Matérias » Estados Unidos

Vítima de um serial killer: O brutal assassinato de Adam Walsh

Walsh tinha apenas seis anos quando foi raptado e esquartejado por um sanguinário. O triste caso repercutiu por anos na história norte-americana

Joseane Pereira Publicado em 10/08/2019, às 08h00

O pequeno Adam Walsh
O pequeno Adam Walsh - Reprodução

No dia 10 de agosto de 1981, a cabeça de uma criança foi encontrada em um canal de drenagem na Flórida. Duas semanas antes, em Hollywood, o pequeno Adam Walsh havia desaparecido de uma loja de departamento, no que ficaria conhecido como um dos sequestros mais impactantes da história norte-americana.

O sequestro

O rapto de Adam Walsh ocorreu na tarde de 27 de julho de 1981, quando ele e sua mãe Revé foram fazer compras na loja Sears, em um shopping local. Filho único, o menino tímido tinha como hábitos o jogo de baseball e videogame. Sua mãe, que precisava pedir informações sobre uma lâmpada à venda, o deixou em um quiosque junto a outras crianças, observando os videogames Atari 2600.

Após a compra, Revé voltou ao local e não encontrou mais nenhuma criança, sendo informada pelo gerente de que havia ocorrido uma briga na loja e todas as crianças foram levadas para fora. Supondo que eram colegas, o guarda de segurança expulsou Walsh junto aos outros jovens para uma saída lateral, deixando-o sozinho do lado de fora. Após uma hora de buscas infrutíferas, sua mãe ligou para a Polícia de Hollywood.

Crédito: Reprodução

 

Mas as notícias só chegaram vários dias depois. Com a confirmação de que os restos mortais, encontrados a 200 km da loja de departamento, eram de Adam Walsh. Como consequência, as investigações sobre as circunstâncias e causa da morte se iniciaram.

O assassinato

Após apurações, a polícia concluiu que Walsh foi sequestrado por um andarilho chamado Ottis Toole, próximo à entrada da loja Sears. Como afirmou Toole posteriormente, ele o atraiu para seu Cadillac 1971 branco com promessas de doces e brinquedos, levando o garoto para o norte do Estado em direção à sua casa, em Jacksonville.

No início o sequestrador se mostrou dócil e complacente, mas logo teve ataques de raiva e deu socos no rosto do menino, o deixando inconsciente. Após isso, dirigiu por algum tempo na estrada deserta, e ao perceber que a criança ainda respirava, resolveu estrangulá-lo até a morte com o cinto de segurança. Arrastando-o para fora do carro, Toole decapitou a criança com um facão, incinerando o corpo em uma geladeira velha ao chegar em casa.

O assassino Ottis Toole / Crédito: Reprodução

 

Após ser preso, Toole alegou que na verdade queria tornar Walsh seu filho adotivo, mas dada a estreita relação que ele tinha com os pais amorosos, isso não era viável.

Legado

O restante do corpo de Walsh nunca foi recuperado. Em outubro de 1983, um filme baseado no sequestro e assassinato atraiu 38 milhões de telespectadores em sua primeira exibição. Nos dois anos subsequentes, o longa foi retransmitido junto a fotos e descrições de crianças desaparecidas, resultando na localização de muitas delas.

Em 1984, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Assistência às Crianças Desaparecidas, devido à pressão da família de Adam e de outros pais. Com base na lei, foi formado o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas. O programa Code Adam para ajudar crianças perdidas em lojas de departamento também foi criado, em memória do caso.

A publicidade da história de Adam também criou um pânico generalizado na década de 1980, fazendo surgir uma geração de crianças aterrorizadas e pais paranoicos nos Estados Unidos.