Matérias » Personagem

A saga de Mohammed Aisha, o marinheiro que ficou 4 anos a bordo de um navio abandonado

Por decisão da Justiça egípcia, o marinheiro sírio teve de permanecer anos isolado em uma embarcação sem combustível e energia elétrica

Giovanna Gomes sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 22/08/2021, às 10h00

O marinheiro que foi aprisionado no navio
O marinheiro que foi aprisionado no navio - Divulgação/Mohammed Aisha

Em julho de 2017, o navio MV Aman foi detido no porto egípcio de Adabiya, uma vez que os documentos da embarcação haviam expirado.

Para piorar, nela não se encontravam nem os donos, nem ao menos o capitão, o que fez com que a justiça considerasse o oficial chefe do navio como seu responsável legal. É assim que começa a longa e angustiante história de Mohammed Aisha.

Isolado de tudo e de todos

Como responsável pelo Aman, o marinheiro sírio estava impedido de deixá-lo até que a situação do navio fosse resolvida.

O problema, era que os operadores libaneses não haviam pagado pelo combustível e os donos, que eram do Bahrein, passavam por dificuldades financeiras. Sem ter como se livrar daquela situação, Aisha se viu preso e sem esperanças de um dia voltar para casa e para seus familiares.

Fotografia da área interna do Aman / Crédito: Divulgação/Mohammed Aisha

 

Com o passar de meses, Mohammed ficou completamente sozinho, uma vez que a tripulação foi deixando o local. Ele, porém, não teve a mesma sorte e passaria quatro anos de sua vida a bordo do cargueiro vendo outros navios entrarem e saírem pelo Canal de Suez.

Os momentos mais confortantes pelos quais ele passou nesse período foram as poucas vezes que chegou a ver o irmão, também marinheiro, passar em uma embarcação, mas sempre muito distante até mesmo para acenar. O único contato que tiveram, conforme declarou Aisha em entrevista à BBC, foi por meio do telefone.

Entretanto, tudo pareceu desmoronar quando, em agosto de 2018, encarou o falecimento da mãe, que era professora. "Considerei seriamente acabar com minha vida", revelou o sírio, quem estava com a saúde mental cada vez mais abalada.

Mohammed em voo de volta para a Síria / Crédito: Divulgação/Mohammed Aisha

 

Do "túmulo" ao milagre

Quanto mais o tempo passava, mais o marinheiro se sentia triste e impotente. Ele mencionou sobre a enorme angústia que era passar os dias e as noites no Aman: "Você não consegue ver nada. Não consegue ouvir nada. É como se você estivesse em um caixão". Porém, em março de 2020, um milagre aparentemente aconteceu.

Mohammed conta que uma tempestade tirou o Aman de seu ancoradouro, de modo que navegou ao longo de 8 km e acabou encalhando próximo da costa. Ele revelou ter ficado assustado, mas, logo em seguida, pensou ser obra de Deus, já que, naquele ponto, ele poderia nadar até a praia. E foi o que fez.

No dia 22 de abril de 2021, ele nadou, comprou alimentos e encontrou um local para recarregar seu celular. Finalizava-se, assim, a saga de sofrimento do sírio que foi feito prisioneiro em seu instrumento de trabalho.

Na imagem, a costa do Egito / Crédito: Divulgação/Mohammed Aisha

 

Tentativas falhas

A empresa proprietária do MV Aman, Tylos Shipping and Marine Services, declarou à BBC que tentou ajudar o rapaz, porém sem sucesso. 

O advogado Mohamed Arrachedi, da Federação Internacional dos Trabalhadores em Transporte, que assumiu o caso em dezembro do ano passado, declara que este é o momento de todos refletirem sobre os abusos marítimos, já que há muitas outras histórias semelhantes à de Aisha.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon

Titanic: Minuto a Minuto, Jonathan Mayo (2017) - https://amzn.to/35HRGuU

Titanic - A história completa, Philippe Masson (2011) - https://amzn.to/35IXULh

Titanic. A Verdadeira e Trágica História e os Atos de Heroísmo de Seus Passageiros, de Rupert Matthews (2014) - https://amzn.to/2VMYOmI

Príncipe de Astúrias. O Titanic Brasileiro, de Isabel Vieira (2014) - https://amzn.to/2xIcEie

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du