Matérias » Inglaterra

Mary Toft, a estranha saga da mulher que deu à luz a coelhos

Em 1726, a inglesa convenceu médicos, jornalistas e a população londrina de que havia concebido os animais

Joseane Pereira Publicado em 17/01/2020, às 08h00

Cena de um curta-metragem sobre o caso de Mary Toft
Cena de um curta-metragem sobre o caso de Mary Toft - Divulgação

No ano de 1726, a camponesa Mary Toft, que vivia no condado de Surrey, Inglaterra, foi a protagonista de uma história que causou espanto na comunidade médica, mobilizou a imprensa local e chamou atenção até do rei George I: Mary convenceu a todos de que estava dando à luz a coelhos.

Mary Toft já era mãe de três crianças quando percebeu que estava grávida novamente. Mas essa gestação parecia diferente das outras: a camponesa não conseguia mais trabalhar ou fazer as tarefas domésticas, pois sofria de dores insuportáveis e simplesmente não podia ficar de pé.

Quando finalmente deu à luz, algo chocante aconteceu: Mary teria expulsado de seu corpo vários pedaços de animais que pareciam ser coelhos, acabando por se tornar uma espécie de lenda local. Ao ir à casa da mulher para tirar a história a limpo, John Howard, médico do condado, presenciou outros pedaços de animais saindo do útero de Mary, e notificou imediatamente a comunidade médica de Londres.

Retrato de Mary Toft com um de seus coelhos / Créditos: Wikimedia Commons

 

O caso acabou chegando aos ouvidos do rei George I, que enviou a Surrey um de seus cirurgiões pessoais, Nathaniel St. Andre. O médico real também confirmou a história, concedendo ainda mais notoriedade a Mary.

Fascinado, o rei solicitou que ela fosse a Londres se submeter a uma série de exames. O terceiro médico a investigar o caso foi o cirurgião real Cyriacus Ahlers, que chegou à conclusão de que os animais saíam das trompas de falópio da mulher — e ameaçou uma cirurgia invasiva para confirmar a hipótese.

Foi aí que Mary confessou que ela e seu marido estavam comprando coelhos, e empurrando-os através do canal vaginal para fingir o nascimento. Com a verdade revelada, os especialistas foram alvo de zombarias impiedosas: jornais, teatros e até pintores debocharam dos médicos por sua ingenuidade. Howard foi particularmente devastado, pois acabara de publicar um panfleto de 40 páginas intitulado “Uma breve narração sobre o extraordinário parto de coelhos".

Mary Toft durante o parto / Créditos: Wikimedia Commons

 

A camponesa foi aprisionada sob acusação de fraude, sendo libertada pouco tempo depois. Até hoje, não se sabe ao certo por que ela sustentou essa mentira difícil e elaborada, e tampouco como a comunidade científica demorou tanto tempo para descobrir a farsa. Mary Toft viveu até os 62 anos, e seu caso nunca mais foi esquecido pela população local.


+Saiba mais com as obras abaixo:

Mary Toft; or, The Rabbit Queen (English Edition), Dexter Palmer (2019) - https://amzn.to/2FTCX5d

The Imposteress Rabbit Breeder: Mary Toft and Eighteenth-Century England (English Edition), Karen Harvey (2020) - https://amzn.to/2u36R4s

The English Rogue; or the Life of Jeremy Sharp. To Which is Added a Narrative of Mary Toft; of an Extraordinary Delivery of Eighteen Rabbets, ... Edition in Three Volumes. of 3; Volume 1, Jeremy Sharp (2018) - https://amzn.to/2RlNknL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.