Matérias » Música

Michael Jackson afastou Slash de Axl Rose e ajudou no desmanche do Guns N' Roses?

Logo após revelar que foi molestado durante a infância, as acusações de pedofilia contra o Rei do Pop foram um balde de água fria para Axl

Wallacy Ferrari Publicado em 25/11/2020, às 13h00

Slash e Michael reunidos em fotografia (esq.) e Slash abraçado com Axl (dir.)
Slash e Michael reunidos em fotografia (esq.) e Slash abraçado com Axl (dir.) - Divulgação

Em 2 de abril de 1992, a edição norte-americana da revista Rolling Stone trazia na capa o astro Axl Rose, vocalista da banda Guns N' Roses. A banda, em seu auge comercial, havia lançado no final do ano anterior os discos Use Your Illusion I e II, totalizando milhões de cópias vendidas pelo mundo. A surpresa da publicação com o rockstar, no entanto, partiu de uma revelação muito menos agressiva que seu famoso comportamento e composições.

Em entrevista com Kim Neely, o astro fez questão de justificar a misogenia e homofobia em um dos piores traumas de infância; quando perguntado sobre seu pai biológico, ele explicou os comportamentos delinquentes na juventude e concluiu: "Acho que tenho um problema: Meu pai me fode* a bunda quando eu tinha dois anos".

Quando perguntado sobre mais do episódio, ele explicou que estava revelando o caso para fortalecer jovens fãs pelo mundo que prosseguiam sofrendo abusos e maus-tratos, contando a história de um garoto que se abriu para ele numa visita a um centro de abuso infantil, se encorajando após ver o rockstar.

Capa da edição histórica da Rolling Stone contendo entrevista reveladora de Axl / Crédito: Divulgação

 

Guitarrista dos astros

O posicionamento de Axl não apenas se tornou um exemplo público de fortalecimento em relação aos casos de abuso infantil, como estimulou outros rockstars da época a revelarem abusos sexuais durante a infância, como Scott Weiland, do Stone Temple Pilots, e Phil Anselmo, do Pantera. Era o auge da banda e a oportunidade de reposicionamento da imagem impulsiva do músico.

Assim como Use Your Illusion, outro álbum fez bastante sucesso no ano de 1991; Dangerous, de Michael Jackson, liderando as paradas mundiais com músicas como “Black or White” e “Give In To Me”. Nos dois álbuns — e nas duas músicas específicas — uma figura era a estrela das guitarras. Slash era membro da formação clássica do Guns N’ Roses na época, e como já era habitual do Rei do Pop, o maior guitarrista do mundo na época foi convidado para ajudar no disco.

O cabeludo não apenas acompanhou Michael nas gravações, como fez questão de fazer uma participação nos clipes e se apresentar com o cantor na festa de 10 anos da MTV americana. Se por um lado, o sucesso de ambos os discos agradava os artistas, as amizades de Slash irritaram Axl a partir de 1993 — quando o primeiro processo de abuso sexual infantil contra Michael surgiu.

Michael e Slash reunidos durante apresentação, em 1991 / Crédito: Divulgação/Twitter/slashsnakeuk/01.02.2017

 

Briga interna

Em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil, o ex-assistente da banda, Doug Goldstein, explicou que a recepção do grupo após o trabalho assustou os membros, principalmente após saber que Slash recebeu apenas uma “TV de tela grande” para colaborar com Jackson. “Disse para ele não fazer isso porque Axl foi molestado pelo pai quando tinha dois anos e acreditava nas acusações contra Michael Jackson”, afirmou o empresário.

Doug ainda acrescentou que o vocalista ficou "arrasado" com a participação, principalmente após as declarações: “Ele achou que Slash iria apoiá-lo e ficaria contra todo o abuso. Do ponto de vista do Axl, esse era o único problema. Ele poderia ignorar as drogas e o álcool (com os quais o guitarrista teve sérios problemas), mas nunca poderia ignorar o abuso infantil”.

Justamente após o fim da turnê mundial de Use Your Illusion, o grupo se reuniu para começar a gravação do disco ‘Chinese Democracy’, porém, os desentendimentos dos amigos fizeram com que Slash saísse da banda em conflito em 1996. A dupla permaneceu brigada durante 20 anos, até que, em 2016, fizeram as pazes e voltaram a se apresentar juntos.


+Saiba mais sobre esse assunto e a história do rock nos links abaixo:

Guns N' Roses – O último dos gigantes, por Mick Wall (2017) - https://amzn.to/2V1MTkv

Michael Jackson, o rei do pop - https://amzn.to/2vxg9Gy

As raízes do rock, de Florent Mazzoleni (2014) - https://amzn.to/2QKcltX

O som da revolução: Uma história cultural do rock 1965-1969, de Rodrigo Merheb (2013) - https://amzn.to/2QFW3C7

Breve História do Rock, de Ayrton Mugnaini Jr. (2007) - https://amzn.to/2uuJ6Cu

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W