Matérias » Crimes

O crime de 1993 que foi desvendado apenas em 2014 pelo filho da vítima

Aaron Fraser tinha apenas 3 anos quando sua mãe desapareceu. Duas décadas mais tarde, foi ele mesmo quem a encontrou

Pamela Malva Publicado em 21/02/2021, às 11h00

Fotografia de Bonnie Haim, a vítima do caso misterioso
Fotografia de Bonnie Haim, a vítima do caso misterioso - Divulgação

Em meados de 1993, uma assistente social foi chamada para acompanhar um caso de desaparecimento, na Flórida, Estados Unidos. Já fazia algum tempo que BonnieHaim, de 23 anos, não aparecia em casa e, por isso, a polícia foi acionada.

Ao chegar na residência da família, a agente pública foi diretamente ao encontro do filho da mulher desaparecida. Com apenas 3 anos de idade, o pequeno Aaron olhou nos olhos da assistente e enunciou algo que a mulher nunca mais esqueceria.

“Papai atirou na mamãe”, disse o garoto. “Meu papai atirou nela e não conseguiu acordá-la depois”, narrou Aaron, mesmo tão pequeno. Aquele momento assustador era apenas o início de um mistério que seria solucionado apenas 21 anos mais tarde, em 2014.

Memórias apagadas

Perto de completar seus 25 anos, AaronFraser já não se lembrava mais da mãe. Ela, afinal, teria desaparecido quando ele ainda era um bebê. Do pai, no entanto, o jovem adulto se lembrava com clareza — muito por culpa do temor constante.

“Eu tinha medo que ele viesse me buscar”, contou em entrevista ao WTLV. Até mesmo após ser adotado por uma nova família, Aaron continuava aterrorizado. “Dormi com um tijolo debaixo do travesseiro até meus 12 anos”, narrou, depois de adulto.

O medo do jovem, como o desenrolar dos fatos mostrou mais tarde, não era irracional. Isso porque, além de violento, o pai de Aaron, Michael Haim, ainda era um assassino: o responsável pela morte prematura de sua esposa, Bonnie, em 1993.

Fotografia de Bonnie Haim / Crédito: Divulgação

 

Uma obra do acaso

Na época do desaparecimento, a polícia estava sem saída. Além da falta de provas contra Michael, nenhum corpo foi encontrado e, segundo testemunhas, o casal estava passando por um momento complicado, que poderia ter resultado na fuga de Bonnie.

Por esses motivos, o caso esfriou e acabou sendo arquivado. Os documentos foram esquecidos pelos oficiais e a família da jovem desaparecida ficou sem respostas por mais de duas décadas. Anos mais tarde, foi próprio Aaron quem reabriu as investigações.

Em meados de 2014, o homem ganhou um processo contra seu pai e, com isso, herdou a antiga casa da família. Foi a chave para a solução de crime duradouro, que assombrava a vida dos Peak, os parentes de Bonnie, há mais anos do que poderiam contar.

Do lado de fora

Segundo reportagem publicada pela WJXT, Michael era dono da residência desde o desaparecimento da sua esposa. Com o passar dos anos, vivendo sozinho ele passou a alugar a propriedade, que tinha uma única regra: ninguém poderia mexer no quintal.

Em 2014, no entanto, ao receber a residência da justiça, Aaron começou a reformar a casa de sua infância. Entre os projetos, ele percebeu um vazamento no jardim e decidiu investigar o mau funcionamento do chuveiro externo.

Naquele mesmo dia, ao erguer uma placa de concreto que não era movida há décadas, Aaron se deparou com uma cena grotesca. Enterrados como se não fossem nada, o crânio e os demais ossos de um cadáver jaziam no quintal da propriedade.

Fotografia de Michael Haim já preso / Crédito: Gabinete do Xerife de Jacksonville

 

O fim de uma batalha

A polícia foi chamada imediatamente e as investigações, há tanto tempo esquecidas, foram retomadas com máxima urgência. Já no laboratório, os restos encontrados por Aaron confirmaram a história que ele próprio contou aos 3 anos de idade.

Com um teste simples, confirmou-se que os ossos eram de Bonnie e, ao lado do corpo, o cartucho de uma bala calibre .22 indicava o assassino. Dono de uma arma do mesmo calibre que o projétil encontrado, Michael Haim foi preso imediatamente.

Uma vez solucionado, o caso foi finalmente levado para o júri. Foi apenas em abril de 2019, entretanto, que Michael recebeu sua sentença. Culpado pelo assassinato da jovem Bonnie, o criminoso foi condenado à prisão perpétua.

“Por 26 anos, buscamos respostas para nossas muitas perguntas”, desabafou LizPeak, a irmã da vítima. “Hoje temos justiça, mas não temos Bonnie.” Para Aaron, apesar da saudade, o fim do caso foi um grande conforto. “Há uma sensação de alívio por não termos que continuar lutando”, contou, ao WTLV. “Estou feliz que tenha acabado.”


+Saiba mais sobre serial killers por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Psicopata Americano, de Bret Easton Ellis (2020) - https://amzn.to/34yE1t1

Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter (2019) - https://amzn.to/39YVlGK

De frente com o serial killer, de Mark Olshaker e John E. Douglas (2019) - https://amzn.to/2UX47R4

Lady Killers: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/3c7BoPb

Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers, de John Douglas e Olshaker Mark (2017) - https://amzn.to/2xccb7L

Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado, de Ann Rule (2019) - https://amzn.to/3cauuc9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W