Matérias » Civilizações

Lava, nuvens de gás, tsunamis e mais de 30 mil mortes: a fúria do Krakatoa

Em 27 de agosto de 1883, a erupção do vulcão Krakatoa, em Java, destruiu 165 cidades e espalhou pelo mundo todo a notícia de que o fim dos tempos havia chegado

Carla Aranha Publicado em 13/09/2020, às 11h00

Pintura representando a erupção do Krakatoa
Pintura representando a erupção do Krakatoa - Wikimedia Commons

Um sofisticado prato de porcelana da senhora Van der Stok, uma holandesa de meia-idade da elegante sociedade de Batavia, capital da ilha de Java, caiu da mesa e se espatifou no chão. Foi o primeiro sinal do que estava por vir. Nos quatro meses seguintes, ela e todos os moradores do arquipélago de Java sentiriam tantos tremores vindos das profundezas da Terra que o fato virou rotina.

E quando começou o mês de agosto de 1883 ninguém mais se importava com aqueles pequenos ter remotos cotidianos. Isto é, a não ser os próprios javaneses, que alertavam seus patrões europeus sobre a catástrofe que se anunciava. Mas os colonizadores desse
pedaço do mundo, situado entre a Tailândia e a Austrália, atribuíam o pânico dos nativos à ignorância, um corpo estranho no mundo perfeitamente ordenado pelos ocidentais em Java.

Pânico

 Às vésperas da catástrofe, oito pescadores entraram esbaforidos na casa de outra respeitada senhora holandesa, esposa de um certo Willem Beyerinck, relatando o que haviam visto na vizinha ilhota de Krakatoa, ela tampouco acreditou. “Imagine, jatos de cinza preta e pedras vermelhas voando pelo ar. Esses javaneses enlouqueceram”, contou horas mais tarde ao marido.

Ao perceber, porém, que a fumaça que saía do vulcão aumentava a cada dia, a senhora Beyerinck, em um surto de realidade, implorou a seu marido para que a família deixasse a casa e fosse para o sítio no alto de uma colina. O marido recusou o pedido. Foi um engano fatal. Os sinais tão insistentemente ignorados por ele e toda a minoria europeia eram o ensaio de um dos maiores cataclismos que até hoje se abateram sobre a humanidade .

No dia 27 de agosto de 1883, a explosão do vulcão de Krakatoa matou 36.417 pessoas  e devastou 165 cidades e vilarejos das ilhas vizinhas, provocando ondas que se propagaram até a Inglaterra. Às 14 horas, quando essas ondas gigantes começaram a destruir as paredes da casa da senhora Beyerinck, ela e toda sua família saíram correndo morro acima.

O Krakatoa / Crédito: Wikimedia Commons

 

Tiveram que vencer uma chuva de pedras e cinzas enquanto a imensa parede de água os perseguia. No caminho, pessoas pisoteadas, outras desesperadas e a parede de água em sua perseguição sem trégua. Para completar, estava tudo escuro. Partículas suspensas na atmosfera, oriundas da explosão, impediam a passagem dos raios solares.

Feridos, os Beyerinck chegaram ao sítio dez horas depois (o percurso era normalmente feito em três). “Pensei que era o fim do mundo, e que todos fôssemos morrer”, deixou registrado em seu diário Willem Beyrinck, cujos relatos são uma das principais fontes do livro Krakatoa – The Day the World Exploded (“Krakatoa – O Dia em que o Mundo Explodiu”), do geógrafo britânico Simon Winchester.

A obra reúne depoimentos feitos à época, a repercussão em todo o mundo e as explicações científicas modernas para o cataclismo. Sabe-se hoje que a explosão que fez
em pedaços a ilha de Krakatoa tinha hora e lugar certo para acontecer. Durante milênios duas grandes placas tectônicas vinham se aproximando lentamente na região de Java e Sumatra.

Hoje os geólogos sabem que o encontro dessas duas placas, uma oceânica, mais pesada, outra continental, mais leve, só poderia provocar uma destruição como aquela. A colisão de placas dessa natureza é rara, para sorte dos habitantes do planeta.

E a consequência desse tipo de encontro é uma só: a placa mais pesada escorrega para debaixo da borda da mais leve. Em seu mergulho para as profundezas do magma terrestre, incandescente, a placa oceânica leva junto com ela água do mar, areia, rochas e outros elementos.

Inferno na Terra

Tudo começa a ferver e a derreter, formando um composto viscoso e quentíssimo. Quando a pressão aumenta, esse imenso volume de gás e magma é expelido de uma vez só pela panela de pressão ideal, o vulcão mais próximo. Foi o que aconteceu em Java em agosto de 1883. As pequenas erupções observadas pelos pescadores desde maio aumentaram de repente, e o vulcão de Krakatoa começou a expelir cinzas em tão grande quantidade que o dia virou noite.

Bloco de coral atirado por tsunami na costa de Java / Crédito: Wikimedia Commons

 

Todos os navios que transitavam pelo estreito de Sunda, entre Java e Sumatra, se perderam na escuridão. Meio mundo – 3 mil quilômetros ao redor da ilha, incluindo locais como Nova Guiné e a Austrália – sentiu o barulho considerado o mais estrondoso já produzido pela natureza.

