Matérias » Personagem

O Brasil reconhece que Zuzu Angel foi morta pela ditadura?

A estilista passou anos procurando pelo filho que havia sido sequestrado pelo regime militar, até que sofreu um acidente trágico no Rio de Janeiro

Alana Sousa Publicado em 04/07/2021, às 08h00

Fotografia de Zuzu Angel
Fotografia de Zuzu Angel - Divulgação/ Instituto Zuzu Angel

A vida da estilistaZuzu Angel mudou drasticamente quando seu filhoStuart Edgar Angel Jones despareceu em 1971. O jovem integrava o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8), que lutava contra a opressão da ditadura militar, instaurada anos antes no país.

Mineira, a carreira de Zuleika havia decolado e ela era respeitada até mesmo fora do Brasil. Casada com o norte-americano Norman Angel Jones, ela também era mãe de duas meninas: Hildegard e Ana Cristina.

Depois do sequestro de Stuart, pelos agentes da ditadura militar, Zuzu fez da busca por seu filho o principal objetivo de sua vida. Utilizou suas criações e desfiles de moda para protestar e, através de seu marido, contatou senadores americanos para chamar atenção para o que estava acontecendo em seu país.

Uma carta entregue à Zuzu, pelo guerrilheiro Alex Polari no Dia das Mães, descrevia a morte de Stuart. O jovem afirmava que também estava preso quando viu o militante ser torturado e então levado sob a posse dos militares.

Zuzu Angel e ao lado de seus filhos Stuart, Hildegard e Ana Cristina / Crédito: Divulgação / Instituto Zuzu Angel

 

Ainda assim, Angel queria saber onde seu filho estava, precisava do último adeus. A estilista juntou ainda mais forças e pressionou as autoridades brasileiras e internacionais por uma resposta; o que recebeu, no entanto, foi algo bem diferente.

Em 14 de abril de 1976, Zuzu dirigia na Estrada da Gávea, no Rio de Janeiro, quando sofreu um acidente que lhe tirou a vida. Enquanto passava pelo túnel Dois Irmãos sentiu um impacto em seu veículo. Aqueles foram seus últimos minutos.

Quem matou Zuzu Angel?

Por anos a morte da brasileira foi tratado como um mistério sem solução. Enquanto alguns acreditavam na hipótese de um acidente automobilístico comum, outros tinham certeza do envolvimento da ditadura militar, o que seria uma foram de aniquilar os protestos e calar Zuzu.

Angel morreu sem jamais saber o que acontecera com o filho, sem poder lhe dar um enterro digno. Este parecia ser o mesmo destino reservado para Zuzu, visto que nenhuma autoridade se dirigia ao assunto e nem mesmo uma investigação na época buscou saber o que acontecera com a estilista.

Todavia, sua história mudou em 1998, quando a Comissão Especial dos Desaparecidos Políticos reconheceu a interferência militar no episódio. Documentos da Comissão da Verdade, trouxeram à tona detalhes sobre o fatídico acidente.

Certidão de óbito de Zuzu Angel e Stuart Edgar / Crédito: Divulgação/ Instituto Zuzu Angel

 

Em setembro de 2019, quase 50 anos depois da morte da mãe, a jornalista Hildegard Angel recebeu duas certidões de óbito — de Zuzu e de Stuart —, em que constava: “morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada a população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”, emitido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, trecho repercutido pelo Instituto Zuzu Angel.

Eugênia Gonzaga, ex-presidente da Comissão, havia declarado: “A Justiça autorizou a retificação de que Zuzu não teria morrido acidentalmente, mas em razão de perseguição política, como reconheceu a Comissão Nacional da Verdade”.

Zuzu e Stuart se tornaram mais duas vítimas do sistema opressor que comandou o Brasil por duas décadas. Porém, diferente de Angel, o corpo do jovem torturado segue desaparecido, mesmo que 50 anos tenham se passado.


+Saiba mais sobre a ditadura militar no Brasil através das disponíveis na Amazon:

Zuzu Angel - Coleção Aplauso, de Sergio Rezende (2006) - https://amzn.to/2PWYlNw

A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari (2015) - https://amzn.to/3b1gql8

Liberdade vigiada: As relações entre a ditadura militar brasileira e o governo francês, de Paulo César Gomes (2019) - https://amzn.to/2Rta71U

Cativeiro sem fim: as Histórias dos Bebês, Crianças e Adolescentes Sequestrados Pela Ditadura Militar no Brasil, de Eduardo Reina (2019) - https://amzn.to/2JUI6vZ

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W