Matérias » Personagem

Laura Johnson: a curiosa história da mulher que sobreviveu ao massacre de Jim Jones

Em 1978 o mundo se escandalizou com o suicídio em massa que ocasionou a morte de 918 pessoas

Victória Gearini Publicado em 03/10/2020, às 08h00

Laura Johnson (à esqu.) e vista aérea de Jonestown (à dir.)
Laura Johnson (à esqu.) e vista aérea de Jonestown (à dir.) - Divulgação - Getty Images

Entre as décadas de 1950 e 1960, Laura Johnson cresceu em Washington DC, e aos 22 anos a jovem já era conhecida no ativismo político. Antes de se juntar ao Templo do Povo na Califórnia, Johnson trabalhou ao lado dos Panteras Negras e protestou contra a guerra do Vietnã. Além disso, em 1969 compareceu ao famoso festival de Woodstock. Uma vida normal, até se deparar com os ideiais de um lunático.

O Templo do Povo foi fundado pelo pregador cristão Jim Jones, em Indianápolis, em 1956, até mudar-se para a Califórnia na década seguinte.

Com ideais de benevolência e igualdade racial, o líder dizia aos seguidores que o mundo estaria prestes a enfrentar um apocalipse nuclear e que somente sua comunidade separatista, voltada para o socialismo apostólico, sobreviveria ao fim do mundo. Foi suficiente para uma tragédia.

Laura Johnson em Jonestown 

O grupo religioso liderado por Jim Jones foi fundado a partir de ideais socialistas, promovendo discursos de igualdade e justiça entre todas as origens e raças. Johnson passou a frequentar as reuniões na sede do grupo em Redwood Valley, ao norte da Califórnia, no início da década de 1970.

Com o tempo, Jim Jones queria tornar sua seita ainda mais separatista, e para isso, em 1974 passou a busca na América um lugar longe de drogas e álcool. Assim, em 1977, a jovem se instalou em Jonestown, localizado na Guiana, em meio à floresta amazônica. 

Laura Johnson, sobrevivente de Jonestown / Crédito: Divulgação / Instituto Jonestown

 

Em entrevista à BBC, em 2018, Johnson disse que acreditava que ali havia encontrado seu lar. “Não me preocupei em me mudar para lá. Fui aventureira e fiquei encantada com a oportunidade de morar na floresta”, disse.

Com o passar do tempo o local, que era almejado para ser um “paraíso”, logo se tornou o oposto. Devido deficiências agrícolas, Jonestown foi impedido de ser autossuficiente. Vivendo em pequenas casas comunais, os membros da seita religiosa eram obrigados a trabalhar durante horas em um calor infernal.

Johnson, por sua vez, residiu em Jonestown até outubro de 1978, quando foi convidada por Jim Jones a se mudar para Georgetown, para trabalhar na sede da seita. A mudança repentina de Johnson foi uma estratégia de Jones, que naquela altura estava preocupado com as constantes visitas do congressista da Califórnia, Leo Ryan

Jim Jones, líder do Massacre de Jonestown / Crédito: Divulgação / Wikimedia Commons

 

Na época, o político liderava uma investigação contra Jones, após receber denúncias que alguns membros estariam sido mantidos em Jonestown contra a sua vontade. Johnson disse à BBC que Jonestown sofria com falta de alimentos e proliferação de doenças. Além disso, o vício em drogas de Jones, piorava a convivência. 

"Seu vício em drogas e seus distúrbios de personalidade estavam piorando. Ele estava cada vez menos capaz de funcionar", disse Johnson ao veículo.

Suicídio em massa 

No dia 18 de novembro de 1978, Johnson e outros membros receberam uma mensagem por rádio de Jim Jones, onde dizia que todos em Jonestown estavam morrendo e que os demais membros nas outras sedes deveriam fazer o mesmo. 

Na ocasião, dois dos filhos de Jones estavam visitando a capital. Ao escutarem a mensagem, mandaram as filiais desconsiderar a ordem do líder. Enquanto isso na capital, os demais sobreviventes escutavam as notícias dos números de mortos, que atingiu 918 vítimas, entre elas cerca de 300 crianças. Uma tragédia

No final de novembro daquele mesmo ano, Johnson retornou para os Estados Unidos e voltou a frequentar a comunidade do Templo do Povo na Califórnia. Um ano mais tarde, a jovem ingressou em outra comunidade onde conheceu seu marido e em 1995 começou a lecionar, recomeçando a sua vida após sobreviver a Jonestown.


+Saiba mais sobre seitas por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Report of the Department of the Treasury on the Bureau of Alcohol (Edição Inglês), de United States. Dept. of the Treasury. Bu (2018) - https://amzn.to/3gXX17V

Waco: A Survivor's Story (Edição Inglês), de David Thibodeau e Leon Whiteson (2018) - https://amzn.to/2BDxpx1

True Stories of Law & Order: Special Victims Unit: The Real Crimes Behind the Best Episodes of the Hit TV Show (Edição Inglês), de Kevin Dwyer e Jure Fiorillo (2007) - https://amzn.to/3gY3Nut

Box O Império das Seitas, de Walter Martin (2019) - https://amzn.to/2BCNZgx

Identificando Seitas, de Esmeraldo Storti (2018) - https://amzn.to/371NnwD

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W