Matérias » Facebook

O 'Fevdo' Ocioso: a idade média vira meme no mundo digital

Grupo do Facebook brinca com a memória da idade média e faz piada com a estética medieval

André Nogueira Publicado em 20/03/2019, às 11h25

Capa da página de divulgação de memes
Memes Nobres para Plebevs Ociosos

Em 2018 nasceu uma página de memes nas redes sociais que, com um início singelo, logo fez grande sucesso, Memes Nobres para Plebeus Ociosos. A proposta satírica é simples e criativa: converter memes famosos e situações corriqueiras do cotidiano em iluminuras do mundo medieval e cristão.

Como de praxe, a página de divulgação de memes trouxe a necessidade de um grupo maior no Facebook. Assim nasceu o 'Fevdo' Ocioso, espaço digital em que brasileiros criam e compartilham conteúdo sobre a idade média com intenções humorísticas.

Este é um comentário sobre esse inusitado grupo que soube brincar com a História e rir do mundo europeu cristão.

O grupo já possui mais de 28.700 integrantes por todo o Brasil. A página que utiliza a produção interna desses memes possui cerca de 178 mil seguidores que se divertem com os simples memes que, imitando memes mais antigos, satirizam o falar embolado que nossa memória conhece das nobrezas medievais. Nesse mundo de piadas e referências, cerveja se torna hidromel, a expressão de surpresa é "raios mvltiplos" e qualquer rato se torna uma capivara. O tom de piada é constante.

Percebe-se alguns temas comuns no grupo, que explicitam os elementos da medievalidade que permeiam o imaginário social que temos do período. O eixo principal do tom humorístico da página está no uso da norma culta pelos membros do feudo. Frases simples são convertidas em expressões eloquentes e de léxico pomposo. A piada linguística atinge níveis especiais: no grupo, como se vê no próprio nome, existe a Runa Proibida, em referência à escrita latina cuja última vogal é marcada pelo signo "V".

Bruxaria e inquisição são temas também de constante aparição. Piadas que envolvem a investigação para desmascarar as "bruxas" e convocar o uso clássico da fogueira são comuns no grupo. Assim também são as piadas com o fundamentalismo religioso clássico da nossa visão sobre a Idade Média.

Dentro do grupo, todos se tornam caricaturas de hiperreligiosos que convocam irracionalmente os poderes eclesiásticos. Uma mina de ouro para um professor de história engajado.

Outro tema recorrente é a citação da Peste Negra e sua associação direta com os ratos, fazendo desses animais um dos principais tópicos do conteúdo interno da comunidade. O tempo todo vemos exercícios de memória histórica a partir da prática humorística.

Cenários fojados da medievalidade. Temas em constante referência à Europa cristã. Esse grupo mostra o poder que a piada tem de demonstrar nossa visão de mundo e sobre o passado. O Fevdo Ocioso demonstra a expansão da noção de "medievalidade" na visão popular da história. O "mundo medieval" para essas pessoas se confunde não só com o feudalismo, mas com a própria cristandade, fazendo da Idade Média um tempo bastante largo e inflado.

Ao mesmo tempo, há um claro achatamento da temporalidade quando se trata da projeção histórica que se faz da medievalidade nesse grupo. Aspectos distintos e temporalmente afastados na cronologia real dos fatos são colocados como contemporâneos entre si (ou seja, na visão histórica que esse grupo traz, os carolíngios, os vikings, os feudos, a peste e a caça às bruxas são fenômenos que acontecem ao mesmo tempo, no mesmo cenário, o que não é verdade). Esta é uma visão bastante comum sobre a época entre os não-historiadores.

É importante destacar que tudo isso não é necessariamente problemático ou que deveria ser combatido. Claro, falta muita precisão histórica, mas não é só de precisão que se faz a vida. O Fevdo Ocioso é ao mesmo tempo uma excelente forma de aproximar o leitor comum da Internet de assuntos históricos e um precioso laboratório de análise de memória histórica entre as pessoas. Ao mesmo tempo, é um importante alívio cômico contra a visão sisuda e engessada de História que alguns defendem fiel e unilateralmente.