Matérias » Personagem

Marybeth Roe Tinning: a serial killer que não poupou nem os próprios filhos

Após matar o marido e os filhos, Tinning tornou-se um dos nomes mais insólitos dos Estados Unidos

Nicoli Raveli Publicado em 04/03/2020, às 22h00

Marybeth Tinnig foi acusada de matar a nona filha
Marybeth Tinnig foi acusada de matar a nona filha - Getty Images

Nascida em 1942, Marybeth Roe Tinning é conhecida por ser uma serial killer americana. Ela foi presa em 1987 e condenada pelo assassinato de seu nono filho que tinha quatro meses de idade. De acordo com os testes realizados, a morte do garoto foi resultado de uma asfixia. Ela também é a principal suspeita envolvida na morte dos outros oito filhos.

Ela também foi acusada de tentar matar o próprio marido, Joseph Tinning. Na época, o casal enfrentava diversos desentendimentos e ela colocou uma dose alta de barbitúrico, um composto químico de uso terapêutico. Devido a dose quase fatal, o homem foi internado, mas recusou-se a prestar queixa contra a esposa.

Durante 14 anos, as nove crianças morreram sob seus cuidados. Porém, a morte das oito primeiras foi considerada genética. Jennifer, terceira filha do casal, nasceu com uma infecção e morreu logo após seu nascimento. Em menos de dois meses, as outras duas crianças também foram a óbito.

Depois que o quarto e quinto filhos dos Tinnings morreram, antes mesmo de completar um ano de idade, alguns médicos suspeitaram que as crianças estavam sofrendo de uma falha genética. Em 1981, seu sexto filho, Michael, morreu. Ele era adotivo e as autoridades começaram a duvidar de que a própria mãe poderia ter matado o filho.

Marybeth foi foi diagnosticada com síndrome de Munchausen / Crédito: Daily Mail

 

A morte do garoto foi acompanhada pela morte de mais dois irmãos. Após a morte da nona filha, a promotoria de Nova York reuniu provas suficientes para acusar Tinning pelo assassinato de Tami e foi condenada a 20 anos de prisão.

Mais tarde, a criminosa foi diagnosticada com síndrome de Munchausen, na qual os indivíduos fingem ou causam a si mesmo doenças e traumas psicológicos. Os especialistas também acreditam que esses transtornos podem se prolongar por toda a vida.

O casal foi levado separadamente até o Departamento de Polícia de Schenectady para o interrogatório. Durante o processo, Marybeth assinou um documento no qual confessou os assassinatos de três filhos, Tami, Timothy e Nathan. Ela foi levada até a prisão para mulheres em Bedford Hills, em Nova York.

Foi o doutor Michael M. Baden, membro da Polícia Estadual, que determinou que a morte da criança foi resultado de um sufocamento. Em julho de 2018, ocorreu sua sétima audiência. A assassina deixou a prisão no mês seguinte ao pagar uma fiança de 100 mil dólares.


Para entender mais a mente dos Serial Killers:

Manson: A Biografia, Jeff Guinn - https://amzn.to/2o07wBe

Killer Clown Profile: Retrato de um Assassino, Terry Sullivan - https://amzn.to/2pIJknl

Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado, Ann Rule - https://amzn.to/2oPGqMU

Meu Amigo Dahmer: Estudando com um serial killer, Derf Backderf -  https://amzn.to/2pH7TB2

O Diário de Jack, O Estripador, Shirley Harrison - https://amzn.to/2nd2lgG

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.