Matérias » Personagem

A mulher que gastou R$11 mil para tatuar serial killers em seu corpo

Ela diz que figuras possuem um significado pessoal: 'como para alguém que tem um animal de estimação'

Fabio Previdelli Publicado em 19/12/2021, às 09h00

A australiana que tatuou Jeffrey Dahmer e Ted Bundy
A australiana que tatuou Jeffrey Dahmer e Ted Bundy - Divulgação/ Arquivo Pessoal

Eles cometeram crimes horrendos, assassinando diversas pessoas de maneira macabra e cruel. Apesar de, para muitos, esses criminosos se tornarem figuras desprezíveis, existem aqueles que os defendem com unhas e dentes — uma prática um tanto quanto bizarra e repreensiva. 

Richard Ramirez, por exemplo, conhecido como NightStalker, mesmo após ser declarado culpado por 13 acusações de homicídio, 5 acusações de tentativa de homicídio, 11 acusações de assédio sexual e 14 acusações de roubo, chegou a receber diversas cartas de amor de Cindy Haden, que fazia parte de seu júri. 

Richard Ramirez, acusado de ser o serial killer chamado "Night Stalker" / Crédito: Getty Images

 

Muito além disso foi Charles Manson. Responsável pelo assassinato de Sharon Tate, o lunático que reuniu uma família de criminosos quase se casou quando esteve preso. No fim de 2014, conforme recorda matéria do site do Aventuras na História, o criminoso pediu autorização para se casar com uma admiradora de 26 anos. 

Apesar de Afton Elaine Burton conseguir uma certidão de casamento, a união civil nunca ocorreu de fato. Afinal, o serial killer teria descoberto que o casamento seria apenas uma manobra da mulher para que ela pudesse ficar com o corpo de Manson quando ele morresse.

Tatuagens em série

Nesta semana, porém, uma australiana chamou a atenção por ter gastado 2,8 mil dólares australianos, cerca de 11 mil reais, para tatuar não só os rostos de dois serial killers como também icônicas frases que eles disseram 

Segundo reportou o UOL, Britnee Chamberlain, de 28 anos, cobriu parte da perna direita com representações de Jeffrey Dahmer e Ted Bundy. Ao lado do rosto do predador sexual Bundy, ela tatuou a frase: “Eu não sinto culpa por nada. Sinto pena das pessoas que se sentem culpadas".

"Se não pode vencê-los, coma-os", diz uma outra citação, em referência ao canibal Dahmer. A frase, inclusive, é a favorita da australiana. 

Apesar de ter conhecimento que suas tatuagens são controversas, ela ressalta que não tem nenhuma admiração pela brutalidade dos criminosos.

Em entrevista ao Daily Star, Chamberlain afirma que as figuras foram feitas por conta de sua curiosidade quando tinha 20 anos: “Buscava um propósito para a vida.”

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Damien Wickham (@damienwickhamtattoo)

 

Britnee também diz que não se sente incomodada com os comentários alheios: “Se eu estivesse preocupada sobre o que os outros pensam, eu não estaria sendo fiel a mim e não estaria vivendo uma vida de autenticidade. Pessoas sempre vão ter as opiniões delas, mas quem pode dizer se essas opiniões ou escolhas são certas ou erradas?", continua. 

Ter isso no meu corpo tem um significado pessoal, como para alguém que tem um animal de estimação, iniciais de alguém amado ou mesmo uma piada boba”, justifica. 

A 'obsessão’ de Britnee por tais figuras é tamanha que ela começou a estudar psicologia forense para entender melhor como funciona a cabeça dos criminosos.

“Eu não aceito os crimes de serial killers, de maneira alguma. Eu simplesmente sou intrigada pelo que eles fazem".

Brtinee Chamberlain afirma que, em breve, Ted e Jeffrey ganharão um novo companheiro, já que ela pretende tatuar a imagem do famoso Jack, o Estripador. Além dele, o ladrão de lápides Ed Gein também deve ser eternizado em seu corpo.