Matérias » Personagem

Negligência médica: A trágica morte da mulher trans Lorena Muniz

A jovem faleceu no último domingo, 21, vítima das complicações de um incêndio em uma clínica estética de São Paulo

Larissa Lopes, com supervisão de Pamela Malva Publicado em 22/02/2021, às 20h00

Lorena Muniz tinha 25 anos e faleceu no último domingo, 21
Lorena Muniz tinha 25 anos e faleceu no último domingo, 21 - Divulgação/Instagram

“Uma vida que custou 4 mil reais”. Essa foi uma das manifestações de revolta feita pelos internautas no Twitter, após a trágica morte de Lorena Muniz, mulher transexual que faleceu tragicamente no domingo, 21.

No dia 17 de fevereiro, a recifense foi até a clínica estética Saúde Aqui, no bairro da Liberdade, para realizar um implante de próteses de silicone nas mamas. Acontece que, no início da cirurgia, um curto circuito atingiu o ar-condicionado do estabelecimento e provocou um incêndio.

Lorena estava sob efeito de anestesia e, por isso, sequer viu ou reagiu ao princípio das chamas. Vendo o que acontecia, os funcionários da clínica Saúde Aqui abandonaram a mulher na sala de cirurgia e saíram para se proteger. 

O marido, Washington Barbosa, declarou nas redes sociais que realizar esse procedimento era o maior sonho de Lorena e que ela viajou para São Paulo com uma amiga só para realizar esse desejo.

Funcionários e outras pessoas fora da clínica depois do incêndio / Crédito: Divulgação/Instagram

 

O companheiro soube do ocorrido somente dois dias depois, na sexta-feira, 19, quando viu um vídeo circulando nas redes sociais. Trata-se de uma filmagem que mostrava funcionários correndo para a rua, enquanto Lorena ficava sozinha na clínica. 

A cena foi publicada na conta oficial do Instagram da vereadora Érika Hilton (PSOL-SP), e da deputada estadual Erica Malunguinho (PSOL-SP). Os dois gabinetes prestaram apoio ao marido da vítima.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Erica Malunguinho (@ericamalunguinho)

 

Como repercutido pelo Universa UOL, as testemunhas que estavam com Lorena no dia da cirurgia disseram que ela só foi socorrida depois que os bombeiros chegaram. Com isso, a mulher acabou ficando inconsciente e sem oxigênio durante sete minutos.

"Sou casado há quase seis anos com uma mulher trans, que tinha o sonho de colocar silicone. Ela foi a São Paulo realizar a cirurgia com um médico bem famoso entre mulheres trans”, relatou Washington, em vídeo no Instagram. 

Washington Barbosa, marido de Lorena, em vídeo publicado na rede social / Crédito: Divulgação/Instagram

 

“O ar condicionado pegou fogo, todos saíram correndo, ela ficou lá, sedada, inalando fumaça. Chegou a ficar sete minutos inconsciente, e isso gerou prejuízo na circulação do oxigênio no cérebro dela, e agora ela não está reagindo", continuou.

Logo após o acidente, Lorena fora internada no pronto-socorro do Hospital das Clínicas, em São Paulo, e permaneceu em estado grave durante cinco dias. Sua morte cerebral foi confirmada neste domingo, 21.

Revolta

A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) lamentou a morte de Lorena e ressaltou que o implante mamário é um sonho de muitas mulheres trans. "Infelizmente, Lorena é mais uma vítima da opressão de gênero, da pressão estética e do descaso do estado nos cuidados da saúde específica da população trans. E este não é um caso isolado", afirmou a instituição, em nota.

Segundo a instituição, a clínica Saúde Aqui — a que Lorena procurou para fazer o procedimento — é bastante procurada e é quase uma ‘referência’ para as mulheres trans brasileiras.

Lorena tinha o sonho de colocar próteses de silicone / Crédito: Divulgação/Antra/Twitter

 

Ainda mais, a Antra disse que, no Sistema Único de Saúde (SUS), as filas são longas para esse tipo de cirurgia. E é exatamente por isso que as mulheres procuram clínicas privadas como a Saúde Aqui, que contam com um preço acessível.

O valor pago por Lorena para o procedimento foi de R$ 4 mil — que ela nem chegou a quitar. “A vida de Lorena valeu 4 mil reais, minha gente", disse o marido chorando, quando anunciou a morte da esposa.


+Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon: 

Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática no Brasil, de Cleyton Feitosa Pereira (2017) - https://amzn.to/2MAVQxm

Devassos no Paraíso - A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade, de João Silvério Trevisan (2018) - https://amzn.to/2MA05sV

Cidadania Trans: O Acesso À Cidadania Por Travestis E Transexuais No Brasil,de Caio Benevides Pedra (2020) - https://amzn.to/3dEYRsr

Tempo bom tempo ruim, de Jean Wyllys (2014) - https://amzn.to/3gV7rW5

Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT, Patrícia Gorisch (2014) - https://amzn.to/3gYV7UM

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W