Antes tivesse sido só um estrondo. Enormes nuvens de gás, pedra-pome em alta temperatura (naturalmente produzida em explosões vulcânicas), fogo e fumaça subiram aos céus. E o pior ainda estava por vir nas horas seguintes.

Após a mais potente das quatro explosões de Krakatoa que haviam se sucedido durante o dia, a montanha cambaleou para um lado, cambaleou para outro e ruiu de vez. Ao contrário do que geralmente acontece em grandes erupções vulcânicas, a maioria das vítimas não morreu por efeito dos gases nem das gigantescas ondas de lava que cobriram a ilha.

Apenas as primeiras mil estavam na área do arquipélago por onde sopravam os ventos vindos de Krakatoa, a sudeste de Sumatra, cheios de gases letais. O responsável pela morte de outras 35.500 pessoas foi a água. Ao balançar de um lado para outro, o vulcão provocou movimentos semelhantes no mar, formando uma onda de mais de 30 metros de altura.

Uma hora mais tarde, outra enorme onda, ainda maior e mais devastadora que a primeira, destruiu cidades inteiras nas ilhas do arquipélago de Java e matou milhares de pessoas de uma só vez. Para os poucos sobreviventes, não havia dúvidas. Era chegada a hora do juízo final.

Fora da compreensão dos homens, o fenômeno de Krakatoa estava estampado
em todos os jornais do mundo apenas um ou dois dias depois da explosão. No final do século 19, as agências de notícias já levavam os fatos para os quatro cantos do planeta, através de uma complexa rede de cabos submarinos.

Foram necessários mais de 80 anos para que a humanidade pudesse finalmente compreender os acontecimentos daquela ilha vulcânica com nome de caranguejo – aliás, a espécie foi extinta naquele dia. Os cientistas nunca desistiram. E o nome da ilhota ficou para sempre registrado na memória humana.

A violência do mar em Java inflacionou as estatísticas de pessoas mortas por tsunamis.
As cidades de Anjer, Ketimbang, Telok, Merak e Tyringin foram var ridas pela parede de água, assim como centenas de vilarejos . Batavia, a capital, sobreviveu por pura sorte, graças à proteção natural contra ondas oferecida pelas barreiras de coral e pequenas ilhas que a circundam.

Mesmo assim, as centenas de canais que, bem ao gosto holandês, faziam parte da arquitetura da cidade transbordaram rapidamente, inundando as ruas. Fragmentos do vulcão de Krakatoa atingiram alturas tão dramáticas na atmosfera que ficaram suspensos por quase cinco anos, modificando as cores do pôr-do-sol durante esse período na Europa, Estados Unidos, Ásia, África e América.

Vermelhos intensos se transformavam em rosas vibrantes conforme a luz era refletida e filtrada pelas partículas. Em uma área r ural do centro-sul dos Estados Unidos, os fazendeiros pensaram se tratar de fogo a primeira vez que viram o pôr-do-sol psicodélico, e reportaram a experiência ao jornal local.

Outra consequência da explosão de Krakatoa foi uma sensível diminuição na temperatura global, de cerca de 1 ºC, que durou enquanto as partículas permaneceram em suspensão, dificultando a passagem dos raios solares.

Esse efeito no clima fez com que se começasse a debater fenômenos como o aquecimento global, a emissão de gases na atmosfera, chuva ácida e protecão ambiental. Os relatos deixados por aqueles que viveram o fenômeno, somados a medições feitas pelos instrumentos da época, foram de fundamental importância para a compreensão, décadas mais tarde, dos movimentos das placas tectônicas – que serve, entre outras coisas, para prever terremotos e erupções vulcânicas.

A meteorologia, por sua vez, foi elevada ao status de ciência definitivamente depois dos eventos em Java, ao mesmo tempo em que algumas das mentes mais brilhantes do mundo começaram a se interessar pela geologia, então uma ciência incipiente.

A biologia também se beneficia até hoje da explosão da ilha. O que restou dela e a vida que passou a surgir ali é o maior laboratório ao ar livre do mundo. No início do século 20, várias minúsculas ilhas se formaram e foram tragadas em seguida pelo mar na região de Java.

Até que uma delas, formada por pequenas erupções de dois vulcões adjacentes, conseguiu sobreviver. Batizada de Annak Krakatoa (filho de Krakatoa), ela tem o seu próprio vulcão ativo. Para os biólogos, é uma chance inestimável de assistir ao aparecimento da vida, em terra virgem, e ao ressurgimento dela na terra morta. Mas pouco a pouco a vida retornou aos restos de Krakatoa.


++Saiba mais sobre o tema através de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil

Turismo de aventura em vulcões (Português), Rosaly Lopes, 2008 - https://amzn.to/3b1KHQR

Tsunami (Inglês) Capa comum, Jenny Baker, 2018 - https://amzn.to/2XoGId4

Máfia Verde: O Ambientalismo a Serviço do Governo Mundial (eBook Kindle), Lorenzo Carrasco - https://amzn.to/2Xxinlh

Filosofia Verde: Como pensar seriamente o planeta (eBook Kindle), Roger Scruton - https://amzn.to/3ch9Ebf

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W