Matérias » Ciência

Navalha de Occam: Entenda a origem do princípio filosófico que prega a simplicidade

Conceito desenvolvido originalmente por Aristóteles é até hoje utilizado na metodologia científica

Letícia Yazbek Publicado em 07/03/2019, às 14h28

O filósofo Guilherme de Ockham
Reprodução

O princípio da Navalha de Occam é uma ferramenta da filosofia que aconselha economia, parcimônia e simplicidade, principalmente no que diz respeito às teorias científicas.

Designado pela expressão latina Lex Parsimoniae (Lei da Parcimônia), o princípio é enunciado como entia non sunt multiplicanda praeter necessitatem (as entidades não devem ser multiplicadas além da necessidade). Mas a Navalha de Occam não é uma lei da ciência – não afirma o que é certo e errado sob qualquer hipótese e não defende que a resposta mais complexa deve ser sempre refutada.

Na verdade, a navalha corta hipóteses que costumam ser criadas para complicar ainda mais as teorias, reforçando nossas crenças ou negando nossas contradições. Ela defende que o melhor é partir da hipótese mais simples – ela, quase sempre, será a verdadeira.

O termo “navalha” surgiu do pressuposto de cortar toda hipótese excedente, que não contribui em nada para uma teoria simples e eficaz.

A denominação da Navalha de Occam surgiu por volta de 1850, em alusão a Guilherme de Ockham, filósofo inglês e frade franciscano nascido no vilarejo de Ockham. O pensador desenvolveu o princípio no século 13, mas a ideia não era inédita: ela aparece em escritos de Aristóteles, por volta de 350 a.C..