Matérias » Curiosidades

Ligações e cartas furiosas: como a New Coke revoltou os amantes da bebida mais famosa do mundo

Em 1985, a fabricante de refrigerantes mudou a fórmula pela primeira vez, em 99 anos, de seu principal produto. No entanto, o consumidor não gostou muito disso

Fabio Previdelli Publicado em 27/03/2021, às 10h00

Imagens das latas da New Coke
Imagens das latas da New Coke - Divulgação

Para muitos o almoço de domingo entre familiares nunca estará completo sem aquela boa e velha Coca-Cola bem geladinha para compartilhar os momentos de união. Já virou uma tradição na mesa não só dos brasileiros como na de pessoas ao redor do mundo. 

O poder que a Coca-Cola tem no mercado de bebidas é tão importante que a empresa até mesmo ajudou a popularizar a imagem do Papai Noel, como mostra matéria publicada pela equipe do site do Aventuras na História

A companhia é tão importante dentro da indústria, que cada um de seus novos lançamentos mexe com o mercado de maneira inimaginável. Porém, nem sempre foi assim. Não só de sucesso e acertos foi feita uma das maiores fabricantes de bebidas do mundo. 

Muito pelo contrário, a empresa já teve erros tão crassos que ela mesmo explica que especialistas consideraram “o maior erro de marketing do século”. E não é exagero nenhum autodenominar assim o que aconteceu naquele 23 de abril de 1985.

Conheça a curiosa história do New Coke. 

O pano de fundo

Nos anos 1980 a Coca-Cola já era uma empresa bem situada no mercado, tanto é que, segundo o site da companhia, o ano de 1985 marcava os 15 anos em que as ações da The Coca-Cola Company eram maiores do que sua principal concorrente

Mesmo o carro chefe da empresa sendo preferência, ela não era absoluta. A data da mudança coincide com o “Desafio Pepsi”, conforme aponta matéria do Mundo Marketing.  

No ano anterior, em 1984, a concorrente da Coca-Cola havia lançado a campanha “The Choice of a New Generation” (ou, “A Escolha da Nova Geração”, em tradução livre), que perguntava aos jovens americanos se eles gostariam mesmo de passar suas vidas bebendo o mesmo refrigerante que seus pais. 

Obviamente a maioria das respostas foram negativas e o “Desafio Pepsi” surgiu com o intuito das pessoas serem desafiadas a provarem um novo sabor de refrigerantes. 

Uma nova era 

A The Coca-Cola Company lançou um novo sabor de refrigerante, chamado de New Coke. Com um gosto um pouco mais doce, o produto representava a primeira mudança na receita em 99 anos. 

No início, até a New Coke que teve uma boa aceitação, não era para menos, afinal, segundo o site da Coca-Cola Brasil, a nova fórmula foi aprovada em testes com cerca de 200 mil consumidores.  

Tinha tudo para ser um sucesso de vendas, com exceção de que o público pensava que aquele seria apenas um novo produto e não que a receita original estava sendo substituída.  

Quando público descobriu essa alteração, aí sim as coisas ficaram se complicaram. Para se ter ideia, conforme aponta o site da Coca-Cola Brasil, antes da alteração o SAC da empresa chegava a receber 400 ligações por dia. 

Depois dela, esse número mais que triplicou, chegando a cerca de 1.500 chamadas por dia. A irritação pela mudança era tão grande que o consumidor passou a descontar sua raiva em qualquer pessoa que estivesse ligada à companhia. 

E quando digo qualquer pessoa é qualquer pessoa mesmo, desde seguranças da sede até outros funcionários que não tinham a menor responsabilidade pela alteração. Tudo se tornou uma loucura.  

Obviamente, a alta cúpula da Coca-Cola não saiu ilesa. O diretor e presidente Roberto Goizueta, certa vez, chegou a receber uma carta endereçada “ao Presidente dos Paspalhos, The Coca Cola Company”, aponta o site da empresa.  

Em outra ocasião, um consumidor chegou a lhe pedir um autógrafo, afinal, num futuro, aquela assinatura poderia valer milhões, já que ela pertenceria a “um dos executivos mais burros na história empresarial dos Estados Unidos". 

Como se não bastasse, o surto ficou maior quando os consumidores passaram a estocar em suas casas, nos porões, litros e mais litros do refrigerante. Um dos casos mais emblemáticos, apontado pelo site da empresa, foi de um morador de San Antonio, no Texas, que foi de carro até a fábrica mais próxima da Coca-Cola e comprou mil dólares da bebida.  

Até mesmo um grupo de protestos, chamado de Sociedade Americana pela Preservação da Autenticidade e Bebedores da Boa e Velha Coca-Cola, foi criado. Eles reuniram mais de 100 mil seguidores, como relata a Coca-Cola Brasil, em uma carreata pela volta do sabor tradicional. 

“A intenção era transformar a dinâmica do mercado de refrigerantes sabor cola nos Estados Unidos, e foi isso o que fizemos, ainda que o plano não tenha saído como esperávamos”, explicou Roberto Goizueta, então diretor e presidente da companhia, durante um evento em 1995. “Mas o maior efeito da New Coke, sem dúvida, foi enviar uma mensagem extremamente poderosa. A mensagem de que realmente estávamos dispostos a fazer o que fosse necessário para nossos consumidores, verdadeiros donos da marca”. 

Um clássico sempre é um clássico 

Cerca de três meses depois, em julho de 1985, a empresa obviamente entendeu seu erro e anunciou que a boa e velha Coca-Cola voltaria às prateleiras como “Coca-Cola Classic”. A notícia estampou a primeira página dos principais jornais dos Estados Unidos, como mostra artigo da Time. 

Nos dois dias seguintes, o SAC da empresa voltou a receber uma enxurrada de ligações. Desta vez, os mais de 31,6 mil telefonemas — segundo dados da própria empresa — foram para mostrar toda a satisfação com a decisão. 

Apesar das reclamações, a New Coke ainda continuou sendo vendida, embora hoje não mais, por um bom tempo. Com o slogan “Entre nessa onda”, a campanha de marketing da empresa convidava o público a dar uma outra chance ao novo sabor.

Já a Coca-Cola Classic apelava para o lado afetivo com a frase “Vermelho, branco e você”, firmando a lealdade que os fãs do refrigerante têm com o sabor original.


++Saiba mais sobre a história de marcas famosas por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Nos bastidores da Coca-Cola: O Ex-CEO da companhia conta como foi construída a marca mais popular do mundo, de Neville Isdell (Ebook) - https://amzn.to/34AQ7z4

Fome de poder: A verdadeira história do fundador do McDonald's, de Ray Kroc (Ebook) - https://amzn.to/2qXsXUS

Dedique-se de coração: A história de como aStarbucks se tornou uma grande empresa de xícara em xícara, de Howard Schultz (Ebook) - https://amzn.to/2L70ov4

Liderando ao Estilo Starbucks: Cinco princípios que irão ajudá-lo a conectar-se com seus clientes; seus produtos e seus próprios funcionários, de Joseph A. Michelli (Ebook) - https://amzn.to/2DFT9pX

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W