Matérias » Música

Morto pelo próprio pai: o triste fim do astro Marvin Gaye

O famoso músico de soul e R&B tentou defender sua mãe de uma briga com o marido, que acabou com um fim trágico

Paola Churchill Publicado em 02/06/2020, às 15h43

O cantor Marvin Gaye durante show
O cantor Marvin Gaye durante show - Wikimedia Commons

Em abril de 1984, após anos e anos de uma exaustiva turnê, o cantor de blues Marvin Gaye estava finalmente de folga em sua mansão em Los Angeles que dividia com sua família inteira. Era o momento de paz que ele tanto precisava.

Marvin estava no auge de sua carreira musical. Seu mais novo álbum, Sex Healing, era número um nas rádios e embalava os romances ardentes da juventude americana. Mas, mal sabia ele que na manhã do dia 1° de abril, tudo estaria acabado.

O último álbum de Marvin Gaye, Sexual Healing, em 1982/Crédito: Divulgação

 

A briga

Na manhã daquele dia, Marvin e sua mãe Alberta conversavam em seu quarto. O cantor implorava a mulher para que largasse o marido. Isso porque o Sr. Gaye era um homem abusivo tanto com sua esposa como com seus filhos.

Enquanto conversavam, o pastor Marvin Gaye Sr entrou no quarto abruptamente perguntando a Alberta aonde ela havia colocado alguns documentos que tanto precisava. Bastou a mulher dizer que não sabia do que o homem estava falando para começar uma gigantesca briga.

Marvin e seu pai nunca se deram bem. Desde a infância, o cantor brigava constantemente com o patriarca da família para defender a sua amada mãe e não seria diferente naquela vez.

Marvin Gaye e sua mãe, Alberta/ Crédito: Wikimedia Commons 

 

 

Sem pensar duas vezes diante do sofrimento da mãe, o astro decidiu apartar a briga. Em seguida, ele mesmo começou a socar o pai. Gaye Sênior ficou revoltado com a situação e, para a surpresa de todos, disparou dois tiros contra o próprio filho — ironicamente, a pistola havia sido presente do músico.

Ao ver o primogênito baleado, uma sensação horrível tomou conta de Alberta, que saiu aos prantos procurando seu outro filho, Frankie para ajudar o cantor ferido. O irmão do astro subiu as escadas correndo e encontrou num mar de sangue. Ele tentou estancar o sangue e dizia para o músico que ele iria ficar bem.

Marvin Gaye Sr durante seu julgamento/Crédito: Wikimedia 

 

Não demorou muito para que uma ambulância chegasse até a casa de um dos maiores nomes da música americana, mas mesmo com todos os esforços da equipe médica para salvá-lo, Marvin não resistiu aos ferimentos e morreu no Centro Médico do Hospital da Califórnia.

 

Arrependimento

No momento que viu o que tinha feito, o pastor só conseguia chorar, apesar de todas as brigas e a forma rígida que tinha criado seus filhos, ele os amava muito e nunca pensou que poderia matar um deles.

O homem foi preso e confessou ter cometido o crime. No mesmo ano, durante seu julgamento, Marvin Gaye Sênior alegou que nunca quis fazer aquilo, mas disse que era culpado pela morte do cantor.

O pai do músico chorava muito e diante ao júri disse: "Se eu pudesse trazê-lo de volta, eu o faria. Eu estava com medo dele. Eu pensei que ia me machucar. Eu não sabia o que iria acontecer. Eu realmente sinto muito por tudo isso aconteceu. Eu o amava. Gostaria que ele pudesse passar por esta porta agora. Estou pagando o preço por isso".

O pastor foi condenado a seis anos de cárcere, contudo, a acusação de assassinato foi retirada após os médicos descobrirem que o homem estava com um câncer cerebral. Ele morreu, sozinho, em um asilo aos 84 anos, em 1998.

Marvin Gaye, apesar de ter tido um fim trágico muito cedo, deixou um legado musical incrível que até hoje é elogiado e são feitas vários tributos musicais em sua memória.


+ Saiba mais sobre outros músicos por meio das obras disponíveis na Amazon: 

Divided Soul: The Life Of Marvin Gaye (kindle), de David Ritz (2009) - https://amzn.to/3035hgL

Kurt Cobain Fragmentos De Uma Autobiografia, de Marcelo Orozco (2002) - https://amzn.to/3bTAyXi

This was the Real Life: The Tale of Freddie Mercury, David Evans e David Minns (2015) -

 
Freddie Mercury - A Biografia Definitiva, Lesley-Ann Jones (2013) - https://amzn.to/2ulB7aJ
 

Kurt Cobain - Quando eu era um Alien, de Toni Bruno (2015) - https://amzn.to/37IaN8Z

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Alémdisso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du