Matérias » Curiosidades

O antigo segredo da obra 'Moça Lendo Uma Carta à Janela'

Longo e valioso projeto de restauração confirmou que a moça na obra de arte do pintor holandês Johannes Vermeer nunca esteve sozinha

Redação Publicado em 07/11/2021, às 08h00 - Atualizado às 18h30

A obra "Moça Lendo uma Carta à Janela"
A obra "Moça Lendo uma Carta à Janela" - Divulgação/Gemäldegalerie Alte Meister, SKD, Wolfgang Kreische

Escondido por séculos sob grossas camadas de tinta, o retrato de um cupido nu exposto em segundo plano na pintura "Moça Lendo uma Carta à Janela", de Johannes Vermeer
(1632-1675), foi finalmente revelado por completo.

Antes do anúncio, feito pela Gemäldegalerie Alte Meister (Galeria de Pinturas dos Mestres Antigos), de Dresden, na Alemanha, em agosto deste ano, a parede pintada era totalmente branca. 

A mudança drástica na composição é tão grande, que os especialistas do museu alemão, responsável pela obra há mais de 250 anos, já até apelidaram-na como o “novo Vermeer”. Para o diretor do lugar, Stephan Koja, a descoberta faz com que seja uma pintura diferente.

“Com a recuperação do cupido, a real intenção do pintor pode agora ser reconhecida”, afirma, transformando seu ponto de vista. “Trata-se de uma declaração fundamental sobre a natureza do amor verdadeiro”, descreve.

Comparação do antes e depois da restauração, em que é possível ver o cupido no quadro / Crédito: Divulgação/Gemäldegalerie Alte Meister, SKD, Wolfgang Kreische

 

Segundo ele, enquanto a versão anterior à restauração exibia a figura solene de uma menina lendo uma carta, o acréscimo da figura — cuja simbologia remete ao deus do amor provido de arco e flechas para acertar corações — muda o
tom, trazendo à obra original uma história muito mais romântica. 

As primeiras análises do processo de restauração foram realizadas em 1979, quando ainda se acreditava que o próprio Vermeer havia escondido a pintura dentro da pintura. Em 2019, porém, novas tecnologias mostraram que a cobertura foi feita décadas depois da morte do pintor. 

A obra foi atribuída a Rembrandt e depois a Pieter de Hooch por anos, e só apenas em 1880, com a avaliação do crítico francês Théophile Thoré-Bürger, foi rotulada como um Vermeer. Na Segunda Guerra Mundial, os soviéticos a transferiram para a URSS, devolvendo-a a Dresden após o fim de Stalin.


+Saiba mais sobre a arte por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Tudo sobre arte, de Stephen Farthing e Richard Cork (2018) - https://amzn.to/3fEy6FY

A História da Arte, de Gombrich (2000) - https://amzn.to/2A1SsIG

O livro da arte, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/3cdUjIR

História Ilustrada da Arte, de Ian Chilvers (2014) - https://amzn.to/2WDgHEF

Breve história da Arte: Um guia de bolso para os principais gêneros, obras, temas e técnicas, de Susie Hodge (2018) - https://amzn.to/3fEykwO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W