Matérias » África

Kolmanskop, a cidade 'fantasma' da Namíbia

Ainda de pé, região é um retrato de como a colonização europeia mudou a construção da sociedade africana

Fabio Previdelli | @fabioprevidelli_ Publicado em 30/01/2022, às 09h00

Cidade fantasma de Kolmanskop
Cidade fantasma de Kolmanskop - Damien du Toit via Wikimedia Commons

Quem vê as paredes deterioradas e o interior das casas cheio de areia nem imagina que Kolmanskop já foi um importante ponto de interesse no meio do deserto da Namíbia, nação situada na África Austral, no sul do continente. 

Conhecida como uma “zona proibida”, a região, hoje, é um retrato, ainda de pé, ao menos por enquanto, da exploração do continente e de como a colonização europeia mudou a construção da sociedade africana

O brilho no meio do nada

Em 1908, o ferroviário namibiano Zacherias Lewala removia os trilhos de ferrovias das dunas de areia quando viu um atrativo brilho que chamava a atenção naquela inóspita noite. Ao levar o objeto para seu empregador, um alemão, o homem se admirou com o enorme diamante encontrado.

Lewala não foi recompensado pelo achado, mas inocentemente foi o responsável pela mudança da região. Conforme explica matéria do National Geographic, em 1912, o local já havia se tornado uma enorme área de garimpo.

Para se ter ideia da riqueza retirada do solo, cerca de um milhão de quilates eram extraídos de lá todos os anos. O número é ainda mais impressionante quando se comparado com toda a produção global da pedra preciosa: Kolmanskop representava 11,7% de toda a extração do mundo na época.

Casa do ex-gerente da mina/ Crédito: Harald Süpfle via Wikimedia Commons

Desta forma, logo o deserto árido se tornou um luxuoso poço de dinheiro. Para se ter ideia, o garimpo fez com que diversos negócios prosperassem, como açougues, padarias, fábricas de gelo… 

A água doce era levada para o local através de vias férreas. O entretenimento também tinha espaço por Kolmanskop, visto que grandes grupos de ópera da Europa foram convidados para se apresentar por lá. 

Além da riqueza, a extravagância era outra coisa em abundância. Segundo o National Geographic, uma das famílias locais tinha uma avestruz de estimação, que sempre aterrorizava outros moradores da cidade. No Natal, o animal foi obrigado a puxar um trenó. 

Apesar disso, é importante ressaltar que esses fatores não atingiam todos em Kolmanskop, eles eram privilégio da elite, dos europeus. A cidade foi formada sobre um terrível legado colonial.

Quatro anos antes do diamante ser descoberto, o povo Herero, nativo da Namíbia, havia sido trucidado por colonizadores alemães. Após se rebelarem, foram vítimas de um brutal genocídio, onde cerca de 60 mil Hereros foram assassinados. 

Limitações impostas

Como o garimpo enriquecia muitas pessoas em pouco tempo, as autoridades alemãs decidiram controlar a busca por diamantes na região. Desta forma, o território passou a ser declarado como Sperrgebiet, ou “zona restrita”.

Pessoas ‘comuns’ eram impedidas de trafegar por lá, além do mais, uma única empresa ficou responsável pela administração de Kolmanskop. Como se pode imaginar, ela tinha sede em Berlim.

Interior de casa abandonada em Kolmansko/ Crédito: Avilagomez67 via Wikimedia Commons

Os nativos que eram deslocados de lá, na grande maioria dos casos, foram empregados como trabalhadores das minas. Mas não exerciam o ofício por vontade própria, eram forçados a viver, meses e meses, em complexos cada vez mais apertados. 

Mas o sonho do diamante não duraria para sempre. No fim da década de 1920 o local já mostrava sinais de que estava se esgotando. Àquela altura, muitos ricaços do garimpo já migravam para regiões mais ao sul do país.

A debandada, consequentemente, fez com que diversas casas e bens fossem deixados para trás. Anos depois, em 1956, Kolmanskop já estava completamente deserta. As antigas dunas por onde os trilhos das ferrovias passavam, agora, haviam se tornado uma enorme cidade fantasma no meio do caminho. 

Kolmanskop vive?

A cidade só passou a viver novos tempos no início deste século. Em 2002, uma empresa privada, a Ghost Town Tours, conseguiu a concessão para administrar a região. Desde então, Kolmanskop se tornou uma área turística, que recebe visitantes curiosos para fotografarem as zonas proibidas e as casas lotadas de areia.  

As ruínas e as moradias abandonadas são exemplos físicos de como o progresso moderno — e o colonialismo — mudou a geografia de diversas regiões. Embora ainda sejam espaços visitáveis, Kolmanskop não será eterna, visto que uma deterioração ameaça toda a região. 

Em pouco tempo, Kolmanskop pode, ironicamente, voltar a ser o que sempre foi, mais um monte de pilha de areia em meio ao deserto da Namíbia. Apesar de seu iminente fim, as ruínas evidenciam as atrocidades sofridas pelos africanos e mostram como o bem material sempre esteve acima do sofrimento humano.


+Saiba mais sobre civilizações antigas por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

As Primeiras Civilizações: da Idade da Pedra aos Povos Semitas, de Pierre Lévêque (2009) - https://amzn.to/3cdUHah

As primeiras civilizações, de Jaime Pinsky (2001) - https://amzn.to/2WB5fJP

Uma Antiga Civilização Africana, de Selma Pantoja (2011) - https://amzn.to/3fsP7Tj

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/3ccB9mE

O grande livro dos mistérios antigos, de Peter James e Nick Thorpe (2019) - https://amzn.to/35RIZ2N

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W