Matérias » Pré História

Neandertais: Conheça fatos curiosos sobre o homem das cavernas, extinto há 28 mil anos

Como os pesquisadores veem a evolução da espécie dos Neandertais através da história

Alana Sousa Publicado em 25/03/2019, às 15h00

Reconstrução de um homem neandertal no saguão de entrada do museu Neanderthal, na Alemanha
Getty Images

A espécie humana Neandertal surgiu há cerca de 400 mil anos na Europa, no Oriente Médio e na Península Ibérica, sendo extinta cerca de 28 mil anos atrás. A cultura dessa espécie, chamada de “cultura musteriense”, tem sido estudada por especialistas há vários anos. Com novas informações surgindo a cada artigo publicado, estamos cada vez mais compreendendo esse passado da humanidade, e o homem do Período Paleolítico, que compartilha com os humanos atuais 99,7 % do seu DNA.

Os Neandertais costumam ser descritos como criaturas com costas encurvadas, porém tal representação está errada. Essa espécie caminhava de pé e poderia ter sido mais bem posicionados do que nós. A conclusão veio após um estudo no qual pesquisadores criaram um modelo computacional de um esqueleto neandertal.

Em uma época em que se tinha pouco conhecimento dos Neandertais, o biólogo Ernst Haeckel sugeriu que chamássemos a nova espécie de Homo stupidus (homem estúpido), pois ele acreditava que o homem pré-histórico não tinha capacidade de usar ferramentas ou até mesmo de desenhar. A sugestão foi rejeitada, e ao invés disso William King propôs que a nova espécie humana fosse denominada Homo neanderthalensis, em homenagem ao Vale do Neander, na Alemanha, no qual o primeiro fóssil foi encontrado, em 1856.

A ideia de que essa nova linhagem não poderia desenhar foi descartada quando a pintura rupestre mais antiga do mundo foi encontrada. Sendo relacionada aos neandertais, foi feita há cerca de 65 mil anos. Não há dúvidas de que essa espécie utilizava a arte para se comunicar, pois o Homo sapiens não havia chegado à Europa no período em que os desenhos foram realizados.

Uma curiosa hipótese dos antropólogos espanhóis Policarpo Hortola e Bienvenido Martinez-Navarro combina com a tese do pesquisador Fernando Rozzi, do Centro Nacional da Pesquisa Científica, em Paris, de que os Homo sapiens caçavam e comiam neandertais.

A teoria é baseada no fato de que os neandertais foram extintos na mesma época em que os primeiros seres humanos chegaram à Europa. Evidências analisadas por Rozzi, na qual foi estudado um maxilar de um neandertal, mostrou que haviam marcas de corte feitas por humanos. Alguns arqueólogos acreditam que os primeiros humanos também usaram dentes de Neandertal para fazer colares.

Já a hipótese de que os Homo sapiens poderiam ter comido os neandertais ainda está aberta para debate. É um fato comprovado que existia canibalismo entre a mesma espécie. O resultado veio depois que cientistas analisaram os ossos de cinco neandertais de 40 mil anos de idade. Os ossos foram quebrados da mesma forma que os neandertais quebraram ossos dos animais que caçavam. A razão pela qual os homens da caverna se alimentavam de outros membros de sua linhagem ainda não está clara.

Até hoje não se sabe o que causou a extinção dessa espécie. Existem teorias que divergem entre si. A caça pelo Homo sapiens, assim como a caça por outros animais selvagens, pode ter sido um fator que levou à extinção. Porém, há estudiosos que levantam outras hipóteses: os primeiros seres humanos os infectaram com doenças mortais depois que migraram para a Europa; os neandertais não conseguiram alcançar a taxa de reprodução mais alta dos seres humanos; e ainda que a culpa seria da Era Glacial, que quando atingiu seu auge matou plantas e animais de grande porte, que eram alimentos para os neandertais, privando-os de comida e colocando-os na lista de extermínio. Os Homo sapiens teriam sobrevivido à Era do Gelo, pois já estavam acostumados a comer plantas e todos os tipos de carne e peixe.