Matérias » França

Mistério sem solução: o desaparecimento da família Godard

O caso reuniu relatos do mundo inteiro e chocou a França pela duvida em torno do paradeiro dos envolvidos

Wallacy Ferrari Publicado em 20/05/2020, às 12h45

Yves Godard e os dois filhos em fotografia pessoal usada para identificação
Yves Godard e os dois filhos em fotografia pessoal usada para identificação - Divulgação / Interpol

Médico e acupunturista, Yves Godard, 43, era conhecido por pacientes e amigos como um homem carinhoso com a família. Em diversos relatos, o francês era atencioso e costumava contar histórias de seus filhos até mesmo dentro do consultório, com orgulho. Com uma vida financeira estável, Yves podia aproveitar algumas brechas em sua agenda para alegrar Camille, 6, e Marius, 4.

No primeiro dia de setembro de 1999, Godard aproveitou o clima favorável e decidiu cancelar todas as suas consultas do dia para pescar com os filhos e com a esposa, Marie-France, em Planquery, no noroeste da França. Com um veleiro Jeanneau modelo Sun Odyssey 30 apelidado de Nick, Yves alugou o barco afirmando ao dono que tinha interesse em fazer um cruzeiro de cinco dias com os filhos, comprando alimentos e produtos de limpeza antes de sair para a viagem.

Deixando sua van estacionada no porto, o barco viajou ao longo dos dias ao norte da costa francesa, onde foi observado nos dias anteriores por dezenas de testemunhas. No segundo dia, funcionários da alfândega chegaram a fazer uma inspeção de rotina na embarcação para verificar se havia ocorrido alguma compra ilegal na embarcação ou do próprio braço. No terceiro dia, um vendedor de waffles chegou a vender o doce para as crianças, sem ver a esposa.

Marie-France, Marius e Camille em fotografias pessoais / Crédito: Divulgação

 

Nada de Godard

No dia que seria a volta, um barco de pesca localizou o Nick há 55,5 quilômetros da costa de Île de Batz, completamente imóvel. Ao se aproximar, apenas uma jaqueta e um talão de cheques em nome de Yves foi localizado, sem nenhuma presença humana. A descoberta intrigou a Marinha francesa, que abriu investigação. No 7 de setembro, as autoridades recolheram o barco ao porto para uma análise minuciosa.

Sem sinais de retorno ou testemunhas da presença da família, a investigação localizou vestígios significativos de sangue e doses de morfina na van estacionada. No dia seguinte, encontraram mais vestígios de sangue, mas em sua residência. A investigação iniciava com Godard sendo o principal suspeito de um possível assassinato.

Onze dias depois, em 16 de setembro, marinheiros encontraram um colete salva-vidas com a identificação do Nick na costa das Ilhas Anglo-Normandas. Na semana seguinte, a balsa inflável de sobrevivência para o mesmo barco foi localizada em uma praia da Inglaterra com um corte na lona da câmara de ar. Ainda no mês de setembro, foi comprovado que o sangue encontrado na van era o de Marie-France.

De suspeito para vítima

A inicial suspeita de que o médico havia matado a esposa e fugido de barco começou a ser anulada no ano seguinte, em janeiro de 2000. Uma sacola foi encontrada por um pescador na costa da Ilha de Batz, diversos itens pessoais, roupas, a bolsa e ferramentas pertencentes a família Godard.

A surpresa maior foi em junho, quando um barco industrial recolheu um fragmento de um crânio humano na rede de sua draga, mas com o pescador ignorando e atirando de volta a àgua. Quatro horas depois, na noite do dia 6, outro fragmento foi encontrado. Esse foi recolhido e levado para as autoridades, confirmando que se tratava do crânio de Camille, a filha mais velha.

No ano de 2001, mais itens foram encontrados em costas, todos com o nome de Yves; seu cartão de visita, cartão de débito e o de crédito foram localizados por habitantes locais em três datas diferentes, na costa de Saint-Jacut-de-la-Mer. A confirmação de sua morte veio em 2006, quando um fêmur e uma tíbia foram encontrados no mar. Com exames, foi possível notar a compatibilidade com os ossos do médico.

Yves Godard no seu consultório em fotografias pessoais / Crédito: Divulgação

 

Ainda mais mistério

A partir de outubro de 1999, diversos depoimentos incongruentes adicionaram mais dúvidas ao caso, com um proprietário de hotel na Ilha de Man que alegou ter hospedado o homem com os filhos. Desde então, diversas relatos afirmam ter visto o homem em todo o mundo, como na África do Sul, nos Estados Unidos e na Escócia.

Uma nova suspeita foi adicionada em 2011, com a publicação do livro L'Assassinat du docteur Godard pelo escritor Eric Lemasson, afirmando que existiu razões financeiras para a execução do médico relacionadas a máfia italiana. O médico era um membro ativo da Confederação de Defesa dos Comerciantes e Artesãos e teria irritado pessoas com esquemas ao sindicato francês.

Em 2012, o caso foi encerrado sem acusações, alegando que a única hipótese que poderia ser comprovada é que o desaparecimento seja um simples acidente ou naufrágio de barco, sem conexões externas a algum assassinato. A medida foi questionada pelo escritor, que alegou que o promotor público poderia ter sofrido alguma interferência da máfia.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

O Desaparecimento De Josef Mengele, de Olivier Guez (2019) - https://amzn.to/2SDhvIL

A verdade sobre o caso Harry Quebert, de Joël Dicker (2015) - https://amzn.to/3dn5sXE

O desaparecimento de Stephanie Mailer, de Joël Dicker (2019) - https://amzn.to/3dhUi6H

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W