Matérias » Personagem

Mistério de 28 anos: Corpo de Ulysses Guimarães nunca foi encontrado

Arrependido de ter apoiado o Golpe de 64, Guimarães foi um árduo opositor da Ditadura e lutou pela redemocratização do país, sendo um dos principais pilares do Diretas Já e do Impeachment de Collor

Fabio Previdelli Publicado em 15/12/2020, às 16h16

Ulysses Guimarães em plenário da Câmara
Ulysses Guimarães em plenário da Câmara - Wikimedia Commons

O dia 12 de outubro de 1992 marcou a política brasileira com um de seus episódios mais trágicos e enigmáticos: o desaparecimento do deputado federal Ulysses Silveira Guimarães, um político muito importante na história recente do Brasil.  

Na ocasião, ele viajava de helicóptero de Angra dos Reis (RJ) para a capital paulista. Entretanto, a aeronave acabou mergulhando no mar fluminense, em uma região próxima à Praia do Sono. O acidente aconteceu minutos depois da decolagem.  

Além de Ulysses, outras quatro pessoas estavam no voo: sua esposa Mora; o ex-senador Severo Gomes, que também estava acompanhado de sua esposa, Maria Henriqueta; e o piloto Jorge Comemorato

Ulysses Guimarães / Crédito: Wikimedia Commons

 

No dia seguinte, as buscas na região foram capazes de identificar o corpo de quatro vítimas, no entanto, o local de descanso do parlamentar jamais foi encontrado. O mistério sobre o destino de seu corpo permanece uma incógnita até hoje, 28 anos após o acidente.  

Quem era Ulysses Guimarães? 

Filho de Ataliba Silveira Guimarães e dona Amélia Correia Fontes, Ulysses Silveira Guimarães nasceu na vila de Itaqueri da Serra, que na época fazia parte do município de Rio Claro, no interior de São Paulo.  

Seu gosto pela política se desenvolveu desde garoto, se tornando evidente quando ele participou do Centro Acadêmico XI de Agosto - órgão representativo dos estudantes da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo -, e exerceu a vice-presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE).  

Ulysses segurando uma cópia da Constituição de 1988 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Anos depois, se tornou professor titular de Direito Internacional Público na Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o homem também lecionou na Faculdade de Direito de Itu e na Instituição Toledo de Ensino em Bauru, onde também foi diretor.  

O início da vida política 

Torcedor fanático do Santos, Guimarães foi nomeado diretor-presidente da subsede do clube, em São Paulo, em 1942 – cargo que voltou a ocupar em 1945. Dois anos depois, foi eleito deputado estadual por São Paulo pelo extinto Partido Social Democrático (PSD). 

Desde então, nunca mais largou a política. Além disso, foi ministro da Indústria e Comércio no gabinete de Tancredo Neves, presidente interino em 1985 e candidato a presidente em 1989.  

Em 1964, apoiou o golpe contra João Goulart, participando, inclusive, da Marcha da Família com Deus pela Liberdade em São Paulo. Porém, logo se arrependeu e passou a fazer parte da oposição da Ditadura, sendo o fundador do único partido contrário ao regime: o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que mais tarde viria a ser o PMDB.  

Cartaz da campanha presidencial de 1989 tendo Waldir Pires como vice / Crédito: Wikimedia Commons

 

À frente do partido, participou de todas as campanhas pelo retorno da democracia, inclusive a luta pela anistia nos anos 1980. Ao lado de nomes como Tancredo NevesOrestes QuérciaMario CovasFernando Henrique CardosoLuis Inácio Lula da Silva e Franco Montoro, Ulysses Guimarães liderou campanhas pela redemocratização, como a das eleições diretas, o popular Diretas Já. Com isso, acabou ficando conhecido como Senhor Diretas e Senhor Democracia.  

A busca pelo corpo e suas teorias conspiratórias 

Anos após a morte do político, em 2001, um médico legista de Santa Catarina chegou a divulgar que pescadores de Barra Sul, no litoral catarinense, teriam encontrado o homem em alto-mar, porém, isso jamais foi confirmado.  

Devido a seu protagonismo político, muitos especulam que a morte de Guimarães possa ter sido semelhante do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Segundo essa teoria, os dois só teriam sofrido seus respectivos acidentes: seus veículos foram sabotados.  

A motivação para a morte de Ulysses é a de que ele foi um dos principais artífices pelo impeachment contra Fernando Collor de Mello, que foi destituído do cargo dois meses depois da morte do parlamentar. Entretanto, as suspeitas nunca ganharam nenhuma prova concreta. 


++Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:  

A história de Mora: A saga de Ulysses Guimarães, de Jorge Bastos Moreno (Ebook) - https://amzn.to/2WiUdta 

Ulysses Guimarães, de Angela Ines Liberatti (2009) - https://amzn.to/3nqIlB5 

A constituição traída: Da abertura democrática ao golpe e à prisão de Lula, de Cleonildo Cruz e Liana Cirne (2019) - https://amzn.to/2KtXJ0Q 

A elite do atraso: da escravidão a Bolsonaro, de Jessé Souza (2019) - https://amzn.to/3gXBw7O 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página. 

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W