Matérias » Personagem

Morto após apenas um ano de carreira: o estranho fim do cantor Bobby Fuller

O artista começou a banda The Bobby Fuller Four aos 22, e foi encontrado morto aos 23 em circunstâncias misteriosas

Ingredi Brunato Publicado em 17/10/2020, às 10h00

Fotografia de Bobby Fuller
Fotografia de Bobby Fuller - Wikimedia Commons

The Bobby Fuller Four foi uma banda de rock’n’roll e surf music (que é um subgênero de rock ligada à cultura do surfe), com integrantes que eram do Texas, nos Estados Unidos. Ela foi formada em 1965, e finalizada um ano depois, em 1966, não por um conflito entre os membros ou falta de sucesso, mas por conta da morte brusca e enigmática de Bobby Fuller, vocalista.

Os oficiais que encontraram seu corpo e investigaram o caso decidiram que se tratava de um suicídio, contudo, as circunstâncias em que o artista de rock se encontrava pareciam sugerir um cenário mais complexo. Dessa forma, a morte de Bobby é um terreno fértil para o surgimento de especulações e teorias. 

Vida artística 

Bobby Fuller nasceu em 1943, na cidade de Baytown, no Texas, e quando tinha 22 anos decidiu lançar seus primeiros singles, alguns assinados simplesmente com o seu nome, e outros com o que pareciam ser nomes de banda. 

Dois anos depois, o artista finalmente encontraria outros três parceiros para fazer música com ele, no que ficou conhecido como o The Bobby Fuller Four.

Fotografia dos membros de The Bobby Fuller Four. O líder da banda é o segundo da esquerda para a direita. Crédito: Wikimedia Commons

 

Juntos, lançaram dois álbuns de estúdio. A música que fez mais sucesso foi “I Fought the Law”, que conseguiu atingir à nona posição na Billboard Hot 100, que, na verdade, era um cover de uma canção de outra banda.

Totalmente original foi a “Love's Made A Fool of You”, que emplacou a vigésima quarta posição. Ótimos números numa época em que cantores não contavam com o auxílio do Tik Tok para viralizar músicas. 

Entretanto, em julho de 1966, Bobby teve uma discussão com o produtor da banda, Bob Keane, e decidiu abandonar o grupo que levava seu nome. Não foi comprovado se essa saída teria sido definitiva. 

Talvez essa decisão tenha sido feita de forma impulsiva ou por orgulho, e ele fosse se arrepender e voltar atrás. Ou então, talvez seus parceiros fossem convencê-lo a voltar. Isso se ele tivesse vivido o suficiente para que essa história pudesse continuar. Porém, foi exatamente naquele mês que Fuller morreu. 

A desgraça

Bobby desapareceu, e quando reapareceu já foi na forma de um cadáver. Ele foi encontrado dentro de seu carro, guardado na garagem do seu apartamento localizado na glamorosa Hollywood. Seu corpo estava em um estado preocupante: coberto de hematomas e, estranhamente, gasolina. A causa de morte foi determinada como asfixia.

“O músico Robert Fuller, 23, foi encontrado morto no estacionamento de seu prédio em Hollywood com uma mangueira de plástico nas mãos levando a um galão de gasolina”, documentou o LA Times na época.

Conforme relatado pelo The Guardian em matéria de 2016, as autoridades não procuraram impressões digitais e muito menos foram atrás de testemunhas. Além disso, também foi relatado que o carro não estava estacionado na garagem 30 minutos antes da mãe do cantor encontrá-lo sem vida, apresentando um status de decomposição avançado, ou seja, ela teria morrido em outro lugar.  

Algumas das teorias em relação a esse fim perturbador explicam que o cantor foi assassinado pela máfia local. E não porque o próprio Fuller estivesse envolvido com atividades criminais, mas porque seu produtor teria contratado os criminosos para matá-lo. Todavia, o laudo oficial aponta que o artista morreu de asfixia.

O que se sabe de fato é que autoridades identificaram marcas na pele do cadáver - sem ossos quebrados - e encontraram um galão de gasolina no local. Assim, foi concluído que o cantor ingeriu a gasolina. 


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W