Matérias » Brasil Império

Longos vestidos no clima tropical do Rio de Janeiro: A moda nos tempos do Brasil Império

A especialista em História da Moda, Laura Wie, explicou detalhes sobre a vestimenta que agora chama atenção em "Nos Tempos do Imperador"

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 21/08/2021, às 09h00 - Atualizado em 24/08/2021, às 12h02

Teresa Cristina, Dom Pedro II e Isabel em montagem
Teresa Cristina, Dom Pedro II e Isabel em montagem - Domínio Público

Enquanto fonte de pesquisa histórica, a moda possibilita a compreensão de gostos e culturas de épocas passadas por meio de artefatos e vestimentas, com características únicas em seus períodos pela produção dos tecidos, fatores ambientais e até mesmo a tecnologia disponível na época da confecção.

Com o período do Brasil Império, não foi diferente, eternizando a moda em pinturas e registros literários, hoje auxiliando na descoberta e reprodução do passado, como na novela transmitida pela TV Globo, “Nos Tempos do Imperador”, que conta com um extenso trabalho de pesquisa para as peças do elenco.

Cena da novela 'Nos Tempos do Imperador' /Crédito: Divulgação/Rede Globo

 

Após a oficialização do encerramento do sistema colonial com Portugal, em 1822, o vestuário de figuras de relevância nacional iniciou o século 19 com referências do velho continente.

Enquanto as mulheres contavam com vestimentas influenciadas pela moda francesa, a moda masculina contou com roupas baseadas na costura inglesa, numa época onde a produção ainda era feita sob medida após a compra de tecidos.

O progresso político ao longo das décadas seguintes à emancipação brasileira não reverberou em novas práticas culturais: a identidade e originalidade com criações nacionais começaram a aparecer apenas na década de 1950, conforme explicou a especialista de História da Moda e idealizadora do projeto Moda com História, Laura Wie.

"O Brasil não tinha tradição de moda própria durante este período, pois por ser um país 'jovem', ainda não havia desenvolvido os setores de criação e manufatura de roupas. Apesar da tecelagem de algodão implantada no Segundo Reinado ter sido uma de nossas primeiras indústrias têxtis, a economia do país era amplamente baseada na agricultura do café", diz a especialista. "Estradas de ferro começaram a ser construídas apenas a partir da metade do século 19, e todos os nossos meios de produção eram alavancados pela mão escrava. O Brasil foi um dos últimos países do mundo a abolir a escravatura e essa dependência foi muito danosa à evolução do país, que carecia da industrialização. Desta forma, quem tinha acesso à informação, viagens e referências europeias – a corte e a elite brasileiras – vestia a moda padrão e elegante do velho continente". 

A imperatriz em março de 1877 / Crédito: Domínio público/Adele Perlmutter-Heilperin

 

Base internacional

A influência da moda europeia, trazida nas raízes da família real portuguesa, possibilitou a sofisticação dos cortes, mesmo que eles contrastassem com o clima tropical das terras tupiniquins.

“O hábito de se vestir como a aristocracia francesa alcançou o Segundo Reinado e por isso tivemos aqui o padrão de saias longas com anáguas, espartilho, blusas fechadas, luvas e outras peças direcionadas para um clima mais frio”, relatou Wie. 

Com a adaptação incompatível com o clima local, a solução foi apelar para tecidos claros, espartilho de armações leves e decote e o uso comum de leques para ventilar nos dias de calor.

Porém, a imperatriz Teresa Cristinafoi uma das poucas integrantes da realeza que iam além da regra, fazendo questão de enfrentar o sol brasileiro com cores escuras e adicionando personalidade às vestimentas.

Laura acrescentou detalhes sobre a influência da imperatriz na vestimenta imperial: "Sua personalidade era simples e comedida: ela usava bastante a cor preta, eventualmente com golinha ou babadinhos brancos no peito, e não exagerava nos acessórios: um brinco delicado complementava o visual", esclareceu. 

Dom Pedro e sua família /Crédito: Wikimedia Commons

 

No guarda-roupa das princesas, os destaques ficavam para os vestidos. "Elas usavam vestidos com bastante volume nas saias, com babados e rendas, e cores como o rosa, o verde e o azul claro. E sob as saias, a roupa de baixo: uma calça larguinha e fechada com elástico logo acima do tornozelo, tipo uma ceroula", diz. 

Masculino e atual

Se as mulheres estavam representadas com uma parte da Europa, a influência inglesa nos homens dava o ar de civilidade.

As roupas de dom Pedro II era marcado pela casaca preta com camisa branca, acompanhadas de colete e o detalhe na gola alta, sendo gravatas ou lenços de seda, longe do volume presente na moda feminina do Brasil Império.

O imperador ao lado de Isabel /Crédito: Wikimedia Commons

 

Laura enaltece que tal padrão ainda se faz presente como clássicos atemporais: “A camisa branca, que é um item universal de vestuário, já era usada naquele período por homens e mulheres. Laços no pescoço entram e saem de moda, mas são clássicos sempre. E usamos os vestidos e as saias longas em festas à noite – mas claramente sem anáguas! Já os homens mantém em seu guarda-roupa as calças e casacos pretos, com uma ou outra diferença de modelagem e comprimento”.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

Teresa Cristina Bourbon, de Aniello Angelo Avella (2014) - https://amzn.to/2UCyPiS

Pedro II – A história não contada, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2S9SV2h

História do Brasil Império, de Miriam Dolhnikoff (2017) - https://amzn.to/2SsYU19

O Brasil como império, de Sonia Gaurita do Amaral (2013) - https://amzn.to/3bn5HSv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W