Matérias » Neonazismo

'Miss Hitler': o caso da mulher que é investigada de integrar grupo neonazista na Itália

A mulher é suspeita de integrar grupo neonazista que atua em diferentes regiões da Itália

Victória Gearini | @victoriagearini Publicado em 26/06/2021, às 08h39

Tatuagem da 'Miss Hitler'
Tatuagem da 'Miss Hitler' - Divulgação / Youtube / 24horas.cl

Entre 1934 e 1945, Adolf Hitler esteve sob o comando da Alemanha. O líder nazista foi responsável pela morte de cerca de 6 milhões de judeus. No entanto, mesmo sem escrúpulos, o ditador alemão possuía admiradores, que seguiam seus ideais antissemitas e genocidas. 

Diante dessas atrocidades é quase impossível acreditar que uma pessoa que promoveu tanto discurso de ódio e foi o responsável por ceifar milhares de vidas tenha admiradores — ainda mais em pleno século 21.

O grupo neonazista 

De acordo com a agência de notícias ANSA, um grupo neonazista vem sendo investigado na Itália, desde 2019, após suspeitas da organização promover propagandas de cunho racista e de conspiração. Além disso, segundo as autoridades eles estariam incentivando a violência contra judeus e imigrantes. 

O grupo denominado Ordine Ario Romano (Ordem Ariana Romana, em tradução livre) é procurado pelas autoridades italianas por incitar a violência étnica e religiosa. Conforme o Ministério Público da Itália, a organização criminosa agia principalmente no Facebook e na rede social russa VK.

Além disso, a polícia acredita que o grupo estivesse planejando um atentado contra uma das sedes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Os membros da organização criminosa podem responder por formação de quadrilha e incitação à violência étnica e religiosa.

A "Miss Hitler"

Dentre os 12 alvos da investigação, está uma mulher, que segundo a agência teria sido a vencedora de um concurso de "Miss Hitler", organizado na rede social russa VK, em 2019.

De acordo com o site Terra, a mulher é investigada, ainda, por ter entrado em contato com o movimento de extrema-direita português, chamado Nova Ordem Social, cujas atividades estão proibidas desde 2019. 

Assim como os demais suspeitos, a "Miss Hitler" deverá responder por formação de quadrilha, incitação à violência étnica e religiosa e, por promover propagandas de conteúdo racista e antissemita. 

As investigações 

Conforme o site Terra, a Ordem Ariana Romana possuía um grupo de WhatsApp, chamado "Liga Livre de Judeus", onde disseminavam discursos de ódio e neonazistas. 

Segundo as investigações, os integrantes do grupo estão espalhados por diversas regiões da Itália, entre elas Lázio, Sardenha, Calábria e Lombardia.

A polícia identificou que os 12 alvos das investigações mantinham contato com o historiador e professor Marco Gervasoni, que já foi acusado de ameaçar o presidente da República, Sergio Mattarella.

Apesar das acusações, nenhum dos integrantes neonazistas foram presos ainda. Conforme informações da polícia, divulgadas pelo History, por enquanto, eles deverão se apresentar regularmente à Justiça italiana.


+Saiba mais sobre neonazismo através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Heidegger e Sua Herança, de Víctor Farías (2017) - https://amzn.to/2AKx2A5

O neonazismo no Rio Grande do Sul, de René e Gertz (2012) - https://amzn.to/2MyoJdq

As tribos do mal, de Helena Salem (2010) - https://amzn.to/2Mzaoxu

Anti-Semitismo, Integralismo, Neo-Nazismo, de Werner Nehab (1988) - https://amzn.to/2Mx1dh1

Neonazismo, Negacionismo e Extremismo Político, de Luis Milman e Paulo FagundesVizentini (2001) - https://amzn.to/3dGnPaM

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W