Matérias » Personagem

Memórias de Nelson Rodrigues sobre a Gripe Espanhola mostram que nada mudou: 'O velório seria um luxo insuportável'

No ano de 1967, Nelson Rodrigues escreveu um livro de memórias no qual tratou sobre diversos momentos que vivenciou, entre eles, a triste pandemia

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 23/03/2021, às 11h43 - Atualizado às 14h28

Nelson Rodrigues
Nelson Rodrigues - Wikimedia Commons/ Arquivo Nacional

No ano de 1918, o famoso escritor, jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigres, tinha apenas 6 anos de idade e vivia na Aldeia Campista, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Porém, apesar da pouca idade, suas memórias daquele tempo jamais foram esquecidas.

Foi numa época sombria, um cenário assim como o que vivemos no presente momento, repleto de mortes em decorrência de um vírus que se espalhou pelo mundo, que o pequeno Nelson vivenciou no início do século 20.

Ele cresceu e, 49 anos depois, escreveu o livro 'A Menina Sem Estrela', por meio do qual compartilhou com o público suas principais recordações. Uma delas, referente à pandemia de gripe espanhola, chama muito a nossa atenção.

Enfermeira e paciente infectado, durante surto da gripe espanhola / Crédito: Wikimedia Commons

 

O passado e o presente 

Conforme documentado pela Biblioteca Nacional, em determinado trecho de seu livro, o carioca diz que "morrer na cama era um privilégio abusivo e aristocrático. O sujeito morria nos lugares mais impróprios, insuspeitados: - na varanda, na janela, na calçada, na esquina, no botequim."

Portanto, muita gente morria sem ao menos ter atendimento médico. Eram muitos contaminados com o vírus e poucos que tinham a oportunidade de ter um leito de hospital. 

Em seguida, Rodrigues afirma: "Normalmente, o agonizante põe-se a imaginar a reação dos parentes, amigos e desafetos. Na Espanhola não havia reação nenhuma. Muitos caíam, rente ao meio-fio, com a cara enfiada no ralo. E ficavam, lá, estendidos, não como mortos, mas como bêbados. Ninguém os chorava, ninguém..."

Em 1918, o mundo passou por uma pandemia semelhante à que vivemos hoje - Crédito: Wikimedia Commons

 

"Ora, a gripe foi, justamente, a morte sem velório. Morria-se em massa. E foi de repente. De um dia para o outro, todo mundo começou a morrer. Os primeiros ainda foram chorados, velados e floridos. Mas quando a cidade sentiu que era mesmo a peste, ninguém chorou mais nem velou, nem floriu. O velório seria um luxo insuportável para os outros defuntos."

De maneira muito semelhante, mais de um século depois, o mundo vive novamente um momento sombrio. Com seus primeiros casos notificados no final de 2019 na China, o novo coronavírus logo se espalhou pelo mundo, infectando e matando milhões de pessoas.

Infelizmente, o Brasil logo tornou-se um dos protagonistas dessa enorme mortandade. Conforme dados divulgadas pelos órgãos de saúde, o país registrou, até a presente data, 12.047.526 casos de pessoas infectadas. Já o número de mortes em decorrência da doença já chega a 295.425 no país.

O escritor Nelson Rodrigues - Crédito: Divulgação

 

A morte torna-se trivial

"Era em 1918. A morte estava no ar e repito: - difusa, volatizada, atmosférica; todos a respiravam....", recorda o autor do livro. "De repente, passou a gripe. Ninguém pensava nos mortos atirados nas valas, uns por cima dos outros. Lá estavam, humilhados e ofendidos, numa promiscuidade abjecta."

Por fim, Nelson ressalta que devido ao fato da morte ter se tornado cotidiana na vida dos brasileiros, a "peste deixara nos sobreviventes, não o medo, não o espanto, não o ressentimento, mas o puro tédio da morte."


+ Saiba mais sobre a Grande Gripe por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Grande Gripe. A História Da Gripe Espanhola, A Pandemia Mais Mortal De Todos Os Tempos, de John M. Barry (2020) - https://amzn.to/3czLxoz

A Gripe Espanhola: Os Dias Malditos, de João Paulo Martino (2017) - https://amzn.to/35WsZMS

Gripe Espanhola: A maior pandemia da história, de Editora O Curioso - https://amzn.to/2yXnEIT

A Pandemia de Gripe Espanhola de 1918 na "Metrópole do Café", de Leandro Carvalho Damacena Neto (2020) - https://amzn.to/2WQ64P6

Pandemias: a humanidade em risco, de Stefan Cunha Ujvari (2011) - https://amzn.to/2YYky26

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W