Matérias » Crimes

Mais de 200 policiais e brutalidade: O que se sabe sobre o homem acusado de chacina no DF

Foragido, Lázaro Barbosa de Sousa está sendo perseguido pela polícia após inúmeros episódios tétricos

Fabio Previdelli Publicado em 16/06/2021, às 16h00

Imagens de circuito interno que mostram Lázaro
Imagens de circuito interno que mostram Lázaro - Divulgação/ Polícia Militar

Conforme noticiado pela equipe do site do Aventuras na História, 200 agentes da polícia formaram uma força-tarefa em busca de Lázaro Barbosa de Sousa, que está foragido. Ele é condenado por ter cometido um homicídio na Bahia, em 2007, e um estupro na capital federal, em 2009. 

Além disso, Lázaro também é investigado por, supostamente, ter matado um idoso com golpes de machado na cabeça, em Goiás, em 2020; e por ter assassinado quatro pessoas da mesma família no Distrito Federal, em junho deste ano. Todos os casos citados serão detalhados mais abaixo.

Policiais fazendo buscas pela região onde Lázaro pode estar/ Crédito: Divulgação/ TV Globo

 

Investigadores que participam do caso disseram que Sousa afirma ser perseguido pelo “demônio”, ou por algum tipo de “espírito”. Segundo o Metrópoles, o criminoso teria afirmado que “vai levar o tanto de gente que puder”, de acordo com o relatado por um policial militar ao site.

Ritual e a extensa ficha criminal 

Segundo G1, Rodney Miranda, secretário de segurança pública de Goiás, Lázaro é um “psicopata” e possui facilidade para se esconder, já que é caçador e mateiro. De acordo com as autoridades, ele segue um ritual para matar.  

“Ele leva para beira do rio, manda tirar as roupas e uns ele acaba matando", disse Rodney. Ao UOL, o tenente-coronel Dalbian Rodrigues, que faz parte da assessoria de comunicação da PM, disse que a polícia identificou um “altar” onde Sousa faria seus “rituais espiritualistas”. 

Esse local ficaria numa casa, localizada em Cocalzinho (GO), nos arredores de Brasília. Sua prisão é fundamental para esclarecer se ele tem ligação ou não com o lugar usado para o ritual. “Após a prisão dele vai ficar claro se ele tem isso como prática e se isso teve influência nos crimes que ele cometeu”, explicou Rodrigues.  

Duplo homicídio

De acordo com o G1, Lázaro possui uma extensa ficha criminal. Seu histórico no sistema prisional começou em 2007, quando foi detido em Barra dos Mendes, na Bahia, por uma acusação de duplo homicídio. Porém, 10 dias depois, ele acabou fugindo e, desde então, é considerado foragido pela Secretaria Pública.  

Dois anos depois, em 2009, foi a vez do Complexo Penitenciário da Papuda (CCP), em Brasília, recebê-lo, agora por suspeita de roubo, estupro e porte ilegal de arma de fogo. Em 2013, um laudo psicológico feito no CCPP, apontou Lázaro como um “psicopata imprevisível” que, por conta de seu comportamento agressivo, era impulsivo, desequilibrado, emocionalmente instável e tinha falta de controle.  

Apesar do diagnóstico, segundo o G1, sua pena foi convertida em regime semiaberto em março do ano seguinte. Dois anos depois, em 2016, ele fugiu da Papuda. Porém, seu histórico de prisões não acaba por aí. Em 2018, foi detido em Águas Lindas de Goiás, já que tinha três mandados de prisão pendentes: por porte ilegal de arma de fogo, roubo e estupro; e homicídio qualificado.  

Carros dos policiais que buscam por Lázaro/ Crédito: Divulgação/ Polícia Militar

 

Porém, seu período em Águas Linda de Goiás acabou em 23 de julho daquele ano, quando Lázaro fugiu novamente. Seus crimes só voltaram a ser registrados em abril de 2020, quando invadiu uma chácara em Goiás, em Santo Antônio do Descoberto, e assassinou um idoso com golpes de machadada na cabeça.  

Pelo delito, foi indiciado por roubo mediante restrição de liberdade das vítimas, emprego de arma branca e tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte). Em 26 de abril deste ano, Sousa atacou novamente, desta vez, estuprou uma moradora de Sol Nascente, no Distrito Federal, explica o G1. Na ocasião, ele invadiu a casa da mulher, trancou seu filho e marido num quarto e a arrastou para o matagal.  

Já no dia 17 de maio, mais um crime. Das 19 horas até meia-noite, ele fez uma família de refém na mesa região do DF — só que, desta vez, ameaçou os moradores de uma residência com uma faca e uma arma de fogo. Após trancar os homens da casa no quarto, Lázaro obrigou as mulheres a prepararem um jantar para ele.

No dia 9 de junho, mais um crime brutal. Desta vez quatro homicídios — as vítimas pertencem à mesma família. Depois que invadiu uma chácara em Ceilândia, também no DF, Sousa matou um casal e seus dois filhos a facadas e tiros. Além disso, também teria rendido o caseiro do local e sua filha.  

Nos dias seguintes, mais caos. Em 12 de junho invadiu uma fazenda, atirou em quatro pessoas e colocou fogo no local, deixando dois feridos em estado grave. No dia seguinte, continuou sua fuga após roubar outro carro, desta vez na BR-070.  

No dia 14, segundo a TV Globo, a polícia foi informada que um caseiro de Cocalzinho de Goiás atirou em Lázaro após ele tentar invadir a casa, mas disse que ele acabou fugindo depois de ser atingido. No mesmo dia, Sousa apareceu em filmagens feitas num curral que fica entre os distritos de Edelândia e Girassol.  

As últimas informações sobre o paradeiro de Lázaro foram divulgadas ontem, 15, no Jornal Anhanguera, filiado na Globo no DF. Segundo o noticiário, dois PM acabaram baleados enquanto participavam das buscas.  

De acordo com um delegado, que acompanha o caso, ele teria feito um casal e adolescentes de reféns em Edelândia. “Ele falou que ia matar os três. Quando viu o helicóptero deitou eles no chão e os taparam com folhas”, disse uma parente das vítimas.  

“Quando a polícia chegou por terra, ele atirou contra a polícia. A polícia atirou, atirou, atirou, em tempo de pegar no meu irmão, na minha cunhada deitados no chão. Deus livrou a vida deles. Ficou só o trauma. Está todo mundo bem”, completou.  

Há mais de uma semana, Lázaro Barbosa de Sousa é perseguido por uma força-tarefa que reúne cerca de 200 agentes das polícias civil, federal, militar e rodoviária em Brasília e nos arredores da capital. No entanto, ele ainda segue à solta. 


+Saiba mais sobre crimes brasileiros através de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Vida Do Ives Ota - O Mensageiro Da Paz, de Ota Iolanda Keiko (1999) - https://amzn.to/3cf2qEQ

Suzane: assassina e manipuladora, de Ullisses Campbell (2020) - https://amzn.to/2WFlLso

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (Ebook) - https://amzn.to/2WD1tQj

Indefensável: O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio, de Paula Sarapu e outros (Ebook) - https://amzn.to/2WCFvg5

Os Crimes Mais Cruéis do Brasil: Conheça os casos que mais chocaram o país, de Editora O Curioso (Ebook) - https://amzn.to/2SNqdnI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

 Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W