Matérias » Personagem

O crime que parou o Brasil: a tragédia de Eliane de Grammont

Morta a tiros pelo próprio ex-marido, o caso de Eliane foi fundamental para mudar o julgamento de "crimes passionais"

Caio Tortamano Publicado em 11/05/2020, às 19h56

A cantora Eliane de Grammont
A cantora Eliane de Grammont - Wikimedia Commons

O café paulista Belle Époque tinha seu ambiente entoado com canções românticas da cantora Eliane de Grammont, que fez sucesso em sua carreira meteórica durante a década de 70 no Brasil. No entanto, o lugar que tanto marcou a carreira de Grammon também seria palco de uma tragédia envolvendo a artista.

Um homem, certamente conhecido entre os que frequentavam o estabelecimento, não pensou duas vezes antes de apontar uma arma para a cantora. Era Lindomar Castilho, ex-marido de Eliane, que escandalizou o país ao ser responsável por um dos casos mais absurdos de todos os tempos.

Alma de artista

Eliane de Grammont era filha da compositora Elena de Grammont. Seu pai morreu enquanto ela ainda era muito nova, diante de uma condição cardíaca chamada miocardiopatia. Seus irmãos, radialistas e jornalistas em sua maioria, também acabaram sendo vítimas da doença na idade adulta.

Com o incentivo da mãe, Eliane começou a cantar profissionalmente, embalando sucessos como Coisas Bobas, que se tornou trilha sonora do casal Tony e Mariucha, na novela O Profeta, da Rede Tupi, no ano de 1977. E foi nesse mesmo ano que ela conheceu e se encantou com o cantor de boleros Lindomar Castilho.

Lindomar era popular no meio artístico, havia vendido mais de 800 mil cópias em um de seus LPs, que, à esta altura, eram lançados simultaneamente tanto no Brasil como nos Estados Unidos.

Casamento

Eliane, ainda conhecendo a fama, se envolveu romanticamente com o cantor de bolero. Todavia, a aproximação iria além: dois anos depois de se conhecerem, em 1979, se casaram — a contragosto da mãe e irmãos da cantora.

Para mostrar que não estava com Lindomar por causa de seu dinheiro e sucesso, resolveu realizar a união com separação de bens. Assim que se uniram, veio o primeiro choque da relação: o então marido a proibiu de continuar nos palcos, sua grande paixão.

A proibição daquilo que Eliane mais gostava de fazer veio acompanhada do histórico de alcoolismo do artista, que o levavam a ter crises fortes e perigosas de ciúmes, que também resultavam em agressões físicas, abuso psicológico e diversas separações e reconciliações mediante promessas de melhora. Grammont vivia um verdadeiro inferno.

O casamento, que durou pouco mais de um ano, resultou no nascimento da pequena Liliane, filha do casal. Seis meses depois, enquanto não tinha assinado o divórcio, Eliane tentou se reconciliar com o marido; Lindomar foi específico: só a aceitaria de volta se ela assinasse um contrato que envolvia 10 garantias e compromissos.

No documento, uma das cláusulas envolvia pedir perdão a uma funcionaria específica de Castilho, que trabalhava há anos com o cantor, e tinha sido a razão de muitas das brigas do casal ao longo daquele ano. No entanto, Eliane se recusou. Enfurecendo o cantor de bolero, permaneceram separados. Toda a situação, que já parecia caótica, teve um rumo ainda mais trágico.

O último suspiro

Naquela noite de 30 de março de 1981, Lindomar foi atrás da cantora por suspeitar de um possível envolvimento amoroso entre ela e Carlos Randall, seu primo, especialmente depois que ele se separou da mulher. A situação também se deu por Randall trabalhar com Eliane.

Assim, ele não pensou duas vezes antes de acertar a cantora naquela noite de 30 de março de 1981, enquanto ela cantava João e Maria, de Chico Buarque. Depois dos tiros, que atingiram, inclusive, Randall, o ex-marido tentou sair do bar mas foi contido pelo público, que foi capaz de amarrar o homem até a chegada das autoridades.

Tribunal

Levado ao júri perante a acusação incontestável de assassinato, a defesa do bolero afirmava que Grammont não cumpria com suas obrigações maternas, além de ser infiel ao cliente. 

Na época, era comum que o assassinato de mulheres fosse defendido com argumentos absurdos como os de que o homem agia sem controle, por “violenta emoção”, motivos completamente passionais, ou até mesmo para “defender a honra” prejudicada por traições. No entanto, a situação, que já parecia insólita o suficiente, uniu mulheres engajadas nos direitos femininos, que protestavam e pediam para a prisão imediata do assassino. 

Em agosto de 1984, Lindomar foi condenado a 12 anos de prisão pelo júri popular, cumprindo seis deles em regime semiaberto, ganhando liberdade em 1996. Atualmente, ele sumiu da vida pública e vive sozinho em Goiás, sua terra natal.

Homenagens

A morte de Eliane foi importante para mudar a visão da época acerca de crimes passionais, muito pelo apoio da mídia, que desmistificou a irracionalidade de quem cometia esse tipo de atrocidade.

Passeata em homenagem à cantora / Crédito: Divulgação

 

Marchas foram feitas em homenagem à curta vida da cantora, que enfrentou um triste fim abreviado pela insanidade do ex-marido. Hoje, ela é considerada um dos maiores símbolos do combate à violência contra mulheres no Brasil. 


+Saiba mais sobre grandes nomes da música por meio de obras disponíveis na Amazon:

Elvis Presley. História, Discografia, Fotos e Documentos, de Gillian G. Gaar (2016) - https://amzn.to/2VOxvbv

Michael Jackson. A Magia E A Loucura, de J. Randy Taraborreli (2009) - https://amzn.to/3aAxBJn

Freddie Mercury: A biografia definitiva, de Lesley-Ann Jones (2013) - https://amzn.to/3eBbAgu

Bowie: A biografia, de Marc Spitz (2009) - https://amzn.to/2yAanpn

Selena Como La Flor (Edição Inglês), de Joe Nick Patoski (2006) - https://amzn.to/2XYvEn1

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W