Matérias » Apartheid

Margaret Thatcher apoiou o Apartheid?

Carta mostra posição da Dama de Ferro diante da política segregacionista da África do Sul

Fabio Previdelli Publicado em 23/04/2022, às 07h00 - Atualizado em 07/05/2022, às 09h00

A primeira-ministra Margaret Thatcher
A primeira-ministra Margaret Thatcher - Arquivo Nacional Holandês via Wikimedia Commons

Por mais de 40 anos o Apartheid vigorou na África do Sul. Entre 1948 e 1994, negros sofreram com uma política separatista e autoritória imposta por uma minoria branca.

Assim, as chamadas “pessoas de cor” eram impedidas de frequentar certos espaços públicos e dispunham de serviços inferiores aos dos brancos, como a saúde e a educação. 

Apesar da segregação racial na África do Sul ter tido início durante o período colonial  britânico e holandês do século 19, a prática se tornou uma política oficial no país após as eleições gerais de 1948 — sua implementação foi feita pelo pastor protestante Daniel François Malan, primeiro-ministro do país, conforme aponta a Encyclopedia Britannica.

Fotografia de protesto contra o Apartheid na África do Sul, em meados de 1980/ Crédito: Wikimedia Commons

Em 6 de novembro de 1962, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou a 'Resolução 1761’, que não só condenava as políticas racistas e segregacionistas do governo sul-africano como também convocava os Estados-membros dos países para cortarem quaisquer tipos de relações diplomáticas e econômicas com a África do Sul. 

Em 1973, a mesma Assembleia Geral condenou internacionalmente o Apartheid como injusto e racista através da aprovação do texto da "Convenção Internacional da Punição e Supressão ao Crime do Apartheid".

Mas nem todos viam essas sanções como algo benéfico aos seus interesses. Um exemplo disso é da ex-premiê britânica Margaret Thatcher, que prometeu ao então presidente da África do Sul, Pieter Willem Botha, que lutaria contra a pressão para aplicar medidas de restrição ao país. 

O apoio de Thatcher

O apoio da Dama de Ferro foi exposto em uma carta escrita por ela própria datada de 31 de outubro de 1985. Na missiva, a primeira-ministra do Reino Unido afirma que não aplicará sanções econômicas ou comerciais contra a África do Sul. 

Em contrapartida, porém, sugere que Botha liberte Nelson Mandela — uma das principais figuras da oposição ao Apartheid — e siga outras medidas de impacto internacional. Desta forma, justifica a premiê, isso a ajudaria a não romper com o regime. 

Nelson Mandela em 1990, celebrando sua saída da prisão / Crédito: Getty Images

Conforme aponta matéria publicada pela Folha de São Paulo em 2013, o Reino Unido, assim como outras nações, tinham um enorme interesse financeiro na África do Sul. Esse grupo defendia a ideia de que punições contra o país fosse apenas algo retórico. 

Os interesses de alguns países seriam severamente atingidos se sanções forem aplicadas", escreveu Thatcher

Segundo a fonte, a carta enviada de Londres à Botha recebeu o timbre de “secreto e pessoal” pelo governo britânico. O registro faz parte do acervo da Fundação Margaret Thatcher.

Eu devo resistir a sanções porque acredito que são erradas e que não é interesse britânico fazer isso", prossegue a Dama de Ferro. 

A premiê britânica aponta que, em sua visão, a aplicação de sanções é algo que “não funciona”, por prejudicar quem quer ajudar. Ela também ressalta que o atual governo sul-africano está ajudando a mudar a situação opressora do regime. 

 “Continuo acreditando que a libertação de Nelson Mandela teria mais impacto que qualquer outra ação", diz Thatcher em outro trecho da carta. 

O erro da Dama de Ferro

Por conta da forma como conduziu esse processo, não agindo contra o regime segregacionista, Margaret Thatcher recebeu inúmeras críticas que perduraram por anos. Em 1987, cerca de dois anos após o envio da missiva, ela chamou o Congresso Nacional Africano (CNA), partido de Mandela, de "organização terrorista".

Em 2006, David Cameron, que serviu como primeiro-ministro do Reino Unido, entre 2010 e 2016, pelo Partido Conservador, o mesmo da Dama de Ferro, considerou a posição de Thatcher como um “erro”.

Na carta escrita por ela, Margaret ainda aponta que havia sofrido uma pressão na reunião da Commonwealth para apoiar as sanções contra a África do Sul. "Eu estou decidida a continuar resistindo a essa pressão e encontrei determinação parecida no presidente [Ronald] Reagan [EUA] quando nós discutimos esse tema em Nova York semana passada, mas preciso de sua ajuda".

Fui acusada de preferir empregos britânicos a vidas africanas, de não me preocupar com os direitos humanos, e muito mais", completou.

+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Kaffir Boy: The True Story of a Black Youth's Coming of Age in Apartheid South Africa (Edição Inglês), de Mark Mathabane (1998) - https://amzn.to/3eKPN5l

O destino da África: Cinco mil anos de riquezas, ganância e desafios, de Martin Meredith (2017) - https://amzn.to/3052MuD

Cartas da prisão de Nelson Mandela, de Nelson Mandela (2018) - https://amzn.to/2AwR0OR

Mandela: O africano de todas as cores, de Alain Serres e Zaü (2013) - https://amzn.to/3052Z0T

A liberdade é uma luta constante, de Angela Davis (2018) - https://amzn.to/2zPIv1x

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W