Matérias » Brasil imperial

Leopoldina e Tereza Cristina: descubra o que aconteceu com as "Mães do Brasil"

Seguindo estratégias bem diferentes para lidar com o Império, as duas figuras femininas conquistaram a mesma fama entre o povo brasileiro

Giovanna de Matteo Publicado em 12/09/2020, às 09h00

À esquerda foto de Dona Leopoldina; À direita foto de Tereza Cristina
À esquerda foto de Dona Leopoldina; À direita foto de Tereza Cristina - Wikimedia Commons

Maria Leopoldina da Áustria se entrelaça com a história do Brasil a partir do momento que foi escolhida, em um casamento arranjado, para se tornar a companheira de Dom Pedro I. Assim, ela se tornou a Imperatriz oficial do primeiro Império brasileiro, título que carregou até a sua morte, em 1826.

Leopoldina, como ficou conhecida após chegar ao Brasil, teve uma educação excepcional. Seguindo as normas da família Habsburgo, cresceu sob uma profunda fé e moral cristã; também teve uma formação científica e cultural, tendo aprendido até mesmo política internacional e noções governamentais. A arquiduquesa fora preparada desde cedo para a vida da realeza, fato esse que mais tarde levaria a Imperatriz a ganhar certa importância nas questões imperiais do Brasil.

Registro da imperatriz Leopoldina / Wikimedia Commons

 

Ela, além da fama de esposa recatada e exemplar, considerando sua paciência e disciplina perante o casamento e a tolerância perante as traições de D. Pedro I, também é considerada por muitos historiadores como uma personagem importante do processo de Independência do Brasil, ocorrido entre 1821 e 1822.

Segundo o pesquisador Paulo Rezzuti, a imperatriz “abraçou o Brasil como seu país, os brasileiros como o seu povo e a Independência como a sua causa”, se tornando uma das únicas vozes femininas no campo político brasileiro da época, muitas vezes tomando o papel de conselheira do imperador. Acredita-se que muitas decisões políticas que moldaram o futuro do Brasil foram tomadas a partir de suas propostas, como o Dia do Fico.

Seu envolvimento com a política brasileira foi um fator definitivo que a levou à adoção de um discurso liberal, deixando de lado as pretensões absolutistas da qual foi ensinada e se aproximando da causa brasileira, desempenhando enfim um papel fundamental na independência, se tornando uma figura amada pelos brasileiros e reconhecida como "mãe dos brasileiros". 

No caso da soberana, a morte ocorreu em 11 de dezembro de 1826, aos 29 anos de idade, por conta da evolução de um quadro infeccioso. A sua morte comoveu toda uma nação e deixou legados. Hoje seu corpo pode ser encontrado e visitado na Capela Imperial, preservado num sarcófago de granito verde e ornado de ouro, localizado sob o Monumento do Ipiranga, no Parque da Independência em São Paulo.

A graciosidade de Tereza Cristina 

Pertencente à Casa de Bourbon, Tereza Cristina casou por procuração com Pedro II em 1843, recebendo o título de Imperatriz do Brasil. Diferente da primeira imperatriz do Novo Mundo, preferia passar sua vida cuidando da família e da realeza, mantendo uma distância da vida política.

Apesar de seu não envolvimento nas noções de governo, isso não prejudicou seu status entre o povo brasileiro. Na verdade, até a ajudou nesse ponto, já que desse modo conseguiu resguardar sua imagem, criando certa armadura contra críticas.

Apesar da falta de uma posição política, tornou-se uma parte vital da família e da Corte. Seu caráter intelectual era formado principalmente por sua paixão pelas artes e ciências, particularmente em arqueologia, sendo famosa por ter patrocinado diversos estudos arqueológicos na Itália, e incentivar a imigração italiana para o Brasil, trazendo profissionais qualificados em saúde, educação e ciências.

Dom Pedro II e Tereza Cristina / Wikimedia Commons

 

Nas terras brasileiras, foi muito amada e adorada, tanto em vida quanto após sua morte, sendo respeitada. Teresa Cristina é bem vista por historiadores por conta de sua personalidade humilde, comportamento irrepreensível e pelo patrocínio da cultura brasileira, sendo apelidada de "Mãe dos Brasileiros" e muitas vezes mais bem acolhida do que o próprio imperador Pedro II.

Após a queda do Império, Teresa Cristina e a família real brasileira foi deposta e obrigada a viver em exílio. Acredita-se que esse fato tenha abalado muito a imperatriz, que morreu apenas algumas semanas depois da ação republicana, no dia 28 de dezembro de 1889, aos 67 anos.


+Saiba mais sobre o Brasil Imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil:

O Brasil Imperial (Vol. 1), de Keila Grinberg (2010) - https://amzn.to/2yXKnV8

O Castelo de Papel: Uma história de Isabel de Bragança, princesa imperial do Brasil, e Gastão de Orléans, conde d'Eu eBook Kindle, de Mary del Priore (2013) - https://amzn.to/2xv4dXo

Nostalgia imperial: Escravidão e formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado eBook Kindle, de Ricardo Salles (2014) - https://amzn.to/2y7PuSB

Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial, de Sidney Chalhoub (2018) - https://amzn.to/2VSL7DW

Justiça Infame: Crime, Escravidão e Poder no Brasil Imperial, de Yuri Costa (2019) - https://amzn.to/2YoKpQv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W