Matérias » Hollywood

Lobotomia e abusos sexuais: a triste saga da atriz Frances Farmer

Admiradora de Nietzsche, a estrela de Hollywood foi internada em um hospital psiquiátrico pela própria mãe

Victória Gearini Publicado em 02/06/2020, às 12h29

Atriz norte-americana Frances Farmer
Atriz norte-americana Frances Farmer - Wikimedia Commons

Frances Farmer foi uma grande atriz norte-americana, que ficou conhecida após fazer declarações polêmicas sobre a sua vida e pessoal, principalmente relacionadas ao seu tratamento em um hospital psiquiátrico durante seis anos. 

Nascida no dia 19 de setembro de 1913, em Seattle, Frances Farmer foi criada em uma família de advogados e desde muito cedo demonstrou interesse pela escrita e política. Durante a adolescência, apareceu por diversas vezes nos jornais locais de Seattle, por fazer declarações feministas e alegar que Deus estaria morto, baseando-se nos ensinamentos do filósofo Nietzsche. 

Carreira meteórica e engajamento político 

Pouco tempo depois a jovem ingressou no teatro, a mando de sua mãe, que sonhava em ser atriz, mas não conseguiu realizar o desejo. No entanto, durante a faculdade, Farmer aprimorou seus conhecimentos políticos e dedicou-se a elaborar artigos sobre os paradigmas sociais da época. Em 1935, a atriz se formou em jornalismo, mas sua mãe a convenceu que deveria seguir as artes cênicas e dedicar-se a sua carreira de atriz. 

 Frances Farmer ao lado de seus pais / Crédito: Wikimedia Commons

 

Desde muito cedo Farmer lutava contra o machismo e buscava se emancipar dos paradigmas da época. No entanto, a pressão da família levou a atriz a seguir os sonhos de sua mãe, que visava apenas a fama e ascensão da filha em Hollywood. Em pouco tempo, Farmer conseguiu destaque nos cinemas, o que lhe permitiu assinar um contrato de sete anos com a Paramount Pictures.

A cláusula contratual dizia que ela deveria obedecer às ordens dos produtores, acompanhar diretores em festas e manter segredo sobre os eventos a qual participava. Embora tenha cedido, Farmer odiava aquele universo, regado de falsidade, moralismo e dinheiro. Para reforçar a ideia de estrela emergente, a atriz foi obrigada, ainda, a se casar com outro ator. 

Lobotomia e abusos sexuais 

Frances Farmer constantemente se sentia mal e supérflua, por causa da vida que lhe foi imposta. A atriz por diversas vezes tentou resistir a toda opressão a qual foi submetida, negando-se a gravar cenas que fossem contra seus princípios. Em uma determinada ocasião, a estrela teria agredido, ainda, um dos diretores de Hollywood, mas foi detida pela polícia.

Estrela de Hollywood Frances Farmer, em 1958 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Por conta disso, a artista foi internada em um hospital psiquiátrico, sob a alegação que ela uma pessoa rebelde que deveria ser controlada. Posteriormente, Farmer foi diagnosticada com esquizofrenia e submetida a uma terapia de eletrochoques. Após sair da clínica, ela decidiu romper com a sua carreira, no entanto, a decisão desagradou a sua mãe.

Furiosa, a matriarca da família entrou na justiça com o objetivo de intervir nas decisões de sua família. O juiz responsável pelo caso de Farmer a declarou com incapacidade mental, e determinou que atriz deveria retornar ao hospital psiquiátrico de Steilacoom, em Washington. No local, a atriz foi abusada sexualmente e torturada inúmeras vezes. 

Sem a permissão da família, os médicos realizaram, ainda, uma lobotomia em Frances Farmer, que nunca mais recobrou a sua consciência completamente. Após cinco anos internada, ela foi liberada e imediatamente voltou atuar, mesmo contra a sua vontade.

Frances Farmer se aposentou em 1964 e se casou três vezes ao longo de sua vida. Sem filhos e vítima do alcoolismo, a atriz veio a falecer no dia 1 de agosto de 1970, em Indianápolis, devido a um câncer no esôfago.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W