Matérias » Entretenimento

A mirabolante história da sex tape de Tommy Lee e Pamela Anderson

O surgimento do vídeo amador mais visto da história iniciou em um episódio de vingança contra o badalado casal

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Alana Sousa Publicado em 20/05/2021, às 16h00

Tommy e Pamela juntos em evento
Tommy e Pamela juntos em evento - Getty Images

De um lado, uma musa de um seriado tipicamente estadunidense, loira e sexualizada. Do outro, um roqueiro que atravessava o país com uma banda baderneira. Com esses elementos, um dos casais mais clássicos dos anos 1990 nos Estados Unidos figuraram uma relação de tapas e beijos públicos, intensamente coberto pela imprensa de fofocas.

A atriz de S.O.S. Malibu, Pamela Anderson, e o baterista do Motley Crue, Tommy Lee, se conheceram em 1994 durante um evento de réveillon e, no ano seguinte, já estavam casados em uma cerimônia privada em Cancun e promovendo uma grande reforma na mansão do músico, como revelou a revista Elle australiana. O problema, no entanto, começaria graças as manutenções e construções.

Com o casal dando ordens insanas a todos os momentos e ordenando demissões por qualquer incômodo, o eletricista Rand Gauthier participou das mudanças das instalações, mas seu pagamento foi negado por Lee, que alegou que estava tudo incorreto — apesar de ter sido finalizada com sucesso. Cansado das ordens, o funcionário abriu mão do pagamento de US$ 20 mil para abandonar o trabalho. O único problema foi ao dar a notícia.

Em outras mãos

De acordo com entrevista que concedeu à Rolling Stone norte-americana, Gauthier retornou ao local para buscar suas ferramentas, sendo barrado. Com insistência, Tommy apareceu e apontou uma arma ao rapaz, ordenando que ele saísse "de sua propriedade". A intimação foi suficiente para encher o técnico de raiva, iniciando um plano para não apenas buscar as ferramentas, mas furtar o cofre do casal, levando joias de Pamela e armas de Lee.

Por meses, o eletricista estudou a estrutura do local, sabendo exatamente como desativar as câmeras, além de esperar a poeira abaixar. Ao conseguir invadir a propriedade sem ser percebido, acessou o cofre na busca pelo cobre — mas acabou ‘encontrando o ouro’.

Entre os itens, uma fita VHS sem identificação, na qual decidiu levar para entender a gravidade do conteúdo. Ao chegar em casa e reproduzir as imagens, tinha em mãos o vídeo caseiro mais requisitado de Hollywood.

Cena da fita onde o casal se beija durante lua de mel / Crédito: Divulgação / Vivid Enterteniment

 

Na fita, o casal aproveitava a lua de mel em 54 minutos, compartilhando momentos íntimos e, o mais comemorado por Rand, gravações sexuais explícitas, feitas pelos pombinhos e destinadas apenas para eles.

Sabendo disso, correu para a empresa de filmes eróticos North Hollywood, onde já tinha realizado serviços anteriormente, para auxiliá-lo na comercialização. No entanto, várias distribuidoras recusaram sujar seus nomes com a obra, temendo receber um processo recorde em valor.

Com isso, teve de recorrer a uma ferramenta recém-popularizada nos EUA: a internet. Com um empréstimo de US$ 50 mil do mafioso Louis Peraino, o rapaz fez milhares de cópias em VHS, destruiu a fita original para livrar as provas e, anonimamente, começou a comercializá-la em um website. Quando a imprensa tomou conhecimento, era o início de um fenômeno.

Cópia do boletim de ocorrência solicitando armas, jóias e as fitas de vídeo / Crédito: Divulgação / LAPD

 

Tarde demais

Em janeiro de 1996, um mês após o New York Times relatar no jornal que havia uma suposta fita sexual de ambos circulando nos EUA, Pamela e Tommy notaram a perda do cofre, realizando um boletim de ocorrência e especificando os itens, incluindo a fita. Foi suficiente para jornalistas ligarem os pontos e confirmarem a veracidade, aglomerando vans de reportagem na porta da mansão do casal.

Os esforços da dupla não conseguiram interromper a disseminação das cópias; após processar diversas instituições e pessoas que poderia deter a obra, as causas não conseguiam obter o recolhimento.

O eletricista, por sua vez, lucrou pouco com a obra, visto que era amplamente pirateada e compartilhada para cópias — da mesma forma, aproveitou para se isentar de autoria, evitando processos.

Por fim, para evitar maiores dores de cabeça, os pombinhos realizaram um acordo extrajudicial, com valores não revelados, com Seth Warshavsky, empresário prodígio do ramo da computação. O acordo previu a disponibilização gratuita na internet, de maneira que não gerasse mais dinheiro para ninguém.

Mesmo assim, Warshavsky desrespeitou a solicitação, vendendo a obra para a Vivid Enterteniment em 1997, que por sua vez, a comercializa até hoje em DVD e CD-ROM. Já Tommy e Pamela encerraram o conturbado relacionamento no ano seguinte, em 1998, com Lee preso após agredir a companheira com chutes, como divulgou o Los Angeles Times na época. Ambos não fazem questão de comentar o caso até os dias atuais.


+Saiba mais sobre Hollywood em grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W