Matérias » Família Britânica

O casal real mais duradouro: 5 curiosidades sobre o relacionamento de Elizabeth II e Philip

A Rainha da Inglaterra e o Duque de Edimburgo já estão juntos há mais de 70 anos

Ingredi Brunato Publicado em 28/01/2021, às 10h00

Elizabeth e Philip durante cerimônia de casamento
Elizabeth e Philip durante cerimônia de casamento - Divulgação/ Royal.uk

A atual governante da Inglaterra, Rainha Elizabeth II, está casada há 73 anos com o Duque de Edimburgo, Philip Mountbatten. Já em novembro desse ano, o casal completará 74 anos, quebrando mais uma vez o próprio recorde de união mais longa da história da Família Real Britânica

Apesar de todas as suas décadas de matrimônio, todavia, a rainha e o marido preferem manter sua vida íntima discreta, de forma que os detalhes de seu relacionamento não são tão conhecidos pelo público quanto o de seus filhos e netos. 

Descubra na lista a seguir alguns fatos que você provavelmente não sabia sobre esse longevo casal da realeza britânica! 

1. Primos 

Em geral, um casamento entre primos de segundo ou terceiro grau seria condenado pela sociedade atual. Todavia, quando se realiza um matrimônio entre dois nobres britânicos de famílias tradicionais, é difícil que não exista nenhum parentesco entre eles, uma vez que era hábito para os nobres casarem-se entre si no passado, assim mantendo sua riqueza apenas entre parentes. 

É o que acontece com a monarca britânica e seu esposo, cuja relação sanguínea data da Era Vitoriana. Enquanto ela é uma descendente do filho mais velho da Rainha Vitória, o Rei Eduardo VI, a linhagem de Philip remonta à segunda filha da famosa monarca, a princesa Alice

2. Apelidos românticos  

De acordo com uma reportagem da Independent de 2017, um biógrafo real teria revelado que o marido de Elizabeth II a chama carinhosamente de “repolho” do início do matrimônio até hoje. Já o livro “Elizabeth: The Queen”, de Sally Bedell Smith, revelou ainda outro apelido inusitado para a majestade: salsicha. 

A história por trás desse segundo, que consegue ser ainda mais peculiar que o primeiro, seria de que, devido as expressões da rainha, ela frequentemente passa a impressão de estar mal-humorada - sem estar realmente. Então, um dia, seu marido teria dito: “Não pareça tão triste, Salsicha” - e o nome pouco ortodoxo acabou ficando. 

3. Infidelidade? 

Os boatos a respeito da suposta infidelidade de Philip à Rainha da Inglaterra já datam de antes do casamento, e tem reaparecido nos tabloides ingleses de tempos em tempos ao longo dos anos. 

Tudo começou em 1948, quando espalhou-se o rumor de que o nobre teria se encontrado com a dançarina Patricia Kirkwood em seu camarim, saído para jantar com ela, e sido visto tomando café com a mesma no dia seguinte. Segundo o Duque de Edimburgo, todavia, a história não seria nada mais que um “mito da imprensa”. 

Fotografia de Patricia Kirkwood / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em uma entrevista de 1992, Philip teria afinal dado uma resposta à altura das especulações, argumentando que: “Meu Deus, por acaso você já parou para pensar que, por anos, eu nunca saí sem um policial me acompanhando? Como eu conseguiria me safar de uma coisa dessas?". Suas palavras foram repercutidas pelo Independent. 

4. Sacrifícios 

Ser parte da realeza vem com muitas responsabilidades, de forma que a coroação de Elizabeth como Rainha da Inglaterra teve um grande impacto no relacionamento com seu marido. 

Com a mudança para o lar real, o Palácio de Buckingham, significava que o Duque de Edimburgo precisaria também deixar sua casa de infância.

Outra curiosidade, ainda é que o marido da monarca britânica decidiu parar de fumar por ela, que detestava o cheiro de cigarros, por conta do vício do próprio pai. 

Fotografia de Philip atualmente / Crédito: Getty Images 

 

5. Tolerância 

Em 1997, o casal real fez 50 anos de casados - o que, embora seja menos que a contagem atual dos dois, está longe de ser um período curto. Em homenagem à data simbólica, Philip fez um discurso em que revelou o segredo de uma união duradoura: 

"Acho que a principal lição que aprendemos é que a tolerância é o ingrediente essencial de qualquer casamento feliz. Pode não ser bem assim importante quando as coisas estão indo bem, mas é absolutamente vital quando as coisas ficam difíceis. Você pode acreditar que a Rainha tem a qualidade da tolerância em abundância”, contou o Duque de Edimburgo, cujas palavras foram repercutidas pela BBC naquele mesmo ano.


+Saiba mais sobre o tema através de grandes obras da Amazon: 

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7