Matérias » Brasil

Marcha das Margaridas: o protesto nacional idealizado por trabalhadoras rurais

A primeira manifestação aconteceu nos anos 2000, reunindo cerca de 20 mil mulheres

Victória Gearini | @victoriagearini Publicado em 07/08/2021, às 11h32

Marcha das Margaridas, em 2019
Marcha das Margaridas, em 2019 - Divulgação / Youtube / Articulação Semiárido

Em diversos momentos emblemáticos ao longo da História, o protagonismo feminimo esteve presente em protestos políticos e em reivindicações das mais diversas pautas sociais. Ao redor do mundo, a participação das mulheres em eventos sociais e políticos sempre existiu — embora não fosse tão divulgado. 

No Brasil, não foi diferente. Ao longo dos séculos é possível perceber que a luta feminina sempre esteve presente em diversos momentos e contextos históricos diferentes. No início dos anos 2000, por exemplo, a Marcha das Margaridas, contou com uma grande mobilização nacional, reunindo cerca de 20 mil mulheres. 

Devido a proporção da manifestação, o episódio entrou para a história do país, como um dos maiores atos de luta pela democracia e representatividade feminina. 

Origem histórica 

De acordo com o site Brasil de Fato, o nome da marcha foi escolhido em homenagem à sindicalista paraibana Margarida Maria Alves. Em 1983, a ativista de 50 anos, foi brutalmente assassinada por um matador de aluguel contratado por fazendeiros. 

Marcha das Margaridas, em 2019 / Crédito: Divulgação / Youtube / Articulação Semiárido

 

A execução da sindicalista gerou a indignação da classe trabalhadora. No entanto, mesmo após 38 anos de sua morte, ninguém foi condenado pelo crime que escandalizou o país. Por outro lado, Margarida virou símbolo de luta e coragem.

Ainda hoje, a paraibana é amplamente lembrada pelos manifestantes e pelos trabalhadores rurais, que mantém o seu legado vivo. 

A primeira marcha

A primeira Marcha das Margaridas foi realizada no início dos anos 2000 e foi organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). O ato reuniu em Brasília agricultoras, quilombolas, indígenas, pescadoras e extrativistas. 

Marcha das Margaridas, em 2019 / Crédito: Divulgação / Youtube / Articulação Semiárido

 

Segundo o Brasil de Fato, no primeiro evento, cerca de 20 mil mulheres participaram dos protestos. Todavia, com o passar do tempo, mais pessoas entraram para a luta, motivo que levou a mais de 100 mil manifestantes às ruas, na quinta edição da marcha. 

O legado nos dias atuais 

Dada a proporção do episódio, nos anos seguintes a manifestação se repetiu em Brasília. Organizada por trabalhadoras rurais, a Marcha das Margaridas busca defender políticas públicas na capital federal e luta por reformas governamentais. 

Vale ressaltar, que o protesto trata-se de um programa político simbólico, inclusivo e representativo, que visa debater políticas públicas eficazes que possam abranger as necessidades e desejos das trabalhadoras rurais.

Segundo o Brasil de Fato, até 2019, cerca de quatro mil sindicatos estavam filiados à causa. Além disso, a marcha possui parcerias com os movimentos feministas, centrais sindicais, organizações internacionais e coletivos sociais.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Marcha das Margaridas, de Cláudia Ferreia (2015) - https://amzn.to/2VEAZAM

Margarida, Margaridas, de Ana Paula Romão De Souza Ferreira (2006) - https://amzn.to/3CrGa86

Extraordinárias: Mulheres que revolucionaram o Brasil, de Duda Porto de Souza e Aryane Cararo (2017) - https://amzn.to/3fGYRuO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W