzn.to/38f0a0q

A intrusa, de Júlia Lopes de Almeida (2019) - https://amzn.to/3qla3ji

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W