Matérias » Personagem

O dilema de Darwin: Casar ou ser livre?

Autor de “A origem das Espécies” tinha uma maneira curiosa de enxergar o matrimônio

Fabio Previdelli | @fabioprevidelli_ Publicado em 03/04/2022, às 00h00

Naturalista britânico Charles Darwin
Naturalista britânico Charles Darwin - Getty Images

“O dia dos dias”, foi dessa maneira que Charles Darwin definiu em seu diário a data em que sua prima, Emma Wedgwood, aceitou sua proposta de casamento — em 11 de novembro de 1838, quando o naturalista tinha apenas 29 anos. 

Apesar da extrema alegria, o britânico nem sempre foi tão otimista assim quanto à união. Afinal, meses antes, Darwin já havia feito uma reflexão sobre o que o casamento poderia mudar na vida de uma pessoa — ou pelo menos como ele achou que seria. 

Para elucidar a questão, o naturalista rabiscou uma lista de prós e contras, que foi encontrada em “The Correspondence of Charles Darwin, Volume 2: 1837-1843”, onde analisa a grande questão que envolve muitos casais: a relação família x carreira, amor x trabalho e coração x cabeça. 

Uma pintura em aquarela de Emma Darwin por George Richmond em 1840 / Crédito: Wikimedia Commons

A primeira vez que Darwin debateu sobre o assunto foi em abril de 1838. Embora seu desembarque do HSM Beagle tenha ocorrido apenas dois anos depois, o britânico já tinha certo reconhecimento no meio científico.

Na parte em que reflete sobre o casamento, ele aponta que uma união requer a necessidade de “trabalhar por dinheiro”, visto que é fundamental ter um modo de sustentar sua parceira e até mesmo um eventual filho. 

Além disso, o matrimônio também poderia resultar em “morar em Londres como um prisioneiro” e até mesmo limitar-se a fazer qualquer tipo de tarefa. Por outro lado, a vida de solteirão significaria viagens solitárias pela Europa e América; e a inclusão de diversos planos profissionais. 

A discussão foi retomada cerca de três meses depois, em meados de julho de 1838, quando ele acrescentou mais motivos em cada uma das colunas. Um pró importante é que Emma se tornaria sua companheira mais fiel, lhe fazendo companhia até a velhice. “Melhor do que um cachorro, de qualquer maneira”, define. 

Sua esposa também cuidaria da casa e também proveria um bom “bate-papo feminino” e poderia proporcionar os “encantos da música”, visto que Wedgwood tocava piano. “Essas coisas são boas para a saúde, mas é uma terrível perda de tempo”.

Ter filhos também — que, segundo suas anotações, viriam caso Deus quisesse — poderia lhe render uma ótima companhia, embora ponderasse que brigas e despesas adicionais estariam atrelados a eles. 

Meu Deus, é intolerável pensar em passar a vida inteira, como uma abelha castrada, trabalhando, trabalhando e nada além disso. Não, não vai servir… Imagine viver o dia todo sozinho na suja e enfumaçada London House. Apenas imagine para si mesmo uma esposa bonita e macia em um sofá com boa lareira, livros e, talvez, música”, deleita-se. 

Em contrapartida, ser solteiro significaria “liberdade para ir aonde se quisesse”, “conversar com homens inteligentes em clubes”. Isso sem contar o fato de “não ser forçado a visitar parentes”, “não poder ler à noite” e até mesmo “ter menos dinheiro para livros”.

Lista de prós e contras de um casamento escrita por Darwin/ Crédito: Darwin Correspondence Project

Sua esposa,  ademais, poderia não gostar de viver em Londres, o que terminaria com uma “sentença de banimento e degradação em um lugar tolo, indolente e ocioso”. Por fim, decreta que, no casamento, seria um escravo, “mas há muitos escravos felizes”.

Seis meses depois, o naturalista se casou com sua prima. Eles tiveram dez filhos — sendo que três morreram prematuramente. Os dois permaneceram juntos até a morte de Darwin, em 1882.


+Saiba mais sobre Charles Darwin por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A origem das espécies: A origem das espécies por meio da seleção natural ou a preservação das raças favorecidas na luta pela vida, de Charles Darwin (2014) - https://amzn.to/2HBIbUd

A expressão das emoções no homem e nos animais, de Charles Darwin (2009) - https://amzn.to/2HC1Ljl

A origem das espécies, de Charles Darwin (2018) - https://amzn.to/3bK3BMG

Viagem de um naturalista ao redor do mundo, de Charles Darwin (2008) - https://amzn.to/2HFbHby

The Voyage of the Beagle: Charles Darwin's Journal of Researches (Edição Inglês), de Charles Darwin (1989) - https://amzn.to/3bNNayV

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W